Últimas

Terça-Feira, 15 de Dezembro de 2009, 08h:20 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:25

Rumo a 2010

O Que Fazer?

   A estória se repete. A indignação é generalizada. Mas a nossa capacidade de adaptação é fenomenal. Passado o momento inicial, tudo é esquecido. O caso de Brasília é o clímax inédito na história de nosso país. Muito embora o líder maior tenha dito que as imagens que mostram o governador Arruda recebendo a propina não querem dizer muita coisa e que é necessário esperar mais tempo para examinar melhor, a coisa atingiu um patamar nunca antes visto. Todo mundo está revoltado, está estarrecido, e na capital federal os protestos perduram. Mas por quanto tempo? Quem ainda fala no mensalão? Os dólares na cueca, o "montão" de dinheiro encontrado com os aloprados do PT, que pretendiam montar um dossiê contra o candidato José Serra, quem ainda se lembra disso?

   Assim, a tática do governador Arruda de resistir ao máximo está corretíssima. Se ele agüentar por mais algum tempo, um novo escândalo surge, o seu é esquecido e tudo volta ao normal. Ademais, ele conta, aliás, todos contam, com a "desmemória" do povo e também com a morosidade do Judiciário. Vejam que só agora, onze anos depois, o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou a denúncia contra o senador Azeredo, do PSDB de Minas. Se até o Judiciário é lento, imagine então a lembrança do "povão". E há mais: a quase totalidade dos envolvidos no escândalo do mensalão foi reeleita. O José Arruda, que enrolado na violação (também inédita) do painel de votação do Senado renunciou ao mandato, retornou menos de um ano depois como o deputado federal mais votado e, pouco tempo depois, como governador. Então, o que esperar?

         O enredo da corrupção é sempre o mesmo. A reação é que muitas vezes difere. Na época do mensalão praticamente não houve protestos populares. Agora a Câmara Distrital de Brasília está ocupada pelos estudantes. Você se sente atordoado diante da evidência inquestionável dos fatos e se indaga o que pode fazer. Mas me arrisco a dizer que dois fatores estão eliminando qualquer possibilidade de reação. Um, a banalização do mal; o outro, a impunidade, a certeza de que o crime não será punido.

   O incrível é que a própria população, a maior prejudicada com a criminalidade política, com a desfaçatez absoluta, com a cretinice generalizada, já não reage mais. E o exemplo vem de cima. Nenhum dos responsáveis pelos grandes escândalos recentes – o monte de dinheiro encontrado com Roseana Sarney em sua pré-campanha presidencial de 2002, o caso Valdomiro Diniz, a propina dos Correios, que deflagrou o processo do mensalão em 2005, aqueles que foram chamados por Lula de “companheiros aloprados”, o episódio do dinheiro encontrado na cueca do assessor petista do irmão do presidente nacional do PT, enfim a lista é grande – foi preso. Ninguém sabe de nada, é como se nada tivesse existido.

         Então, o que fazer? Esta a grande indagação. Você que trabalha quatro meses por ano só para pagar impostos, deve refletir: o que fazer? Você que assiste bestificado a essas torcidas de futebol ensandecidas praticarem atos de vandalismo, tanto quando o time perde como quando ganha, mas que é incapaz de levantar a voz contra um governo – nos três níveis, diga-se – que lhe tira o couro nos impostos sem lhe dar em troca saúde, educação de qualidade e segurança pública, você leitor deve (será?) estar se indagando, que futuro nos espera?

   Sebastião Carlos Gomes de Carvalho é escritor e advogado

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Mais jovem prefeito sucede familiares

Rog�rio Meira_400 jangada   O mais jovem entre os prefeitos eleitos e/ou reeleitos de MT, Rogério Meira (foto), tem um histórico de vida pública, mesmo tendo apenas 24 anos. Atualmente, ele exerce mandato de vereador por Jangada e foi eleito prefeito da cidade ao obter 1.699 votos, 9 a mais que o...

Base forte de EP para Mesa Diretora

juca do guaran� curtinha 400   A base do prefeito Emanuel Pinheiro para o segundo mandato, embora com quatro virtuais candidatos à presidência da Mesa Diretora, está construindo o discurso de que não pode rachar sob o risco de entregar o comando do Legislativo para a oposição....

Deputado ajudou a enterrar Binotti

neri 400 curtinha   O deputado federal Neri Geller (foto), que se acha um grande líder político, ajudou a enterrar nas urnas o projeto de reeleição do prefeito Luiz Binotti (PSD), derrotado à reeleição. Perdeu para o ex-vice-prefeito Miguel Vaz (Cidadania), que contou com apoio do ex-prefeito e atual...

Euclides "torra" R$ 8 mi na campanha

euclides ribeiro 400 curtinha   O advogado milionário Euclides Ribeiro (foto), que tem na carteira de clientes grandes produtores rurais, registra R$ 8,2 milhões de receitas e despesas de campanha ao Senado. Concorrendo pelo Avante, Euclides só chegou a 58.455 votos. Ficou em nono lugar, à frente apenas de Reinaldo...

Fávaro é quem mais gastou ao Senado

carlos favaro 400 curtinha   O senador reeleito Carlos Fávaro (foto) foi o que mais gastou na campanha. Oficialmente, arrecadou R$ 11,7 milhões. As maiores contribuições financeiras vieram de empresários do agronegócio. Orcival Guimarães, dono de rede de empresas de implementos agrícolas, doou...

Beto deve repensar projeto a federal

beto farias 400 curtinha   A derrota nas urnas do seu afilhado político, vice-prefeito Wellington Marcos (DEM), que tentou o Executivo de Barra do Garças e ficou em segundo lugar, obtendo somente metade dos votos em relação aos atribuídos ao eleito Adilson Gonçalves, pode levar o prefeito Beto Farias (foto)...