ENTREVISTA ESPECIAL

Sábado, 20 de Fevereiro de 2021, 08h:08 | Atualizado: 20/02/2021, 17h:59

Preste a ser reeleito, presidente da FMF destaca resgate da credibilidade de MT

Aron Dresch defende que o Cuiabá na Série A será ainda mais positivo se tiver torcida na Arena Pantanal

Rodinei Crescêncio

Presidente da Federa��o Mato-grossense de Futebol (FMF) Aron Dresch

Presidente da Federação Mato-grossense de Futebol (FMF) desde de 2017, Aron Dresch, agora busca sua reeleição para comandar a instituição no próximo quadriênio. A eleição ocorre às 09h da próxima sexta (26). Atualmente, são 15 times profissionais da 1ª e 2ª divisão e uma liga de futebol que estão filiadas a FMF. Nas palavras de Dresch, a Federação nada mais é que um cartório passador de papel, lugar onde é responsável pela organização de campeonatos e, também, onde se faz todas as questões relacionadas ao futebol.

A equipe do visitou a sede da Federação e conversou com o único candidato até então sobre os desafios que terá pela frente em seu novo mandato. Questões importantes foram citadas pelo atual gestor, como por exemplo, melhorias na Arena Pantanal, ascenção do Cuiabá à Série A,  a volta do público nos estádios mato-grossenses, além das principais metas para sua nova gestão.

Veja abaixo os principais trechos da entrevista

Como avalia o seu mandato? Conseguiu cumprir os objetivos?

Em parte, conseguimos, até além do esperado com a sociedade, diria pelo fato dos parceiros que vieram e apoiaram os campeonatos, nos ajudaram nas empreitadas com o nosso futebol. Então, isso nos surpreendeu pelo fato da seriedade, honestidade, credibilidade que a gente tem perante o mercado. Essa questão, por exemplo, da credibilidade, isso conta muito na hora do investimento do empresariado no futebol como patrocinador.

É o único candidato à FMF, quais são as principais metas para a nova gestão?

O que nos falta fazer ainda seria o futebol de base com mais campeonatos e mais categorias Sub-10 até o sub-14 que hoje é o sub-15 e já estamos fazendo, mas esse ano que passou nós não tivemos essas categorias por conta da pandemia, então isso nos deixou um pouco a desejar, mas esse ano de 2021 é um dos objetivos que nós temos e para os próximos anos também, e além das melhorias dos nossos campeonatos de segunda divisão, da Copa FMF. Além do nosso campeonato que vem em pouco a pouco, agora, a emissora vai transmitir os jogos em novo horário, e não mais nos horários que todos reclamavam, então isso acaba sendo um fato que se já passou. Agora nós vamos ter um horário que não choca com o eixo Rio e São Paulo no horário das 15h dos domingos, então isso vai mudar, vai ser nos domingos, na parte da manhã e eventualmente aos sábados à tarde.

Como funciona o orçamento da Federação?

É melhor ter que arriscar do que você pagar lá na frente com coisas piores porvir

Aron Dresch

O orçamento da Federação sobrevive em cima da CBF, então hoje nós temos uma porta da CBF que nos dá pagamentos de funcionários, entre outras despesas da Federação. Hoje, como se sabe, nós não temos renda, não temos o 5% e hoje existe também a questão de transferência que não está sendo muito movimentada, mas é um outro meio financeiro que a Federação tem. Hoje o que teria que ter é essa questão de base para que quando o atleta é federado aqui ou tem uma transação internacional, a Federação teria um recebimento, mas hoje está difícil porque os atletas daqui normalmente passam direito para a Federação e vão até outras Federações de outros estados e times para se filiar e jogar nas bases desses times. A questão da base que eu coloquei antes, que não segura o próprio atleta aqui.

O orçamento pode melhorar com o Cuiabá na Série A? Qual a previsão?

Se nós tivermos público será bom, caso ao contrário, não será. Nós temos que basear tudo em público, se não houver público nos estádios, nós não vamos ter nada, da mesma forma desse ano que passou, nós esperamos que esse ano mude quando o Cuiabá estiver jogando aqui, eu acredito que vai mudar. Eu diria assim, igual diz o presidente Bolsonaro, enquanto nós ficarmos em casa sentados, olhando, não vai, é melhor ter que arriscar do que você pagar lá na frente com coisas piores por vir.

Como funciona a divisão da arrecadação entre os times e a Federação?

Quando se tem jogos de fora, como por exemplo, dois grandes times, eles veem e fazem a proposta, normalmente a base é 5%, mas na verdade, o time não quer pagar e nem a Federação quer receber essa porcentagem. Então, se fecha normalmente entre 3% e 4%. Uma arrecadação de R$ 1 milhão, nós ficaríamos com R$ 40 mil no bruto, isso em uma semana, porque cada semana teria um jogo, agora falando numa média, se tivéssemos uma arrecadação de R$ 4 milhões de renda em um mês, teríamos R$ 160 mil no mês.

O que pode melhorar para o futebol mato-grossense e para a própria cidade em si com a ascensão do Cuiabá à elite?

A própria cidade em si melhora toda a questão de hotelaria, entretenimento, turismo, existem muitas coisas que vão mudar. Então, na verdade, só tem a ganhar a cidade e o Estado. Os outros times são aquela questão de você estar na mesma posição que o próprio Cuiabá, que tudo é possível, todos estão a poder fazer a mesma situação que o Cuiabá fez. Não tem porque eles não se espelharem, o bom é eles atingirem o mesmo objetivo que um dia o Cuiabá fez. Os próprios clubes existem uma mobilização, apoio nesse sentido para o Cuiabá e eles também querendo aumentar o próprio nível técnico dos clubes, então isso só deixa que as coisas fiquem melhores para o nosso futebol.

Felipe de Albuquerque

Presidente da Federa��o Mato-grossense de Futebol (FMF) Aron Dresch

As categorias de bases também terão espaço garantido na Federação? Quais os planos para os 141 municípios de MT?

Hoje existe uma situação de logística um pouco complicada, são 141 municípios, mas só existe uma maneira, se regionalizando e fazendo em partes, e no final traria todos esses times da Capital, seria um modelo para a base, e existe projetos, nós estamos abertos a ouvir em parceria com os próprios clubes que tem interesse na base. Na verdade, essa logística hoje nós possivelmente vamos ter no transporte. Nesse ano de 2021 para fazermos, e como eu citei, é abrindo novas categorias, isso que é o ideal, começando mais cedo, porque hoje se começar no futebol com 14, 15 anos já é tarde, hoje é 10 anos, quando o pessoal já está a procura dele. A ideia é fazer um campeonato curto, mas com calendário, afim dessa base ficar sempre ativa.

A Arena Pantanal é apontada, por alguns, como um “elefante branco”, concorda?

Posso até concordar, mas diria assim, é complicado dizer: “Existe o Cuiabá na Série A e agora não é mais elefante branco”, mas os campeonatos estaduais existiam, e se nós sabíamos que nós tínhamos times da nossa categoria, quando uma Copa do Mundo não iria melhorar os times, então nós éramos sabedores disso, antes da Copa do Mundo. A Arena Pantanal pode ser multiuso, mas o gramado não. Ela pode ser usada como está sendo atualmente com o Centro de Triagem para a Covid-19, então está sendo usada e não é um elefante branco, está sendo usada para escola, mas o gramado é só para o Futebol ou outros esportes que praticam atividades em cima da grama. A Arena foi criada para o futebol, não tem nada a ver com outro esporte, isso é minha opinião, mas se você quiser adaptar, pode adaptar, mas desde que for planejada. A intenção era para ser usada na Copa do Mundo de 2014, então esse legado foi deixado para o futebol e não para outros esportes. Agora, o multiuso na Arena pode ser usado para o que for, menos o gramado. O gramado não é multiuso. O fato de ser um elefante branco é porque não quer usar, mas como é multiuso, pode usar para várias coisas, desde que seja adaptado. Isso é uma questão bastante política, a Arena não está apta para receber nenhum grande evento, quando o nosso governador está fazendo juntamente com o secretário um investimento de aproximadamente R$ 23 milhões para reformar o estádio. Então, na verdade, ela não está apta, caso ao contrário não iria existir essa reforma.

Como estão as tratativas com o governo para melhorar o estádio?

Tranquilo, isso está sendo feito, acho que a verba já está aprovada pelo governador.

É a favor da concessão? Se sim, em qual formato?

Não vejo o porquê, acho que desobriga o Estado de ter uma obrigação com a própria Arena, desde que os clubes que são daqui tenham os diretos deles, tranquilo. Nós temos que ter os nossos direitos de clubes do estado e do município. Nós temos que estar no meio, caso ao contrário, não vai dar certo. Alugar casa para os outros e nós não temos direitos de entrar, fica difícil.

Qual a diferença de gasto jogar na Arena Pantanal e no estádio do Dutrinha?

Hoje tem um custo igual, porque se analisar bem, não tem renda, existe a questão de um valor porcentual sobre a renda que seria o aluguel da Arena para o Estado. Como nós não temos renda, então não tem esse percentual. Hoje, o policiamento e a própria arbitragem, ela é toda igual, tudo que se faz no Dutrinha e se faz também na Arena. Se tiver o público, aí terá o aumento de segurança privada, aí se paga taxa conforme o público.

A Federação vai se movimentar para garantir o retorno dos jogos com torcidas? Acha que já é seguro?

A Federação não teria essa autonomia desse movimento, eu sou a favor dos jogos com presença de público, mas tem que ter o protocolo seguido. O próprio time tem que cumprir, não é dever da Federação, ela vai apenas exigir, mas quem vai fazer o protocolo é o clube mandante. Agora, se isso é viável para o clube, eu não sei. As vezes o molho é mais caro do que a carne, como diz um ditado. Então fica muito mais caro você fazer um protocolo funcionar do que ter de lucro a própria renda dos jogos. Tem que ter um volume reduzido de pessoas, álcool em gel, uma triagem bem-feita, então isso demanda muitas coisas que são necessárias para esse momento. Não é só liberar e ir assistir. A gente não entende como algumas coisas pode, por exemplo, no estádio estamos ao ar livre, e dentro de um avião nós estamos presos com até 200 pessoas, um sentado ao lado do outro e pode, agora dentro de um estágio não pode. São umas coisas que a gente não entende, eu diria que quando você está no estádio, é local de ar livre, e em um ambiente fechado o poder de transmissão é muito maior. Fica complicado julgar e dizer que você não pode ir lá, mas pode ir aqui. É dois pesos e duas medidas.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Moreira | Segunda-Feira, 22 de Fevereiro de 2021, 08h08
    0
    0

    Dresch para prefeito de Cuiabá

Sicredi recua de comprar praça pública

enilson rios 400 prefeito araputanga   A diretoria do Sicredi nem esperou ser votado na Câmara Municipal o polêmico projeto sobre negociação de uma praça pública no centro de Araputanga para cancelar o negócio. A cooperativa havia "amarrado" entendimento com o prefeito Enilson de Araújo...

Sessão, voto e namoro com cantora

ulysses moraes 400   Na sessão virtual da Assembleia desta segunda, o deputado Ulysses Moraes (foto), do PSL, estava demorando para computar o voto na apreciação de um veto do governador. O presidente Max Russi (PSB), então, cobrou agilidade do colega e brincou, dizendo que agora ele só tem olhos para a Maraisa....

Misal é reeleito para o 10º mandato

misael galv�o 400 curtinha   Após dois anos fora do comando do Shopping Popular, período em que respondeu pela presidência da Câmara da Capital, o ex-vereador Misael Galvão (foto) voltou à direção do empreendimento, que abriga 500 lojas. E, sob forte...

Oscarlino, Pros e "nocaute" em Gisela

oscarlino 400   Na queda-de-braço dentro do Pros por espaço político, o ex-sindicalista Oscarlino Alves (foto) nocauteou a ex-superintendente do Procon-MT, Gisela Simona. Ele foi um dos filiados que não aceitaram apoio a Abílio na disputa de segundo turno para prefeito de Cuiabá, se aliou ao projeto de...

Promotor recebe medalha do Exército

Mauro Zaque curtinha   O promotor de Justiça Mauro Zaque (foto) foi condecorado com a medalha do Exército Brasileiro na manhã desta segunda (19), no dia da instituição. A solenidade é considerada a segunda maior do Exército Brasileiro, foi reservada por conta da pandemia e contou com a...

Sema reabre os parques em Cuiabá

mauren lazzaretti sema 400   Fechados desde 1º de abril, em obediência às regras de decreto municipal, que suspendiam as atividades coletivas, os parques estaduais urbanos de Cuiabá reabrem nesta segunda (19) para utilização pelo público. Será possível acessar as tradicionais trilhas...