Últimas

Segunda-Feira, 19 de Novembro de 2007, 16h:08 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:19

COBRANÇA

Riva contrapõe governo e quer ajuda aos clubes

José Riva apresenta projeto para manter ajuda financeira aos times de futebol   O primeiro-secretário da Assembléia, deputado José Riva (PP), decidiu enfrentar mais uma queda-de-braço com o governador Blairo Maggi (PR). Contrariando a decisão do Palácio Paiaguás, que cortou R$ 1,2 milhão para os clubes que disputam o campeonato mato-grossense de futebol, Riva vai apresentar um projeto para não só manter a ajuda financeiro, como dobrar o valor.

   O R$ 1,2 milhão vinha sendo rateado nos últimos dois anos entre 12 times, uma contribuição de R$ 100 mil a cada um. Agora que o número de participantes aumentou para 20 com vistas a temporada de 2008, o governo comunicou que não manterá mais a ajuda - leia mais aqui.

    Riva adianta que vai apresentar um projeto em conjunto com o presidente da Assembléia, deputado Sérgio Ricardo (PR) para o Estado contribuir com os clubes, mas desta vez com mecanismos de controle da aplicação dos recursos. Até então, os dirigentes esportivos não precisavam prestar contas da premiação. Como é bem articulado politicamente, o primeiro-secretário deve obter apoio da maioria dos 24 parlamentares, o que forçará o governo a sancionar o novo projeto para "salvar" os clubes. Muitos deles, inclusive articulado por políticos, só confirmaram presença no campeonato de olho na contribuição financeira do Estado.

   Times

   O campeonato começa a partir de 19 de janeiro. Por enquanto, 20 times confirmaram presenças. São eles: Mixto, Palmeirinhas do Porto e Dom Bosco (os 3 de Cuiabá), Operário (Várzea Grande), União, Vila Aurora e Rondonópolis Esporte Clube (os 3 de Rondonópolis), Grêmio (Jaciara), Campo Novo do Parecis, Juventude (Primavera do Leste), Luverdense (Lucas do Rio Verde), Cacerense (Cáceres), Tangará da Serra, Nova Ubiratan, Sorriso, Sinop, Alto Araguaia, Nova Xavantina e Campo Verde.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • vogal | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    É de estranhar tamanha importância dado ao simples fato do Governo retirar o que deveria ter sido "ajuda " lógico se os clubes assim tivessem entendido e agora se fala até em dobrar o valor pergunto: Pra quê ? o Nobre Deputado informa acima que tais valores influenciou no surgimento do interesse de outras equipes em disputarem o campeonato e só agora atentaram para o fato de que não era necessário a prestação de contas acompanhado da aplicação de recursos e aqui parabenizo os conselheiros da SEEL na pessoa do Baluarte Laércio de Arruda que insistentemente tem cobrado o que os nobres Deputados não fizeram.
    Tenho lá minhas dúvidas se ajudou os Clubes ou se contribuiu pelo mal entendimento dos seus dirigentes para afundá-los ainda mais já que não buscaram nem mesmo ajustar suas vidas jurídicas como é o caso do mixto que os oficiais de justiça entravam em campo junto com eles e sabe-se lá como anda a vida dos outros. Afinal R$ 100.000,00 como já sabemos em uma equipe como o Operário segundo afirma sua diretoria pagaria uma folha e 1/3 dos salários dos atletas e se as competições duram 03 a 04 meses como se paga o restante? os Empresários estão prontos a ajudarem e já demonstraram isso mas, infelizmente alguns dirigentes ainda não buscaram reajustar a vida dos Clubes e pensam apenas no momento esquecendo-se que lá atrás atletas que hoje cobram os seus direitos na justiça fizeram a sua parte pelo clube e o mesmo não os honrou e ainda querem taxá-los de culpados pelo descrédito das equipes.
    Concordo que a ajuda é de relevante importância mas, o próprio tremo afirma "ajuda" e não obrigação do Governo pois afinal esse recurso também é nosso e são nossos impostos portanto, concordo até com a posição do nobre Governador e o Secretário de Esportes mas ambos não são milagrosos e não basta apenas os Deputados que deveriam legislar para o povo o fazerem para benefícios próprios no futuro vamos rever essa estratégia. Sugiro um forum entre todos os desportista e não só profissional mas também os carregadores do piano do Amador que verdadeiramente revelam os nossos talentos e repassam aos profissionais para ao invéz de levarem os mesmos a galgar melhores expectativas fazem o contrário pois discaradamente os menosprezam em detrimento a outros.
    Ainda, há tempo vamos fazer o que é certo se verificarmos são 20 ou 22 equipes - se com doze já tínhamos problemas para mais de metro que dirá com esse número pois não é o volume e sim os meios para que se desenvolva uma competição sem prejuizos levando-se em consideração as distâncias entre os municípios e as que disponhem de campo próprio para sediarem seus jogos quer prova vejamos: Rondonópolis são 03 equipes e apenas um campo; Cuiabá - 04 hoje 02 campos (verdão e Dutra) mas com um agravante o mesmo público prova é que a Copa Matogrosso nos mostrou claramente pela média de público que lá compareceu e nem mesmo a tão combalida alegação de localização não levou ao dutrinha o público acima da média do verdão basta ver os boletins e confirmar com aqueles que lá compareceram isto posto, sem considerarmos os preços do ingresso, o excesso de jogos ja´que duas competições são disputadas simultâneamente no mesmo espaço público lembre-se trata-se de grama e não cimento.
    Creio que me delonguei por demais porém, era necessário pois tenho a certeza e atér autorizo o nobre redator de tão importante espaço resumi-lo se assim desejar para que a sociedade matogrossense possa examinar o que foi dito acima e manifestarem suas opiniões sem interesses políticos.
    Abraços e parabéns.

  • Reginaldo Amorim | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Sr. Editor,
    mesmo anônimo, concordo, em partes com o comentário anterior. Porém, vamos por etapas:
    1. o caso do Mixto é diferente, requer mais conhecimento ou sinceridade. Como todos os times brasileiros, o Mixto vem, ao longo dos anos, acumulando dívidas, ora por má administração, ora por conta de campeonatos deficitários como os nossos. Mas o Mixto não fugiu das dívidas, como fez o Operário, por exemplo, que já mudou seu CNPJ quatro ou cinco vezes! Portanto, essa discussão é mais complexa e merece mais espaço e tempo.
    2. segundo minha compreensão, a idéia do Baiano, do Laércio e do próprio Blairo, seria que nossos campeonatos possibilitassem, no médio prazo, o ressurgimento do futebol local, em virtude da redução da idade de seus atletas e mais uma série de fatores. Projeto absolutamente correto. Porém isso não vem ocorrendo e, a cada campeonato, a coisa se mantém na mesmice. Aqui também cabe uma reflexão!
    3. a FMF não consegue organizar um bom campeonato. Criaram-se dez times neste ano e todos, amadores ou não, já fazem parte da primeira divisão. Os clubes que deveriam ser rebaixados não foram. Não se criou a segunda divisão. Aqui fica também uma cruel indagação que a FMF deve responder, cabendo também mais debate!
    4. por último, sendo dinheiro público, deve o Tribunal de Contas do Estado fiscalizar sua boa aplicação.
    Assim, depois de toda essa reflexão necessária, entender-se que será importante repassar dinheiro público para o futebol dito profissional, deve-se resgatar a idéia do governo, inserir esse repasse num projeto de médio e longo prazo de redenção do nosso futebol.

  • Dari Shola | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Porque o Riva não tira da sua fortuna(que não é pequena) o dinheiro para ajudar os times?
    Usar dinheiro público, que falta para a saúde e educação, para dar a esses dirigentes corruptos... Jamais.
    Parabens ao governador que cortou esse desperdício.

  • Ruth | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    O deputado Riva mais uma vez se mostra preocupado com o Estado de maneira completa.
    São politicos com essas atitudes que o Brasil precisa.
    O esporte agradece e os atletas merecem.
    Parabéns Mato Grosso!!!

  • Ademar Adams | Quarta-Feira, 31 de Dezembro de 1969, 20h00
    0
    0

    Romilson:
    Que esta Ruth que não se identifica?
    Se é de Campo Grande, porque não leva o Riva pra lá?
    Acho que deve ser o disfarçe de alguma das tantas fantasmas que o Riva emprega por aí...

Apelo dramático da Santa Casa de ROO

bianca talita 400 santa casa roo   A superintendente da Santa Casa de Rondonópolis, Bianca Talita (foto), fez um apelo dramático nesta terça, num grupo de WhatsApp, esperando sensibilizar o prefeito Zé do Pátio a repassar com urgência os recursos que estão repressados no Fundo Municipal de...

Emendas para todos os 24 deputados

Max 400 curtinha   O presidente da Assembleia, Max Russi (foto), em visita ao Grupo Rdnews, quando concedeu entrevista ao portal e à tv web Rdtv, defendeu as emendas impositivas, que são indicadas pelos deputados e pagas pelo governo, via orçamento. Lembra que são instrumentos importantes para fazer com que obras e...

Deputado defende cultos com até 600

sebastiao rezende 400   Num momento em que a segunda onda de contaminação pelo novo coronavírus avança em MT, levando o governo a retomar medidas restritivas para evitar colapso, já que cerca de 90% das UTIs estão lotadas, o deputado Sebastião Rezende (foto), da Igreja Assembleia de Deus, teve a...

"Batida" em apresentador por engano

ricardo martins 400   Durante a dupla operação deflagrada pela PF nesta terça em alguns municípios de MT, entre eles Cuiabá, agentes federais, por um equívoco no cumprimento de mandados, acabou batendo na porta do apresentador da TV Cidade Verde, Ricardo Martins (foto), que não tem a ver com o caso....

Paccola é cotado para diretor-geral

gianmarco paccola 400   O discreto e atuante delegado Gianmarco Paccola (foto), hoje diretor-geral-adjunto da Civil, já desponta nos bastidores como nome preferencial do Palácio Paiaguás para eventual substituição a Mário Demerval, que deve mesmo deixar o posto de diretor-geral para disputar as...

Luta pra isentar parte dos aposentados

eduardo botelho 400 curtinha   Primeiro-secretário da Assembleia, Eduardo Botelho (foto) disse que foi criada espécie de força-tarefa dos deputados para fechar um acordo com o governo, de modo a ajudar aposentados e pensionistas e portadores de doenças raras para isenção do pagamento da alíquota da...