Executivo

Terça-Feira, 11 de Fevereiro de 2020, 15h:18 | Atualizado: 11/02/2020, 19h:52

APÓS ESTRANHAMENTO

Cobrança do ICMS sobre combustível será revista em reforma tributária, diz Mauro

Assessoria

Mauro Mendes

Mauro Mendes ao lado do governador Camilo Santana, do Ceará, e do vice-governador de Minas Gerais Paulo Brant, no Fórum dos Governadores

O governador Mauro Mendes (DEM), que participou do 8º Fórum dos Governadores, realizado em Brasília nesta terça (11), com a presença do ministro da Economia Paulo Guedes, voltou a criticar a proposta de redução do ICMS sobre os combustíveis, apresentada pelo presidente da República Jair Bolsonaro em forma de desafio. Segundo o democrata, os 26 estados e o Distrito Federal deixaram claro que não têm condições de adotar a medida.

Segundo Mauro, Guedes se mostrou sensível as ponderações do governador. Por isso, se comprometeu a discutir a redução do ICMS dos combustíveis e em outras áreas, a partir da reforma tributária que será apresentada ao Congresso Nacional.

“Desde a semana passada o Brasil foi dominado, principalmente nas redes sociais, por essa discussão sobre zerar o ICMS dos combustíveis. Hoje, com a presença de praticamente 27 governadores, dos Estados e do Distrito Federal, ficou claro que nenhum tem condições de tomar essa medida. Todos os Estados estão em situação fiscal e financeira frágil, a maioria em grande dificuldade e abrir mão de receita seria uma grande irresponsabilidade, colocando em risco, inclusive, a prestação de serviços públicos na saúde, na segurança e demais compromissos que o Estado tem”, disse Mauro em coletiva de imprensa.

“Hoje foi feito um diálogo com Guedes e todos nós concordamos que esse tema terá que ser debatido na reforma tributária. Quero dizer para o Congresso Nacional que todos os brasileiros, inclusive nós governadores, gostaríamos que tivesse uma tributação mais simples, mais justa e menos onerosa para o bolso de todos nós contribuintes deste país”, completou o governador.

Quero dizer para o Congresso Nacional que todos os brasileiros, inclusive nós governadores, gostaríamos que tivesse uma tributação mais simples

Mauro Mendes

O fim da tributação do ICMS nos Estados para os combustíveis e a extinção dos fundos públicos em tramitação no Senado  dominaram o debate. A União detém 68% de toda a tributação de impostos do país. Estados e municípios dividem o resto.  

Paulo Guedes garantiu aos  mais de 22 governadores de 26 estados e do Distrito Federal presentes que o propósito do Governo Federal é atender os entes federativos.  E em dez anos, prometeu tirar do poder da União R$ 450 bilhões.

Desafio

Ontem (10), Mauro  afirmou que Mato Grosso aceita o desafio de reduzir o ICMS dos combustíveis. Entretanto, condicionou a medida ao pagamento do Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações (FEX) de 2018 e 2019 e todas as perdas do Estado ocasionadas pela Lei Kandir.

O FEX referente a 2018 e 2019 chega a quase R$ 1 bilhão. Segundo a secretaria estadual de Fazenda (Sefaz), em 20 anos, Mato Grosso deixou de arrecadar R$ 39,4 bilhões com a Lei Kandir, que desonera as exportações.

O desafio de reduzir o ICMS dos combustíveis foi feito pelo presidente  Bolsonaro, que prometeu zerar os impostos federais, caso os governadores façam o mesmo nos Estados. No entanto, Mauro classificou a proposta de Bolsonaro como impraticável.

Fórum Brasil Central

  Mauro  também assumiu o  cargo de presidente do Consórcio Brasil Central (BrC). O democrata  foi eleito em novembro de 2019 para suceder o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), de Mato Grosso do Sul.

 Criado em 2015, o BrC é a primeira autarquia criada nesse formato, que é responsável por unir esforços com o objetivo de promover o ganho de competitividade por meio da cooperação técnica efetiva para a formulação de políticas regionais, projetos, parcerias, captação de recursos e soluções de problemas de forma conjunta.

Além de Mato Grosso, fazem parte do BrC Maranhão, Goiás, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Tocantins e o Distrito Federal (Com informações da Agência Brasília).

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

PL quer suspender dívidas das cidades

max russi curtinha 400   Ex-prefeito de Jaciara, o deputado Max Russi (PSB) apresentou projeto que visa suspender os pagamentos das dívidas dos municípios com o Estado, durante o período de calamidade pública que foi decretado pelo governo por causa da pandemia do coronavírus. Max ressalta que MT não deve...

Articulação pra tentar voltar ao Procon

gisela simona 400 curtinha   Com adiamento e ainda sem nova data para a eleição suplementar ao Senado, Gisela Simona (Pros), que se afastou do Executivo para concorrer ao pleito, quer retornar ao cargo de secretária-adjunta de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon), vinculado à secretaria...

Senadora, ataques e defesa de Galvan

selma arruda 400 curtinha   Selma Arruda, senadora cassada por crimes eleitorais, um deles caixa 2, escreveu artigo entitulado "MP x Aprosoja. Afinal, quem tem razão", especialmente para defender o aliado político Antonio Galvan, presidente da Aprosoja. Ao concordar com plantio de soja dentro de período proibido pela...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.