Ana Lacerda

A pecuária de Mato Grosso e a relação com o Zoneamento

Por 24/02/2021, 07h:27 - Atualizado: 24/02/2021, 07h:33

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

No que concerne à intervenção administrativa do poder público em atividades econômicas privadas, com o propósito de proteger o meio ambiente, o Ministro Celso de Melo, assim manifestou no julgamento do Recurso Extraordinário de nº 134297-8 SP:

"O dever que constitucionalmente incumbe ao Poder Público de fazer respeitar a integridade do patrimônio ambiental não dispensa, contudo, quando necessária a intervenção administrativa na esfera dominial privada, de ressarcir os prejuízos materiais que, derivando de eventual esvaziamento do conteúdo econômico do direito de propriedade, afetem a situação jurídica de terceiros".

Já elucidamos aqui muitos dos prejuízos que podem ocorrer no caso do aceite da proposta corrente do Zoneamento Socioeconômico Ecológico de Mato Grosso.

Nessa semana, especificamente, a ideia é abordar os reflexos dessa proposta de zoneamento nas áreas onde é exercida a atividade pecuária, essencial para nossa região e para nosso país, uma vez que Mato Grosso é responsável pela maior produção de gado bovino do Brasil, criador de mais de 30 milhões de cabeças no estado. A quantidade equivale a quase 14% do rebanho produzido no território nacional. Além disso, o Estado também se destaca no ranking internacional, sendo o sexto maior produtor de gado do mundo.

A indicação das diretrizes existentes na atual proposta de zoneamento farão com que essa atividade sofra grandes perdas, vez que delimita as regiões nas quais somente será permitido o exercício da pecuária extensiva, por exemplo, ao longo das margens do Rio Araguaia.

Tal como pretende o Zoneamento que ora circula em projeto, são desconsideradas as políticas setoriais desenvolvidas nos diversos programas e financiamentos contratados via Fundo Constitucional do Centro Oeste-FCO, ou pelo Programa Nacional da Agricultura Familiar-PRONAF, a título de ilustração.

A segurança de todos fica ameaçada quando propostas como a do Zoneamento acontecem. Não nos esqueçamos daqueles trabalhadores que, esperançosos e amparados pelo potencial econômico da atividade, e da manutenção dos programas e condições como política de estado, adquiriram equipamentos e instalaram projetos, endividando-se, abrindo mão de outras intenções para poder desenvolver a pecuária

Ana Lacerda

A aplicação das diretrizes do atual projeto de Zoneamento Socioeconômico Ecológico do de Mato Grosso fere o princípio constitucional da eficiência na administração pública. Não faz sentido algum interromper numerosos investimentos, inclusive públicos, em melhoria das atividades econômicas dessas localidades, a fim de dar um passo para trás.

É preciso lembrar ainda que as condições geográficas e climáticas de Mato Grosso criaram um tipo de manejo com o gado que é peculiar daqui. A atividade predominante nas áreas mais baixas é a pecuária bovina no período das secas, cujo rebanho, no período das chuvas, é conduzido para as áreas altas, onde o pecuarista utiliza manejo intensificado; prática que não poderia mais acontecer caso prospere a ideia do Zoneamento como ora se apresenta.

Vale ressaltar também que, quando se fala da produção de gado, estamos falando em uma cadeia produtiva enorme, que envolve couro, leite e derivados; bem como, nas áreas altas, além do suporte para o rebanho no período chuvoso, há o cultivo de grandes lavouras como a soja, o milho e gergelim.

Quanto ao leite, tem-se o caso de Vila Rica, Canabrava do Norte e Nova Xavantina, que são suporte para comercialização da produção do insumo e isso compõe, de maneira inegociável, a renda municipal e o sustento de muitas famílias.

Nessa mesma perspectiva, iniciativas de cooperação e políticas públicas e parcerias firmadas entre entidades públicas como a da UNEMAT com a EMBRAPA-Pecuária Sudeste e com o SEBRAE-MT são estímulos para crescimento da região e campo de estudos para os profissionais formados pela UNEMAT.

Fica evidente, que além da importância como atividade econômica, a pecuária mato-grossense promove a vivência da integração entre o ensino, a pesquisa e a extensão; bem como, propicia o atendimento a demanda para a produção regional sustentável, atendendo aos critérios de condicionantes ambientais e socioeconômicos, buscando cada vez mais tecnologias e práticas sustentáveis.

A segurança de todos fica ameaçada quando propostas como a do Zoneamento acontecem. Não nos esqueçamos daqueles trabalhadores que, esperançosos e amparados pelo potencial econômico da atividade, e da manutenção dos programas e condições como política de estado, adquiriram equipamentos e instalaram projetos, endividando-se, abrindo mão de outras intenções para poder desenvolver a pecuária.

O desenvolvimento, o investimento em ciência e tecnologia só acrescentam economicamente, além de auxiliarem na preservação do meio ambiente. Por outro lado, a proposta baseada em discursos de convicções particulares e juízos distorcidos, sem fundamentação e estudos rigorosos encaminha ao desmantelo de nosso estado. Impeçamos!

Postar um novo comentário

Mais 20 respiradores para Cáceres

leonardo 400   O Ministério da Saúde enviou mais 20 respiradores para Cáceres, em atendimento ao pedido do médico  e deputado federal Leonardo (foto). Os equipamentos foram entregues na segunda (12) para a secretaria municipal de Saúde e serão instalados no Pronto Atendimento Municipal para tratar...

Isenção de IPVA a algumas categorias

max russi 400   A Assembleia Legislativa deve aprovar esta semana uma proposta do governo para, em tempos de pandemia, isentar algumas categorias do pagamento de Imposto de Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) do exercício de 2021. O projeto chega nesta quarta à Mesa Diretora, sob Max Russi (foto), e vai ser votado no...

CAA-MT fará vacinação contra H1N1

ittalo leite 400 caixa de assistencia   A Caixa de Assistência dos Advogados de Mato Grosso (CAA/MT), presidida por Ittalo Leite (foto), já deu início à Campanha de Vacinação Contra a gripe H1N1. Serão disponibilizadas seis mil doses da vacina para imunização contra a Influenza A e B,...

Governo compra 103 motos para PM

O governo estadual vai entregar nos próximos dias 103 motocicletas à Polícia Militar. Isso deveria ter ocorrido nesta segunda, mas foi adiado e ainda sem data definida. As motos serão utilizadas pelas equipes de policiais da Companhia Raio de Moto-Patrulhamento, Força Tática e pelo policiamento ordinário na Região Metropolitana de Cuiabá e em vários outros municípios. No primeiro lote, o governador Mauro...

Ex-prefeito, contratos e multa do TCE

jeovan faria 400   O ex-prefeito de Campinápolis, Jeovan Faria (foto), vai ter de pagar uma multa equivalente a 10 UPFs/MT, o que corresponde hoje a R$ 1,8 mil, como punição por contratação de pessoal por tempo determinado sem atender à necessidade temporária de excepcional interesse público....

Decon investiga "fura-fila" da vacina

O delegado Rogério Ferreira, da Especializada do Consumidor (Decon), instaurou o que se chama de Auto de Investigação Preliminar para apurar possíveis irregularidades no cumprimento da ordem de vacinação contra a Covid-19 dentro dos critérios estabelecidos pela Prefeitura de Cuiabá. Na prática, busca investigar possíveis situações de “fura-fila” e outras circunstâncias ilegais. Rogério...