Ana Lacerda

Reconhecimento de limites e terras indígenas

Por 06/05/2020, 07h:20 - Atualizado: 06/05/2020, 07h:26

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

No dia 22 de abril do corrente ano, a Fundação Nacional do Índio (Funai) publicou a Instrução Normativa n.º 9/2020. O documento versa sobre a emissão de “Declaração de Reconhecimento de Limites”, que se destina a fornecer aos proprietários ou possuidores privados, a certificação de que os limites do seu imóvel respeitam os limites das terras indígenas homologadas, reservas indígenas e terras dominiais indígenas plenamente regularizadas. Não cabe mais à Funai produzir documentos que restrinjam a posse de imóveis privados em face de estudos de identificação e delimitação de terras indígenas ou constituição de reservas indígenas.

Nesse sentido, a Assessoria de Comunicação Social da Funai, publicou uma Nota sobre a cita Instrução Normativa esclarecendo que “A Instrução Normativa nº 3/2012-Funai, revogada pela Instrução Normativa Nº 9/2020-Funai, permitia que antes do Decreto Homologatório Presidencial fosse possível ao Estado interferir, por prazo indeterminado, em face de procedimento demarcatório em curso, no direito fundamental de posse e propriedade, positivado no artigo 5º, inciso XXII, da Carta Republicana.

Seguiu esclarecendo que “Isso ocorria pelo fato de que propriedades privadas incidentes em terras sob estudo de identificação e delimitação (fase do rito demarcatório que pode durar décadas, eis que normalmente judicializada), passavam a ser inscritas em bancos de dados públicos restritivos da posse (Sigef), o que impedia a emissão de atestados administrativos aos respectivos proprietários, impedindo o usufruto pleno sobre as glebas.”

Em resumo, de acordo com a nova normativa não serão incluídas no Sistema de Gestão Fundiária  - Sigef  do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) as terras que ainda não foram homologadas como indígenas, via Decreto Presidencial. Cabe explicar que o Sigef  é um sistema de gestão de informações fundiárias do meio rural brasileiro.

As consequências do processo como era anteriormente, estagnavam pleitos por anos, muitos anos: a morosidade da justiça brasileira não é surpresa para ninguém. Mas o mais grave é que bastava que a área estivesse em estudo de demarcação ou entrasse em uma discussão sobre ter ou não sobreposição com possíveis terras indígenas, que nada mais poderia ser feito. Restava apenas aguardar o encerramento da contenda.

O que é problemático é que, não raras vezes, o resultado do processo, após perícias, visitas e análises diversas, mostrava que não se tratava realmente de terra indígena.

Ora, não parece razoável impedir que uma terra seja utilizada para atender sua função social, que o proprietário fique impedido de trabalhar na sua área em decorrência de nada mais que uma discussão, uma expectativa, um talvez.

Se ainda há o que ser estudado, debatido, verificado, não é justo bloquear o proprietário de regularizar a sua área. Se não há decisão, se não tem decreto e não há homologação, que prospere a sensatez.

Com a instauração da Normativa em comento, muitos proprietários rurais que estavam com suas terras interditadas por muitos anos, alguns processos datados de 1982, agora podem “retomar” o pleno exercício do direito de propriedade de suas respectivas áreas. Os estudos continuarão, entretanto, as propriedades não estão mais interditadas

Segundo o determinado pelo Decreto Federal 1775/1996, que dispõe sobre o procedimento administrativo de demarcação das terras indígena, fica evidenciado como o processo pode ser longo e oneroso. Depende, dentre outros fatores, de pesquisas desenvolvidas por antropólogo; estudos complementares de natureza etno-histórica, sociológica, jurídica, cartográfica, ambiental e levantamento fundiário realizados por grupo técnico especializado; apresentação de relatório circunstanciado ao órgão federal de assistência ao índio; encaminhamento ao Ministério competente... Para, frise-se, talvez, ser homologada como terra protegida.

Com a instauração da Normativa em comento, muitos proprietários rurais que estavam com suas terras interditadas por muitos anos, alguns processos datados de 1982, agora podem “retomar” o pleno exercício do direito de propriedade de suas respectivas áreas. Os estudos continuarão, entretanto, as propriedades não estão mais interditadas.

Vale ressaltar ainda que a Instrução Normativa, no art. 4º garante que terra indígena homologada ou regularizada; reservas indígenas e terras indígenas dominiais não serão passíveis da emissão da Declaração de Limites. Ou seja, a nova Instrução Normativa garante proteção às terras detentoras desse direito.

Trata-se de alinhar a situação fática existente ao que se prevê na letra da lei. Sem atropelamentos ao direito de propriedade, ao arrepio do que prevê o regramento jurídico brasileiro, penalizando duramente os proprietários que já pagaram o devido preço pelos seus imóveis. A segurança jurídica merece ser preservada, uma vez que dela se obtém uma sociedade mais justa e com as apropriadas mediações de conflitos.

É preciso ainda rememorar que os proprietários amargam, há tempos, os frutos dos procedimentos demarcatórios malfeitos e não finalizados. Não é difícil encontrar laudos de origem duvidosa embasando interdições, procedimentos unilaterais que avançam a largos passos, impetrados e julgados pelo próprio órgão demarcador.

A Instrução Normativa em tela vem com o intuito apenas de garantir ao proprietário que enquanto a terra dele não for homologada como de outro ou outros, seja dele.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

Salgadinhos sim; caminhão pipa, não

humberto bolinha 400 curtinha   Em Guiratinga, o prefeito Humberto Domingos, o Bolinha (foto), resolveu homologar na última segunda, 1º de junho, processo licitatório para contratar uma empresa com vistas a fornecer salgadinhos nas 11 secretarias municipais. Vão ser gastos com salgados R$ 21,7 mil. No mesmo dia, Bolinha...

Nepotismo e demissão na gestão Pátio

leandro junqueira 400   Acuado pela notificação recomendatória do Ministério Público Estadual, o prefeito de Rondonópolis, Zé do Pátio, não teve outra saída senão exonerar a servidora Renata Castilho Moreno do cargo comissionado de gerente do Departamento de Engenharia e...

Candidatíssima à vereadora em Cuiabá

gisele almeida 400 curtinha   A apresentadora de TV, Gisele Almeida (foto), vai mesmo encarar o teste das urnas como candidata à vereadora em Cuiabá. Irmã do ex-vereador, ex-deputado e hoje conselheiro afastado do TCE, Sérgio Ricardo, ela não perde tempo nas articulações. Recentemente, recebeu no...

Quebra-cabeça para definir a chapa

eduardo botelho 400 curtinha   Eduardo Botelho (foto) está postergando ao máximo a definição dos nomes de sua chapa ao comando da Mesa Diretora. A eleição já acontece no dia 10, na próxima semana. Como 12 dos 24 deputados brigam por espaço, o presidente da Assembleia sabe que, ao final,...

Secretário terá de explicar contrato

alex vieira 400 curtinha   O secretário de Educação de Cuiabá, Alex Vieira (foto), tem dois dias para apresentar defesa ao TCE sobre uma representação da empresa F. M Paragas, propriedade de Fernando Marcelo, que apontou supostas irregularidades na contratação, por dispensa de...

Presidente da OAB e péssimo exemplo

leonardo campos 400 curtinha   Continua repercutindo muito mal, inclusive em âmbito nacional, o escândalo em que se envolveu Leonardo Campos, o Léo Capataz (foto), que acabou se afastando da presidência da OAB-MT. Deu um péssimo exemplo à sociedade. Ele foi parar na Delegacia, na semana passada, sob...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.