Cidades

Domingo, 19 de Maio de 2019, 09h:30 | Atualizado: 20/05/2019, 08h:41

Estudante de Direito cria rede solidária e constrói casa para família pobre - vídeo

selo RD do Bem

 

Dieniffer Sardinha tem 22 anos, é estudante de Direito, dona de uma boutique virtual e filha de pecuaristas em Araputanga (a 336 km de Cuiabá). Porém, o que surpreende nela é que, desde a infância, se preocupa com crianças pobres.

Bem cedo, diz ter sentido pulsar no coração amor ao próximo. Era fácil para ela dividir merenda ou brinquedos com os colegas. É com esta empatia que começou a articular uma rede do bem e idealizou o projeto Criança Feliz, que tem como principal objetivo levar felicidade, aonde só a miséria vinha chegando.

A rede hoje conta com 12 jovens engajados, seus amigos, da mesma faixa etária, a quem foi convencendo, um a um, a abraçar a causa. É organizada, tem regras. Atua na região de Araputanga.

Entrega cestas básicas, chocolates na Páscoa e agora está empreendendo um voo mais alto, construindo uma casa para a família do braçal Lucinei.

Esta é mais uma matéria da série RD do Bem, que só traz boas notícias e inspiradoras. Se conhece uma história bacana, mande para a gente! (65 9-9988-4251)

Arquivo Pessoal

RD DO BEM

Em frente ao barraco, a casa começa a sair do papel e virar realidade a casa que a famíia do braçal Lucinei tanto precisa. A esposa dele está adoentada

Arquivo Pessoal

criança feliz

Ainda adolescente, aos 12 anos, único registro das primeiras ações de Dieniffer Sardinha

Na festa do pijama, veio a ideia

A primeira vez que Dieniffer pensou em fazer uma campanha solidária tinha 12 anos. Não seguia o exemplo de ninguém na família, foi espontâneo. Era época de Natal. Teve uma festa do pijama, com suas amigas, foi ali que ela teve a ideia de chamá-las para arrecadar cestas básicas. “Acredito que vi alguém passando necessidade e aquilo me tocou”, comenta, tentando relembrar do início de tudo.

Depois disso, não parou mais. Na Páscoa do ano seguinte, arrecadou ovos de chocolate e assim por diante.

Uma Casa Para Lucinei

A mais arrojada iniciativa do Criança Feliz até agora - em 10 anos - ainda está em curso. É a campanha Uma Casa Para Lucinei e Família. O Lucinei, que é braçal, vendeu onde morava para pagar o tratamento de saúde da esposa. Com outra parte do dinheiro, comprou um terreno e, com ajuda de um vizinho, ergueu um barraco precário. O casal tem dois filhos: Henrique, 7, e Guilherme, 4. Nesse caso, os meninos é que são o foco da rede. “A ideia é, com a contribuição de todos, construirmos justamente uma casa, uma vida digna a essa família, capaz de proporcionar grande felicidade aos meninos e iremos colocar o imóvel para usufruto deles”, explica Dieniffer.

No barraco em que a família vive hoje, não tem banheiro e todos fazem as necessidades no mato, colocando em risco as crianças, por causa de cobras, por exemplo, e doenças da insalubridade.

No dia em que a ativista conheceu a família de Lucinei, foi embora preocupada. “Voltei à noite com remédios e coisas para as crianças. Lá não tinha nada. Fogão, geladeira, nada. Estamos conseguindo tudo”, vibra.

No dia 24 de abril, a obra iniciou e já está parcialmente pronta. Quando terminar, um sonho de menina terá proporcionado a moradia de uma família. Grandioso!

Galeria: O BARRACO E A CASA

Pé na estrada

A rede já atende a crianças pobres de 8 cidades na região de Araputana, para onde Dieniffer viaja, de carro – quando acha companhia – ou de ônibus, quando não acha. São elas Jauru, Figueirópolis D'oeste, Indiavaí, Mirassol D'oeste, Lambari D'oeste, Cáceres e Rio Branco. Nessas cidades, há representantes do projeto, segundo ela “fortemente dedicados e capacitados para sanar quaisquer dúvidas”.

Na Páscoa deste ano, em abril, mais de 350 crianças ganharam chocolate e alimentos. Além disso, o grupo também visita o Lar Flor de Acácia, dos idosos, além do Lar das Irmãs, afinal nada substituiu o carinho presencial, o tempo gasto com quem está se sentindo abandonado ou carente.

“O importante é alertar à população que ajudar o próximo deve virar hábito e não ser somente algo especial, em datas comemorativas. O mundo está carente de boas atitudes”, ressalta a ativista social.

Para ela, o dinheiro não compra tudo. “Minha família é boa de situação, mas me faltava algo que nada preenchia. Quanto comecei o projeto, minha família não era tão a favor, mas depois foi se acostumando com a ideia, porque eu era criança e saía na rua pedindo. Sempre tive o coração bom e vontade de compartilhar, porque vejo uma grande falta de compaixão com o próximo”, relata.

Ela acredita que o gatilho para o tal vazio existencial foi o assassinato do pai, quando tinha apenas 7 anos. “Isso me incentivou a ser uma pessoa melhor, porque, quando ele morreu, descobri que era traficante e mexia com coisas erradas. Eu tinha a escolha de pegar o trauma e ser rebelde ou usar a meu favor. Tentei buscar o melhor de mim depois disso. Dá para ter uma noção do trauma? Achei que meu pai era uma pessoa e (com o assassinato) descobri outra”, lamenta.

Como ajudar

Apesar do status da família atualmente, não conta com isso. Antes vendia trufa, empada, lanche natural na faculdade, pedia apoios e, aos poucos, conseguiu ir dando visibilidade ao projeto, o que facilita a encontrar apoiadores e parceiros.

Planos futuros

Ela diz ter achado na caridade o que dá sentido à vida. Não tem pretensões políticas. Único plano é o de ir para a África no futuro e ajudar mais pessoas, além de fundar uma ONG.

Como ajudar

Informações: (65) 9685-3196

Galeria: CRIANÇA FELIZ

Veja vídeo

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Vereador terá de devolver R$ 106 mil

justino malheiros 400 curtinha   Justino Malheiros (foto), que está licenciado da Câmara de Cuiabá para tratamento de saúde, terá de restituir R$ 106,6 mil aos cofres públicos juntamente com a empresa Votech Tecnologia em Votação Eireli. E o valor deve ser corrigido monetariamente pelo IPCA...

Única suplente com salário no Senado

clerie fabiana curtinha 400   Dos seis suplentes de senadores por Mato Grosso, uma recebe salário pelo Senado. Trata-se de Clérie Fabiana Mendes (foto), segunda-suplente de Selma Arruda. Mas o seu subsídio não é pelo cargo assegurado com a eleição da chapa, mas sim por ter sido nomeada em posto...

Prefeita e R$ 10 mi em obras em Sinop

rosana sinop 400 curtinha   A prefeita de primeiro mandato de Sinop Rosana Martinelli (foto) está fechando o terceiro e penúltimo ano de mandato com uma grande demanda de obras estruturantes. Após licitar, assinou contrato de R$ 10,2 milhões com a construtora e incorporadora Berna, que vai executar o projeto integrado de...

Justiça impede "espetáculo eleitoreiro"

helena 400 curtinha desembargadora   O Judiciário fez justiça ao mandar suspender a eleitoreira CPI contra o prefeito Emanuel. Numa fase já de pré-campanha, em que todos os 25 vereadores cuiabanos e mais uma centena de outros de fora se movimentam pensando na disputa eleitoral e ávidos para criar palanque, nada...

Parlamentar anda cabreiro até na AL

sebastiao rezende 400 curtinha   Sebastião Rezende (foto), que exerce o 5º mandato, anda cabreiro e assustado, até mesmo na hora de circular pelos corredores da Assembleia. E não pode avistar um jornalista que sai correndo. Na terça, após a sessão ordinária, o deputado acelerou os passos quando...

10 anos "adormecida" sobre Energisa

gisela 400 curtinha   Depois de mais de 10 anos atuando no Procon, a advogada e primeira-suplente de deputada federal Gisela Simona (Pros) agora que se acordou para a gravidade sobre a prestação de serviços da Energisa, campeã de reclamações junto ao próprio Procon. Passou todos esses anos sem mover...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O que você acha das denúncias, principalmente sobre pagamento de propina, feitas pelo ex-presidente da AL José Riva, que tenta fechar delação?

São verdadeiras

Nem tudo é verdade

Acho que ele está mentindo

Não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.