Ana Lacerda

Exploração de reservas e parcerias com índio produtor

Por 09/10/2019, 07h:21 - Atualizado: 09/10/2019, 07h:31

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

No último texto publicado nesta coluna, ao tratar sobre a demarcação de terras no país, pontuei algumas arbitrariedades, incongruências, controvérsias e omissões do instituto, que há muitos anos impulsionam acaloradas discussões dentro e fora do governo, e que devido à insegurança jurídica proporcionada, também ocasiona o descontentamento dos produtores rurais e povos indígenas.

O atual governo também defende há algum tempo a  liberação da exploração de terras indígenas por atividades do agronegócio e mineração, tendo, inclusive, já ensaiado, desde o começo do corrente ano, o preparo de uma regulamentação que autorizaria parcerias entre índios e os produtores rurais, para cultivo e criação de gado em terras já demarcadas

Ainda no que diz respeito às terras indígenas, além do tema da demarcação de territórios, o atual governo também defende há algum tempo a  liberação da exploração de terras indígenas por atividades do agronegócio e mineração, tendo, inclusive, já “ensaiado”, desde o começo do corrente ano, o preparo de uma regulamentação que autorizaria parcerias entre índios e os produtores rurais, para cultivo e criação de gado em terras já demarcadas.

É importante esclarecer que, embora este tipo de atividade não esteja regulamentada, é muito comum em várias regiões do país, o arrendamento de terras indígenas para exploração dos mais variados tipos de produção. Outrossim, ressalta-se que tanto a Ministra da Agricultura, quanto a Diretora Territorial da FUNAI defendem a abertura das terras indígenas para exploração comercial, alegando, em síntese, que a regulamentação da produção agrícola seria uma prioridade tanto para o país, quanto para os índios, que há séculos estariam em contato com as demais raças e nosso meio social.

Ressalta-se, ainda, que outra meta do governo seria a exploração de jazidas minerais localizadas em terras indígenas, porém, com relação a esse tipo de atividade, devido à determinação Constitucional (art. 231, parágrafo 3º, da Constituição Federal/88) diferentemente do agronegócio, que supostamente poderia ser liberado por um decreto presidencial, a mineração deverá ser debatida em comissões da Câmara, do Senado e votada em plenário, para somente então ser submetida à sanção presidencial.

Entretanto, enquanto a legalização dessas atividades não ocorrem, as práticas “ilegais” continuam a perpetrar pelo país, como as que foram recentemente veiculadas na mídia, em que 22 terras indígenas do Brasil possuíam áreas arrendadas ilegalmente para ruralistas, cujas negociações clandestinas entre produtores e indígenas incluíam desde o pagamento de mensalidades para os nativos, até a divisão da produção colhida ou vendida. Segundo consta, nessas 22 terras vivem mais de 48 mil índios, e a área total arrendada chega a 3,1 milhões de hectares, um território equivalente a mais de cinco vezes o tamanho do Distrito Federal, o que além de ser um absurdo, revela toda a ingerência estatal sob seu território.

Recentemente, o presidente do IBAMA, Eduardo Fortunato Bim, em um despacho proferido no último dia 23, como forma de sinalização de alguma modificação e flexibilização quanto à matéria e, em sintonia com o entendimento do atual governo, desembargou 22 mil hectares de terra, tendo, para tanto, atacado as multas aplicadas pelo órgão contra indígenas e fazendeiros na região noroeste do Estado de Mato Grosso, que segundo consta, além de terem realizado contratos de parcerias, foram autuados por utilização de recursos ambientais potencialmente poluidores, por impedir a regeneração natural de vegetação nativa e, ainda, pelo plantio de soja e milho transgênicos, que também é vedado em terras indígenas pela Lei nº 11.460, de 2007.

O despacho de Bim, que representou o recuo de todos os atos praticados pela fiscalização do IBAMA sobre o assunto na região, que havia aplicado multas milionárias contra arrendatários não indígenas e também contra associações indígenas, defendeu: a existência de perseguição dos agentes estatais aos produtores; a vedação da diferenciação na permissão de utilização de transgênicos, por se tratar de parceria com aval da FUNAI; e, ainda, que não haveria falar-se em manutenção da vegetação, devido ao fato de que a terra indígena não seria unidade de conservação.

Dentre outros argumentos, o presidente do IBAMA também sustentou que haveria intenção dos indígenas na regularização de sua atividade produtiva, tendo eles inclusive iniciado um acordo, que se encontrava em fase preliminar, e afirmou ainda que também não haveria ocorrido o julgamento definitivo dos autos de infração apresentados, assim, levando-se em conta que os embargos possuem o objetivo de impedir a continuidade do dano ambiental, e considerando o interesse das partes na celebração do acordo, determinou a suspensão dos embargos sobre as áreas autuadas.

Não podemos permitir que os índios continuem sendo utilizados como inocentes úteis das ONGs e do capital internacional

Entretanto, em desacordo com esse entendimento, também foi noticiado recentemente que em uma ação realizada pelo IBAMA e pela FUNAI, foram autuadas e embargadas propriedades rurais que não teriam respeitado os limites de áreas indígenas, e que supostamente estariam impedindo a regeneração de vegetação nativa na Amazônia.

Consoante se denota, no que diz respeito às terras indígenas, muito embora o entendimento pareça caminhar no sentido de autorizar parcerias entre indígenas e produtores para a exploração de atividades do agronegócio, ainda podemos verificar decisões conflitantes pelos Estados da Federação e, inclusive, dentro do mesmo Estado conforme mencionado em linhas pretéritas.

Todos esses fatores ressaltam a necessidade da urgente regulamentação da produção agrícola em terras indígenas, mediante a autorização de parcerias entre índios e produtores rurais, pois não podemos permitir que os índios continuem sendo utilizados como “inocentes úteis” das ONGs e do “capital” internacional.

Assim, considerando que a otimização da produção em todo território nacional impulsiona fortemente nossa economia, e, ainda, objetivando exterminar as corriqueiras negociações clandestinas entre produtores e indígenas pelo país, é que esse tipo de atividade deverá ser  autorizada e regulamentada conforme cogitado no início do ano pelo  atual governo, respeitando-se os meios legais para tal formalização, levando desenvolvimento econômico e humanização a esses povos e ao país como um todo.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

Diretor define contratos emergenciais

alexandre beloto 400 curtinha diretor hospital   O diretor-geral da Empresa Cuiabana de Saúde Pública, Alexandre Beloto Magalhães (foto), tem feito compras emergenciais de materiais hospitalares para surprir demandas, especialmente do São Benedito e do Hospital Municipal de Cuiabá (HMC), que detém uma...

Bancada garante R$ 10 mi para IFMT

neri 400 curtinha   O deputado Neri Geller (foto), coordenador da bancada federal mato-grossense, anunciou destinação de R$ 10 milhões em emendas para o Instituto Federal de Mato Grosso no orçamento de 2020. Dirigentes do IFMT promoveram duas reuniões para debater projetos para melhorar a estrutura física...

Juca e aval do prefeito a projeto social

juca do guaran� curtinha 400   Juca do Guaraná Filho (foto), do Avante, conseguiu sensibilizar o prefeito Emanuel Pinheiro a apresentar uma mensagem à Câmara isentando do pagamento de IPTU os portadores de câncer e HIV. O  projeto foi apresentado originalmente na Câmara Municipal da...

Supremo enterra pedido contra Maluf

maluf_400   A 1ª Turma do STF enterrou de vez um pedido do advogado Waldir Caldas (Novo), ex-candidato ao Senado, que tentava revogar os atos que conduziram o ex-deputado Guilherme Maluf (foto) a uma cadeira no Tribunal de Contas. Caldas queria, ele próprio, ter a chance de ser indicado ao cargo, que era de prerrogativa da Assembleia. O...

Rosana reassume Sinop na quinta

gilson de oliveira 400 curtinha sinop   Pela segunda vez, o apresentador de TV Gilson de Oliveira (foto), do MDB, comanda temporariamente Sinop, a chamada capital do Nortão. A prefeita e empresária Rosana Martinelli saiu de licença não remunerada por 12 dias para cuidar de assuntos pessoais. Viajou aos Estados Unidos....

Vereador induzindo as pessoas ao erro

diego guimaraes curtinha 400   O vereador oposicionista pela Capital Diego Guimarães (foto), do PP, está induzindo a erro às pessoas. Mesmo o prefeito Emanuel já tenho anunciado que vetará a proposta da Câmara Municipal de aumentar o seu próprio salário, uma forma de criar o efeito cascata e...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O que você acha das denúncias, principalmente sobre pagamento de propina, feitas pelo ex-presidente da AL José Riva, que tenta fechar delação?

São verdadeiras

Nem tudo é verdade

Acho que ele está mentindo

Não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.