ECONOMIA

Terça-Feira, 29 de Setembro de 2015, 15h:14 | Atualizado: 29/09/2015, 15h:42

Em meio a crise, quase metade dos frigoríficos são fechados - veja mapa

Mário Okamura

frigorificos_1

 Confira acima, onde estão instaladas as plantas frigoríficas de Mato Grosso. 19 delas estão com as atividades suspensas - mais detalhes no quadro abaixo

A redução da oferta de bovinos para abate no Estado nos últimos dois anos acarretou no fechamento de 18 plantas frigoríficas nos últimos 18 meses, média de uma por mês. O fato é que, mesmo sendo detentor do maior rebanho do país com cerca de 28 milhões de cabeças, a “escassez” do boi está mexendo com a economia de muitas cidades e claro, do Estado. 

Para se ter ideia, das 41 unidades frigoríficas instaladas no Estado, 19 estão com as atividades paralisadas. Deste montante, sete fecharam as portas em 2015, entre as empresas estão a JBS instalada na Capital onde cerca de 500 funcionários foram demitidos; a Minerva Foods em Mirassol D’Oeste onde outros 700 perderem seus empregos; e ainda, o JBS/Friboi em São José dos Quatro Marcos onde mais 724 trabalhadores foram dispensados. 

As outras unidades paradas estão localizadas em Cáceres, Várzea Grande, Sinop, Canarana, Nova Xavantina, Vila Rica, Juara, Matupá, Nova Monte Verde, Colíder, Pontes e Lacerda, Barra do Garças e Rondonopólis - veja detalhes nos quadros.

Mário Okamura

frigorificos_1

Confira, acima, quais frigoríficos estão operando em MT e quais estão com as atividades paralisadas

De acordo com o  o Sindicato das Indústrias de Frígoríficos do Estado de Mato Grosso (Sindifrigo), um dos fatores que contribuiu para essa situação é a saída do boi em pé, ou seja, a saída de bois vivos para outros Estados.

Entretanto, isso por si só não seria suficiente para ocasionar o fechamento de tantas plantas.

Para o presidente do Sindifrigo, Luiz Antonio Freitas Martins, mesmo com plantas paradas, a capacidade instalada de abate é muito superior a oferta de animais.  “Há pelo menos dois anos as plantas operam na ociosidade. Isso é ocasionado em razão do ciclo da pecuária, que dura de cinco, seis anos. Nosso rebanho está estagnado e isso faz parte do ciclo da atividade”, explica Martins.

Ele ressalta que o Estado já passou por outras situações semelhantes e que as unidades fechadas têm condições de retomar as atividades assim que a oferta de animais for reestabelecida. 

Para a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), a situação dos frigoríficos não tem ligação direta com a crise econômica que assola o país e concorda que a situação é reflexo do grande número de matrizes abatidas entre os anos de 2011 e 2013, comprometendo a oferta de animais para a reposição.

Gilberto Leite

José João Bernardes

José João Bernardes, presidente da Acrimat, comenta crise vivida por frigoríficos

“Entre esses anos o abate de fêmeas ficou superior ao índice de equilibrio, que é 33%. Quando você ultrapassa você está teoricamente diminuindo o abate o que foi constatado em 2013 e 2014”, explica o presidente da Acrimat, José João Bernardes. 

Para Bernardes, a ociosidade das plantas frigoríficas é decorrente ao número de unidades existentes no Estado e não da menor oferta de boi.

“Mesmo com as 18 plantas frigoríficas fechadas,  nossa  capacidade ociosa de abate continua superior a 25%. Nosso rebanho não sofreu grandes alterações, continuamos com o maior do Brasil. O abate diminuiu sim, é o menor nos últimos seis meses mas isso não levaria o fechamento de tantas plantas”, explica.

Para Bernardes, o que pode ter ocorrido foi uma má previsão por aqueles que se instalaram no Estado ou eles imaginaram que o rebanho iria crescer muito além do que cresceu. “Mas de qualquer maneira houve uma falha de planejamento pelas empresas que aqui se instalaram”.

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Aldir | Segunda-Feira, 12 de Outubro de 2015, 08h29
    0
    0

    Vamos entendendo a crise e a divida pública..., foi pro ralo o dinheiro do BNDES e do povo, dinheiro que custou caro para captar e o governo emprestou quase de graça... sem planejamento e sem estrategea nenhuma, agora resta as plantas fechadas, empregos e sonhos desfeitos. "Nossa divida pública esta chegando aos 3 trilhões ou 2 pibs nacional do Brasil". Responsaveis!!! nós mesmos: que reclamamos, queixamos, fofocamos, que tudo tem que ser diferente do que estamos vendo (assistindo), mas somos INDIFERENTES e não agimos para mudar.

  • Eduardo de AF | Sexta-Feira, 02 de Outubro de 2015, 16h31
    0
    0

    Lembrando que Alta Floresta tem três frigorificos em plena operação

  • Zeca de Juruena | Terça-Feira, 29 de Setembro de 2015, 19h12
    0
    0

    O frigorifico de Juruena-Mt que era locado para o JBS, e que está fechado a mais de dois anos nem aparece nesta estimativa.

Mais jovem prefeito sucede familiares

Rog�rio Meira_400 jangada   O mais jovem entre os prefeitos eleitos e/ou reeleitos de MT, Rogério Meira (foto), tem um histórico de vida pública, mesmo tendo apenas 24 anos. Atualmente, ele exerce mandato de vereador por Jangada e foi eleito prefeito da cidade ao obter 1.699 votos, 9 a mais que o...

Base forte de EP para Mesa Diretora

juca do guaran� curtinha 400   A base do prefeito Emanuel Pinheiro para o segundo mandato, embora com quatro virtuais candidatos à presidência da Mesa Diretora, está construindo o discurso de que não pode rachar sob o risco de entregar o comando do Legislativo para a oposição....

Deputado ajudou a enterrar Binotti

neri 400 curtinha   O deputado federal Neri Geller (foto), que se acha um grande líder político, ajudou a enterrar nas urnas o projeto de reeleição do prefeito Luiz Binotti (PSD), derrotado à reeleição. Perdeu para o ex-vice-prefeito Miguel Vaz (Cidadania), que contou com apoio do ex-prefeito e atual...

Euclides "torra" R$ 8 mi na campanha

euclides ribeiro 400 curtinha   O advogado milionário Euclides Ribeiro (foto), que tem na carteira de clientes grandes produtores rurais, registra R$ 8,2 milhões de receitas e despesas de campanha ao Senado. Concorrendo pelo Avante, Euclides só chegou a 58.455 votos. Ficou em nono lugar, à frente apenas de Reinaldo...

Fávaro é quem mais gastou ao Senado

carlos favaro 400 curtinha   O senador reeleito Carlos Fávaro (foto) foi o que mais gastou na campanha. Oficialmente, arrecadou R$ 11,7 milhões. As maiores contribuições financeiras vieram de empresários do agronegócio. Orcival Guimarães, dono de rede de empresas de implementos agrícolas, doou...

Beto deve repensar projeto a federal

beto farias 400 curtinha   A derrota nas urnas do seu afilhado político, vice-prefeito Wellington Marcos (DEM), que tentou o Executivo de Barra do Garças e ficou em segundo lugar, obtendo somente metade dos votos em relação aos atribuídos ao eleito Adilson Gonçalves, pode levar o prefeito Beto Farias (foto)...