Ana Lacerda

Danos ambientais e imprescritibilidade

Por 29/04/2020, 07h:07 - Atualizado: 29/04/2020, 07h:29

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

Na sexta, dia 17 de abril deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) finalizou o julgamento do Recurso Extraordinário nº 654.833, com repercussão geral, da qual resultou a tese: “é imprescritível a pretensão de reparação civil de dano ambiental”. O processo se refere a um fato ocorrido entre os anos de 1981 e 1985, ou seja, há quase 40 anos, decorrente da extração ilegal de madeira na comunidade indígena Ashaninka-Kampa.

A tese estabelecida pelo STF mostra-se descabida e faz-se imprescindível um perscruto mais atento ao que apresenta o órgão no caso em comento. O primeiro ponto é o que diz respeito à repercussão geral. Trata-se de um instituto processual por intermédio do qual, quando o STF julga recursos extraordinários que contenham questões relevantes sob o aspecto econômico, político, social ou jurídico; a decisão ultrapassa os interesses da causa específica e passa a vigorar para outros casos.

Outra questão, a mais grave delas, é a instauração da imprescritibilidade do dever de reparar os danos ambientais. Está-se diante de uma punição perpétua e uma expectativa de cobrança que não se afasta em nenhum momento

Outra questão, a mais grave delas, é a instauração da imprescritibilidade do dever de reparar os danos ambientais. Está-se diante de uma punição perpétua e uma expectativa de cobrança que não se afasta em nenhum momento.

É preciso ponderar o quão desmedida é essa deliberação, comparando, por exemplo, com a prescrição da pretensão punitiva do crime de homicídio, previsto no “caput” ou no § 2º do artigo 121 do Código Penal. De acordo com o artigo que trata da prescrição da pena em abstrato, artigo 109 do Código Penal, no caso hipotético de condenação pelo crime de homicídio, e desconsiderando qualquer incidência de minoração, o prazo prescricional seria de vinte anos. Ou seja, uma verdadeira inversão de valores.

Nos casos em que a Carta Magna estabelece a imprescritibilidade, ela o faz de maneira expressa, como nos casos de racismo e ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem Constitucional e o Estado Democrático. Não se pode presumir uma exceção, isso seria (e, no caso em estudo, é) uma arbitrariedade e uma contradição. Imagine um mundo jurídico em que normas de caráter de exceção comecem a ser criadas sem previsão constitucional, isso faria com que as leis existentes perdessem a razão de existir, já que novos regramentos poderiam ser criados a esmo, sem nenhum rigor.

Tem-se um extremismo. Que o meio ambiente merece ser preservado, isso não se discute, mas não cabe polarização. A Constituição Federal de 1988 dedicou o artigo 225 à preservação, instituindo sanções administrativa, civil e penal, chamando à respectiva responsabilidade tanto pessoas físicas quanto jurídicas. Nesse sentido, as responsabilidades de cada pessoa (física ou jurídica) são independentes.

  Há que se ressaltar ainda, que o meio-ambiente não carece de leis para regulamentar seu uso ou assegurar sua proteção. A Lei nº 9.605 de 12 de fevereiro de 1998 (Lei de Crimes Ambientais), expressa claramente as condutas e as sanções penais e administrativas correlatas.

É essencial rememorar, que o processo para a criação de uma Lei inclui discussões realizadas por representantes populares, e o devido cumprimento do que é vinculado pelas normas garante razoabilidade, com penas proporcionais, e segurança jurídica.

A banalização do que é imprescritível abre precedentes perigosos pelo estremecimento dos pilares jurídicos, pela derrogação de direitos e pela invasão de âmbitos de outro Poder

Pode-se esperar um salto no número de ações buscando reparação civil de danos ambientais, referindo-se a fatos pregressos, ocorridos há décadas e décadas de lapso temporal em relação ao momento presente. Deve-se trazer à tona que, em fatos acontecidos há tanto tempo, a imprescritibilidade pode acarretar, inclusive, a dificuldade de defesa, uma vez que qualquer dano ambiental poderá ser razão de ação pela reparação civil por prazo indeterminado, indefinidamente.

A banalização do que é imprescritível abre precedentes perigosos pelo estremecimento dos pilares jurídicos, pela derrogação de direitos e pela invasão de âmbitos de outro Poder. A matéria é muito abrangente e já regulamentada, tornando temorosa essa atuação do STF.

Por fim, além do já exposto, apenas a título de observação, é necessário ressaltar que os fatos versados no citado processo não se submetem à sistemática jurídica vigente, tendo em vista que aconteceram antes da promulgação da Constituição de 1988.

É imprescindível proteger o meio ambiente, mas isso deve acontecer de maneira justa, preservados os direitos de todos e dentro da legislação vigorante.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

3 fortes para prefeito de Rondonópolis

ze do patio 400 curtinha   Apesar da "inflação" de prefeitáveis em Rondonópolis, com quase 10 se colocando como virtuais candidatos a prefeito, a disputa deve ficar acirrada mesmo entre três. Um deles é Zé do Pátio (foto), do Solidariedade. Vai tentar o terceiro mandato não consecutivo e...

Ex-deputada vai à vereadora em VG

zilda pereira 400 curtinha   A ex-deputada estadual Zilda Pereira Leite (foto) permaneceu pouco tempo na base dos Campos em Várzea Grande. Chateada por não ter sido renomeada como secretária de Educação, de cuja pasta havia se afastado por problemas de saúde, Zilda se filiou ao PSB, do pré-candidato...

Breunig destaca aprovação de contas

adriano breunig curtinha 400   O professor Adriano Breunig (foto), ex-adjunto e ex-secretário de Estado de Ciência e Tecnologia no Governo Silval e hoje diretor de Políticas de Desenvolvimento Institucional do IFMT, contesta o registro em Curtinha, apontando-o como candidato reserva e "vulnerável" à...

Borgato não sairá mais de secretaria

nilton borgato 400 curtinha   Nilton Borgato (foto), ex-prefeito de Glória D'Oeste e filiado ao PSD, não sairá mais do comando da secretaria estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação. Dias atrás, ele chegou a ser avisado pelo governador que seria substituído e que iria para o Escritório...

Dorner vai tentar prefeitura de novo

roberto dorner 400 curtinha   Em Sinop, o empresário e ex-deputado federal por alguns meses Roberto Dorner (foto), que deixou o PSD e aderiu ao Republicanos, está disposto a encarar de novo a disputa a prefeito. Em 2016, ele perdeu para Rosana Martinelli (PR) por uma diferença de 3.388 votos. É possível que ambos...

Um líder sob insatisfação dos colegas

dilmar dal bosco curtinha 400   O líder do governo na Assembleia, Dilmar Dal Bosco (foto), tem enfrentado crítica velada e insatisfação dos colegas, principalmente dos deputados da base. Reclamam que o interlocutor do governador Mauro não move uma palha em defesa da liberação das emendas e, nas...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.