Ana Lacerda

Consequências da Lei 13.887 ao produtor rural

Por 30/10/2019, 07h:37 - Atualizado: 30/10/2019, 07h:50

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

Em meados do presente ano, abordei nesta coluna diversas propostas de modificações ambientais trazidas pela Medida Provisória 884/2019, que proporcionaram intensos debates dentro das seções de votação no Congresso Nacional, além de muita repercussão entre a frente ambientalista, a bancada ruralista e os produtores rurais, que dividiram opiniões entre críticas e elogios.

Para solucionar esse impasse, pois o nome “provisória” determina que tais normativas sejam convertidas em leis federais, a Presidência da República sancionou, com publicação no Diário Oficial da União, do dia 18 de outubro de 2019, a Lei Federal 13.887/2019,  que alterou especificamente os artigos 29 e 59 da Lei 12.651/2012 (Código Florestal), que tratam, respectivamente, do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA).

Dessa forma, muito embora exista uma mudança na dinâmica da inscrição no CAR, não podemos ignorar o fato de que atualmente as instituições financeiras estão exigindo a inscrição no CAR e até mesmo realizando o bloqueio de crédito rural, levando por base a aplicabilidade do previsto no Código Florestal

Pela nova legislação, verifica-se que foi mantida a obrigatoriedade de inscrição das propriedades e posses rurais no CAR, mas foi extinto o prazo para essa inscrição, tornando-o um cadastro permanente, sendo possível a constante inclusão de dados e informações.

Entretanto, importante destacar que, na prática,  somente aquele que realizar sua inscrição no CAR até 31 de dezembro de 2020, é que vai poder aderir ao Programa de Regularização Ambiental (PRA) de uma forma diferenciada e pelas regras mais flexíveis, previstas na parte final do Código Florestal, com vantagens como: áreas de preservação permanente reduzidas, compensação de reserva legal, além de outros benefícios.

Referida alteração também acarretou implicações na concessão de crédito agrícola aos produtores rurais, considerando que o artigo 78-A, do Código Florestal, estabelece que após 31 de dezembro de 2017, as instituições financeiras só concederão crédito agrícola, para proprietários de imóveis rurais que estejam inscritos no CAR.

Dessa forma, muito embora exista uma mudança na dinâmica da inscrição no CAR, não podemos ignorar o fato de que atualmente as instituições financeiras estão exigindo a inscrição no CAR e até mesmo realizando o bloqueio de crédito rural, levando por base a aplicabilidade do previsto no Código Florestal, motivo pelo qual será preciso acompanharmos quais serão os impactos dessa modificação instituída pela Lei 13.887/2019.

Por sua vez, no que se refere à alteração que trata da implantação e regulamentação dos Programas de Regularização Ambiental (PRA), verifica-se que a nova redação apenas retirou os prazos previstos para que os Entes Federados elaborem e implementem os PRAs, o que na prática se mostrava extremamente necessário, tendo em vista que a elaboração e implementação dos PRAs pelos Estados se mostrou mais complexa do que previa o legislador, o que fez com que, enquanto em algumas localidades a elaboração do programa já estivesse bem avançada, outros ainda enfrentavam muitas dificuldades para prosseguir com a matéria.    

Quanto à alteração realizada no § 2º do art. 59, verifica-se que ela dispoe que o proprietário/possuidor deve requerer a adesão ao PRA no prazo de até dois anos, observado o prazo de inscrição no CAR, de 31 de dezembro de 2020, que também é uma inovação estabelecida por essa Lei.

Em tese, aquele que ainda não se inscreveu no CAR e possui passivos ambientais – leia-se, déficit de reserva legal, áreas de preservação permanente ou áreas de uso restrito – deverá, até 31 de dezembro de 2020 inscrever-se no CAR para garantir seu direito de adesão ao PRA, para que então, no prazo de até dois anos, formalize a adesão ao programa.

De mais a mais, verifica-se que a Lei 13.887/2019, ainda estabeleceu que caso os Estados não implantem o Programa de Regularização Ambiental até 31 de dezembro de 2020, o proprietário/possuidor poderá aderir ao Programa implantado pela União.Nesse ponto, ainda não sabemos como esse Programa federal será implementado, como será a adesão pelos proprietários/possuidores e como será feito o monitoramento de quem fizer essa adesão.

Outro problema a ser questionado é se a União vier a implementar um PRA com “regras” mais vantajosas, como isso será discutido em cada Estado? Qual direito caberá ao proprietário rural? Ele poderia reivindicar o direito de aderir ao PRA implementado pela União? Ou seja, são situações que geram incertezas, insegurança jurídica, uma vez que, novamente, o proprietário rural está à mercê do que será aplicado e criado pelo Estado.

Por fim, é nítido que com a promulgação da Lei 13.887/2019, buscou-se ao menos definir um prazo para adesão ao PRA, cabendo a cada Estado solucionar os problemas relativos à existência de passivos ambientais nas áreas de proteção especial – áreas de preservação permanente, reserva legal, áreas de uso restrito, de modo a compatibilizar a recuperação das áreas com o desenvolvimento sustentável da atividade.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Ana Lacerda | Quarta-Feira, 30 de Outubro de 2019, 11h53
    0
    0

    Prezado Sr “Mini Produtor”, primeiramente agradeço a leitura do artigo e comentário. Aproveito para esclarecer que consoante artigo 78-A do Código Florestal: “Art. 78-A. Após 31 de dezembro de 2017, as instituições financeiras só concederão crédito agrícola, em qualquer de suas modalidades, para proprietários de imóveis rurais que estejam inscritos no CAR. Parágrafo único. O prazo de que trata este artigo será prorrogado em observância aos novos prazos de que trata o § 3º do art. 29. “ Em outras palavras, a princípio a data de exigência de inscrição no CAR pelas instituições financeiras para fins de concessão de credito agrícola era a data de 31 de dezembro de 2017, que poderia ser prorrogada por mais um ano por ato do Chefe do Poder Executivo. Entretanto, na atualidade o CAR se tornou um cadastro permanente sem data delimitada para adesão, mas a exigência pelas instituições financeiras permanece. Espero ter esclarecido.

  • Mini Produtor | Quarta-Feira, 30 de Outubro de 2019, 08h48
    0
    0

    Oi Ana! Obrigada pela síntese. Acho que essa data está incorreta: "após 31 de dezembro de 2017, as instituições financeiras só concederão crédito agrícola, ".

Expediente suspenso e posse no TCE

guilherme maluf 400 curtinha   O expediente no TCE-MT será suspenso na segunda, a partir das 12 horas. É que às 15 horas acontece a sessão especial na Escola Superior de Contas, marcando a posse de Guilherme Maluf (foto) na presidência do órgão fiscalizador. O hoje presidente Domingos Neto passa ao...

Túlio, desgaste e disputa em Cáceres

tulio 400 caceres   Derrotado a deputado estadual duas vezes, a última em 2018, Túlio Fontes (foto) não sustenta mais o que declarou há três meses, quando anunciou que ficaria de fora da corrida à Prefeitura de Cáceres. Mesmo tendo abandonado o município por um bom tempo, desde quando concluiu...

Disputa em Sinop e vaga na Câmara

juarez costa 400 curtinha   O deputado federal Juarez Costa (foto) tem espalhado que será candidato a prefeito de Sinop, posto já ocupado por ele por dois mandatos. No fundo, o emedebista espera que Rosana Martinelli (PL), que foi sua vice e depois se elegeu prefeita nas urnas de 2016, desista do projeto de reeleição...

Francis forçando a barra ao Senado

francis maris 400 curtinha   Francis Maris (foto), empresário e prefeito de Cáceres, é mesmo corajoso. Ele anunciou que vai reunir colegas prefeitos da região Oeste para discutir a ideia de entrar na disputa ao Senado, na eleição suplementar para a vaga de Selma, cassada esta semana. Francis se acha "o...

Sindal repudia postura de "indicado"

O presidente do Sindal Jovanildo da Silva se diz traído por Osmar Capilé, representante dos segurados da AL e que exerce cargo de diretor dos Aposentados, que votou favorável a nova alíquota de 14% no Conselho da Previdência. O apoio ao aumento da cobrança gerou revolta entre os servidores do Legislativo, que partiram para cima de Jovanildo cobrando explicações. Em nota de repúdio, o sindicato, que o indicou como representante no...

Arena fechada ao público por 3 dias

virginia mendes curtinha 400   Nos seis primeiros dias de portas abertas, a Arena Encantada, considerada o maior parque natalino que Mato Grosso já viu, recebeu quase 10 mil visitantes. Mas ficará três dias inacessível ao grande público. Na segunda (16), a Arena será exclusiva das milhares de crianças...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.