Últimas

Terça-Feira, 30 de Outubro de 2007, 08h:25 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:19

Artigo

O engodo da Copa de 2014

     Desde que o procurador aposentado Carlos Orione foi entronizado na Federação Mato-grossense de Futebol (FMF), há quatro décadas, nunca mais o futebol profissional foi o mesmo. Virou sinônimo de decadência.
Considerar a modalidade amadora é insultar aqueles que, nas periferias, se dedicam com prazer, e sem ganhar um tostão, ao ofício. Culpar apenas o “doutor” Orione pela falência do nosso futebol talvez seja injusto. Afinal, a cartolagem também tem culpa, pois, ao longo dos anos, não só afundou os clubes, mas colaborou para o citado dirigente se perpetuar no poder. Instalou-se uma ditadura na FMF.
     A maioria dos clubes faliu, outros estão em situação pré-falimentar. O campeonato estadual é um fracasso. E os torneios caça-níqueis viram palanques eleitoreiros, bancados com o dinheiro do contribuinte. Dessa tragédia, só se salva o estádio Verdão, mas como mero cartão-postal, pois, há muito tempo, deixou de ser palco de grandes espetáculos.
Ainda assim, uma curiosa “tradição futebolística do Estado”, com a apresentação dos times profissionais (?), é um dos trunfos que o Comitê Pró-Copa do Mundo do Pantanal 2014 apresentou a uma comissão da Fifa, dias atrás, para respaldar a luta visando fazer de Cuiabá uma das 12 subsedes da competição. O comitê parece não ter levado em conta uma questão crucial no contexto de um evento de tamanha dimensão como esse: a infra-estrutura.
A verdade é que o passaporte para o Brasil sediar a Copa de 2014 já está praticamente carimbado pela Fifa. Isso será confirmado nesta terça-feira (31), em Zurique (Suíça), diante de uma platéia formada pelo presidente Lula, ministros, governadores (entre os quais, o mato-grossense Blairo Maggi) e dirigentes esportivos brasileiros. Contudo, algumas exigências vitais ainda serão consideradas e serão fatais no momento ma hora de bater o martelo.
     Na sexta-feira passada, por exemplo, foi divulgado um resumo do relatório de inspetores da Fifa sobre a candidatura brasileira ao Mundial-2014. Nota-se que a entidade ignorou alguns problemas crônicos de infra-estrutura e em outros setores onde o país apresenta falhas gritantes, como o aéreo (taí o “apagão” como mau exemplo) e o rodoviário, além de hotelaria e serviços médicos. Mas, isso só vale para algumas capitais, pelo que se lê no documento.
     Com efeito, a conclusão final é que a avaliação da Fifa sobre o Brasil praticamente elimina seis cidades da disputa para receber a Copa 2014. O relatório simplesmente diz que, no capítulo sobre transporte urbano, Florianópolis, Maceió, Natal, Rio Branco, Campo Grande e Cuiabá não têm capacidade de serem cidades-sedes. Em comum, elas têm o ônibus como principal meio de transportes, mas o sistema é precário.
A viagem do governador Maggi e dos secretários de Esportes, Baiano Filho, e de Turismo, Pedro Nadaf, à Suíça, pelo que se depreende desse relatório, terá sido em vão. Quando nada, serviria apenas para reforçar o cacife político que o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, buscou amealhar quando iniciou a campanha pelo direito de o Brasil sediar a competição mundial. A cada eliminação das cidades, a ser anunciada na terça-feira, ele dirá que é decisão exclusiva da Fifa. Ricardo Teixeira faz escola como “imortal” na CBF. O presidente da FMF, Carlos Orione, é um dos seus mais brilhantes alunos: vem levando os cartolas, os clubes e até os torcedores na base da conversa fiada.
     Posso até queimar a língua, mas acho que, dificilmente, Cuiabá vai sediar jogos da Copa do Mundo-2014. Deve se contentar com os jogos da “Copa Governador” e de similares. E olhe que já é muita coisa...
Em tempo: A escolha de Cuiabá como subsede poderia ser uma questão de caráter político. Mas, se depender da gloriosa bancada de Mato Grosso no Congresso Nacional, não sediaremos nem copa de palitinho.

Antonio de Souza é jornalista em Cuiabá (af-souza1957@uol.com.br/asouza80@hotmail.com)

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Ex-vereador recua para apoiar primo

divino 400 barra do bugres   Ex-vereador, ex-presidente da Câmara e empresário bem sucedido, Chico Guarnieri (PTB) não será candidato a prefeito de Barra do Bugres nas eleições deste ano. Guarnieri, que disputou a prefeitura em 2016, até ensaiou, mas recuou ao ver que o primo, pedetista Doutor Divino...

3 ex-prefeitos viram cabos eleitorais

percival muniz 400 curtinha   Dois candidatos de oposição em Rondonópolis têm ex-prefeitos como principais cabos eleitorais. O empresário Luiz Fernando, o Luizão (Republicanos), conta com apoio de Adilton Sachetti, que já comandou o município e perdeu na tentativa de reeleição, e...

3 candidatos competitivos em Sinop

roberto dorner 400   Apesar da "inflação" de candidatos a prefeito de Sinop, com cinco no páreo, a disputa tende a se acirrar mesmo entre o empresário Roberto Dorner (foto), do Republicanos e apoiado pela prefeita Rosana Martinelli (PL), o ex-prefeito e deputado Juarez Costa, que atraiu 10 partidos para o palanque, e o...

Ex-prefeito no páreo em Alta Floresta

robson silva 400 curtinha   Alta Floresta, uma das cidades pólos do Nortão, tem sete candidatos a prefeito. Um deles é Robson Silva (foto), empresário, ex-prefeito entre 93 e 96 e que concorre pelo MDB, mesmo partido do prefeito Asiel Bezerra, que está encerrando o segundo mandato e se tornou um dos principais...

Vice sinopense quer retornar à Câmara

gilson de oliveira 400 curtinha   O vice-prefeito de Sinop e apresentador de TV, Gilson de Oliveira (foto), resolveu concorrer a vereador, cadeira já ocupada por ele por dois mandatos, o primeiro pelo PSDB, entre 2005 e 2008, e, depois, pelo PSD (2009/2012). Foi candidato a deputado estadual duas vezes (2006 e 2010) e, como suplente da...

Vice que morreu na praia em Tangará

renato gouveia 400 curtinha   Assim que percebeu que não seria escolhido pelo prefeito Fabio Junqueira (MDB) como o candidato governista na briga pela Prefeitura de Tangará da Serra, ainda em junho, o vice-prefeito Renato Gouveia (foto), do PV, correu para os braços do tucano Vander Masson. Levou com ele uma chapa de 21...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.