ARTIGOS

Terça-Feira, 19 de Janeiro de 2010, 18h:58 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:15

Artigo

Sinduscon elogia obras voltadas à Copa

   O presidente do Sinduscon/MT, Cesário Neto,  revela em artigo que, embora muita gente critique a demora no início das obras do complexo do novo estádio Verdão, batizado de Arena Multiuso, a secretaria de Infraestrutura, sob Vilceu Marchetti, age de acordo com as normas técnicas. Chega a dizer que a pasta demonstra bom exemplo de gestão. "Devemos torcer para que gestores e presidentes de comissões de licitações das demais obras públicas a serem licitadas no Estado utilizem os mesmos procedimentos". Cesário observa que não serão apenas jogos que se espera para a arena. Lembra que "os olhos do mundo estarão voltados para Mato Grosso por ocasião da Copa de 2014". 

                                                       Eis, abaixo, artigo do presidente do Sinduscon

   Licitação do novo Verdão: ah se todas fossem iguais!

   "Apesar de estarmos ansiosos para o início da construção da “Arena Multiuso: novo estádio do Verdão”, cuja licitação vem sendo prorrogada pela Sinfra-MT, não devemos deixar de avaliar de forma objetiva o que já podemos destacar como o primeiro grande benefício gerado com a inclusão de nosso Estado para sediar jogos da Copa do Mundo de 2014.

   Basta uma análise técnica criteriosa da planilha de serviços, um dos documentos norteadores do contrato futuro para execução da obra, para observarmos a presença de melhores critérios nas definições dos chamados custos diretos. Nela estão relatados tópicos como a administração do canteiro de obras, onde engenheiros residentes de todas as áreas estão claramente remunerados, bem como os demais membros do corpo administrativo.

   A planilha evidencia também um grande trabalho de engenharia orçamentária, incluindo outros custos diretos, referentes ao cumprimento das normas de segurança NR-18 e seus desdobramentos; instalações mínimas do canteiro de obras; equipamentos de proteções individuais e coletivas. Essas medidas, por simples que pareçam, deixam o planejamento orçamentário objetivo e direto, o que garante melhor análise e julgamento das propostas ofertadas e mantém um nivelamento técnico entre as empresas concorrentes.

   Muitos acreditam que o nivelamento técnico de propostas ocorrerá pelo fato de que licitantes capacitadas a atenderem exigências de grandes editais como este, na grande maioria com sede em outros Estados, possuem critérios de avaliações e gerenciamento de obras que as empresas mato-grossenses não possuem. Desta forma, analisam e questionam falhas no processo licitatório, contribuindo para um melhor detalhamento dos elementos que compõem o orçamento, o que não ocorre com obras menores atendidas por empresas locais.

   E é neste fato que se encontra outra contribuição gerada pela Copa-2014. Não se trata da postura de questionamento e solicitação de esclarecimentos feitos pelas licitantes, mas sim a forma responsável com que os gestores do processo licitatório estão tratando os questionamentos e as inconsistências apontadas pelas empresas, buscando sanar tais deficiências e realizando uma revisão criteriosa dos projetos e seus desdobramentos.

   Como defendemos junto aos associados do Sinduscon-MT (que constantemente nos apontam as falhas e inconsistências verificadas em processos licitatórios de diversas empresas e entidades públicas que licitam obras no Estado) é dever da contratante ouvir e analisar todo questionamento capaz de contribuir e melhorar as propostas apresentadas. O objetivo é evitar aceitação tácita de condições inviáveis, que muitas vezes são incluídas nas especificações e atribuídas ao futuro contratado.

   Por vezes essa postura de melhor análise técnica e jurídica dos editais é mal interpretada pelas contratantes, avaliando-a como represália ou tentativa de tumultuar os processos licitatórios. Assim, diferente do que vem ocorrendo com o processo de licitação do novo estádio Verdão, invariavelmente, os gestores respondem aos questionamentos de forma evasiva e não concedem a atenção necessária para corrigir falhas e erros. O problema é que o processo licitatório, etapa que antecede à efetiva homologação do contrato, busca garantir ao contratante, ao contratado e à própria população, que se beneficiará das obras públicas, uma contratação justa, clara e objetiva.

   Por isso, corrigir falhas neste período é fundamental, pois evita possíveis transtornos administrativos e surpresas orçamentárias para a fase de construção. O pior é que muitas vezes, as contratantes impõem ao contratado e ao seu BDI (Bonificação e Despesas Indiretas), toda a sorte de custos (imprevistos ou previstos) que não são elencados de forma direta e detalhada nas planilhas e nos projetos, problemas estes que serão evitados com o tratamento dispensado ao novo estádio.

   Portanto, antes de colocarmos as nossas opiniões de torcedores e aficionados por futebol; e a respeito das recorrentes prorrogações que comprometem o início das obras da “Arena Multiuso”, de forma a suscitar um possível atraso do cronograma; devemos avaliar e endossar as ações tomadas pela Sinfra-MT. Torcer para que gestores e presidentes de comissões de licitações das demais obras públicas a serem licitadas no Estado utilizem os mesmos procedimentos.

   Ainda que em primeira análise representem atraso ao cronograma de obras e serviços, o resultado final é eficaz, uma vez que o tempo e recursos gastos com melhores projetos, orçamentos e especificação para sanar esta etapa do processo licitatório, será muito inferior àqueles perdidos com obras paralisadas, desmobilizações e re-mobilizações, que freqüentemente ocorrem em nossas obras públicas.

   A ausência de entendimento aos questionamentos não é exclusiva do governo de Mato Grosso. Omissões e tratamento displicentes aos questionamentos gerados em licitações em outros órgãos licitantes das esferas federal, estadual e municipal, são mais frequentes do que se imagina. E sempre sob o mesmo argumento: impossibilidade de prorrogação de prazos para a abertura das propostas, que gerariam novos custos com publicações, revisões de projetos, revisão e adequação orçamentárias; e por ai vão alegando toda a sorte de transtornos que justificam estas omissões.

   Que bom será para os processos licitatórios de novas obras públicas, se o procedimento adotado para a licitação do novo estádio, também for adotado para as construções de escolas, hospitais, aeroporto, vias públicas e as obras que a sociedade tanto precisa."

   Cezário Siqueira Gonçalves Neto é empresário, engenheiro civil e presidente do Sindicato das Indústrias da Construção do Estado (Sinduscon-MT)

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Geraldo Alcantara | Quinta-Feira, 21 de Janeiro de 2010, 11h59
    0
    0

    O José Cuiabano que fez este comentário está mal informado. Para manter o antigo Verdao o estado teria que gastar milhões de reais, pois ele foi interditado pelo ministério público em 2009 por falta de segurança. Colocar o novo estádio em outro local contraria as normas da Fifa, que exige um local próximo do aeroporto, com várias saídas (como é a região do Verdão) e perto de hospitais, corpo de bombeiros, policlínicas, etc. Logo, o melhor lugar é mesmo onde está o velho Verdão, que será substituído por um estádio de primeiro mundo e toda a comunidade vai ganhar com isso!

  • JOSÉ CUIABANO | Terça-Feira, 19 de Janeiro de 2010, 20h21
    0
    0

    A DEMOLIÇAO DO ESTÁDIO VERDÃO É UM CRANDE EQUIVO QUE ESTÁ SENDO PRATICADO PELAS AUTORIDADES DE MATO GROSSO E CUIABÁ, QUANTAS CIDADES DO BRASIL NÃO GOSTARIAM DE TER ESSE ESTÁDIO? SERÁ QUE SE O DINHEIRO SAISSE DO BOLÇO DESSAS AUTORIDADES ELES IRIAM DESTRUI-LO?

Francis dispara contra Túlio, Adriano...

tulio fontes 400 curtinha   O prefeito de Cáceres, Francis Maris, que chegou dos EUA na última quinta, aproveitou dois eventos para, publicamente, disparar sua metralhadora verbal contra algumas pessoas. Na sexta, inaugurou uma unidade do Centro de Testagem e Aconselhamento e fez abertura do Natal de Luzes, no centro. Nas duas...

Audiência na AL em prol dos autistas

diana serpe 400 curtinha   Convidada pela Assembleia, a advogada com forte atuação em São Paulo, Diana Serpe (foto), autora do e-book Autismo Educação e especialista na defesa dos direitos das pessoas com deficiência, vai participar de uma audiência pública e proferir palestra na segunda (9),...

Folha em dia e previsão do 13º dia 20

mauro mendes 400 curtinha   É possível que no dia 20 o governo estadual consiga pagar integralmente o décimo-terceiro dos cerca de 100 mil servidores. Ao anunciar que a folha de novembro será paga na próxima terça (10), em única parcela, pela primeira vez no ano, o governador Mauro destacou que...

Cidinho é o que mais agrega ao Senado

cidinho 400 curtinha   Depois de Blairo Maggi, o nome do empresário e ex-senador Cidinho Santos (foto) seria hoje o que mais agregaria a classe política e o agronegócio em torno de uma candidatura ao Senado numa eventual eleição suplementar. Conta com simpatia do senador Jayme Campos e do governador Mauro Mendes,...

Prova da lisura de membros do Gaeco

paulo prado 400 curtinha   O resultado da auditoria do TCE-MT sobre a prestação de contas do Gaeco das verbas secretas, entre 2012 e 2017, assegurando a sua legalidade, resgata a credibilidade, lisura e reputação ilibada dos membros que atuaram na época nesse braço investigativo do MPE, como o procurador e...

Posse 2 dias antes do possível retorno

maluf 400 curtinha   Guilherme Maluf (foto), que nem esquentou direito a cadeira de conselheiro, vai tomar posse na presidência do TCE-MT dois dias antes do STJ julgar um recurso que tende a suspender as medidas cautelares e definir pelo retorno ao Pleno dos cinco conselheiros afastados há dois anos. A solenidade acontece no...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.