Ana Lacerda

Haja luz!

Por 02/12/2020, 08h:23 - Atualizado: 02/12/2020, 08h:27

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

Uma das histórias mais conhecidas no ocidente sobre a criação da vida, como conhecemos, delega ao Deus dos cristãos o mérito por ter criado “a luz”, popularmente conhecida como “o dia”, por intermédio da imperativa sentença “haja luz”; segue o relato: “houve luz, e Ele viu que a luz era boa.”. O homem também viu que a luz é boa. Em tempos mais contemporâneos, descobriu-se que é geradora de energia fotovoltaica. E, agora, alguns espécimes sorrateiros pretendem taxar o uso da luz do sol para a geração de energia.

Taxar o uso de um recurso natural, abundante, limpo e totalmente sustentável, é equiparável a querer taxar, por exemplo, o ar que se respira e gera energia ao nosso corpo. A comparação soa extrema, mas é preciso refletir sobre os limites dos impostos que podem ser cobrados e marcar o posicionamento contra os abusos de poder do Estado.

Mais uma vez é preciso assumir o lugar de cidadão e usar todos os recursos contra a arbitrariedade que assola o brasileiro diariamente

Ana Lacerda

A energia, gerada pela luz solar, é a fonte de menos poluente e menos finita conhecida até o momento. Aliado a isso, tem-se a posição geográfica privilegiada do Brasil, que é um país tropical e está situado em local de luz intensa e constante. Do ponto de vista ambiental, é extremamente benéfica, reduz a emissão de carbono, a emissão de partículas materiais e dispensa o uso de água, diferente do caso das hidrelétricas.

Da perspectiva elétrica, os meios de aproveitamento da energia solar são mais estáveis, proporcionando o consequente aumento da segurança energética do país, tão imprescindível. Vide a recente crise vivida pelos amapaenses.

No Brasil, de modo simplificado, trabalha-se com o que se denomina Geração Distribuída (GD), caracterizada por um sistema de compensação baseado na de energia entre o consumidor geral e a concessionária.  Em algumas ocasiões, pode ocorrer crédito, abatido em faturas posteriores.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) justifica a cobrança da energia proveniente da luz solar, baseada naquilo que chamou de “motivos técnicos”. As alterações deveriam ocorrer de maneira gradual. As pessoas que já utilizam a GD, passariam, a partir deste ano, a pagar o custo da rede. E, em 2030, essas unidades também passariam a pagar os encargos que compõem a tarifa da conta de luz.

É inaceitável que quem em nada colaborou com um projeto, busque aproveitar-se e tirar ganhos de esforços de particulares. Não podem passar sem menção o retrocesso e o desincentivo à decisão de consumidores que pretendiam investir nessa fonte de energia melhor para todos.

Tramitam, tanto na Câmara Federal, quanto no Senado, propostas para definir a GD; a racionalização de subsídios; a diferenciação tarifária e as normas de transição. Em uníssona concordância pela não taxação manifestaram-se Jair Bolsonaro, Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia.

Mais uma vez é preciso assumir o lugar de cidadão e usar todos os recursos contra a arbitrariedade que assola o brasileiro diariamente. Especialmente, no caso em tela, àqueles que apostaram em um Brasil mais limpo, com energia mais estável, fizeram investimentos de longo prazo e, agora, enfrentam, mais uma vez, uma insegurança jurídica pela criação de normas súbitas, como em um clique e pronto: (a)pagou-se a luz.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

Para presidente, BRT é ultrapassado

juca 400 curtinha   Numa sintonia política com o prefeito Emanuel, o novo presidente da Câmara de Cuiabá, vereador Juca do Guaraná (foto), disse ser contra a decisão do governo estadual de "enterrar" o projeto do VLT, cujas obras estão paralisadas desde 2014, para implantar o modal BRT na Região...

Prefeito vai homenagear 2 ex-aliados

ze do patio 400 curtinha   O ex-vereador, ex-deputado estadual e hoje prefeito de Rondonópolis, Zé do Pátio (foto), que está no terceiro mandato, vai homenagear dois aliados que faleceram recentemente, sendo eles o ex-vereador de três mandatos Juary Miranda, que foi líder do Executivo na Câmara...

Maluf deve consultar STF sobre Teis

guilherme maluf 400 curtinha   Assim que retornar de férias, o presidente do Tribunal de Contas do Estado, Guilherme Maluf (foto), dará prosseguimento à análise do pedido de aposentadoria de Waldir Teis, que está afastado do Pleno há três anos e cinco meses, assim como outros três conselheiros...

Novo líder de Pátio na Câmara de ROO

reginaldo santos 400 curtinha   Reginaldo dos Santos (foto), que assume vaga na Câmara de Rondonópolis pela quarta vez, é o novo líder do prefeito Zé do Pátio, com a missão de fazer o trabalho de articulação e defesa do Executivo junto aos colegas do Legislativo. Na legislatura passada,...

Agro sugere Daniella de volta no Indea

daniella bueno 400 indea   Representantes do setor produtivo e um grupo de servidores sugeriram ao governador Mauro o nome da médica-veterinária e servidora de carreira Daniella Bueno (foto) para reassumir a presidência do Indea-MT. Aproveitaram a vulnerabilidade no cargo do presidente Marcos Catão Dornelas, denunciado...

Aumento para vereador só em 2022

Alguns vereadores em Cuiabá, tanto novatos quanto aqueles reeleitos, ficaram surpresos quando informados pela Mesa Diretora de que o aumento salarial de R$ 15,1 mil para R$ 18,9 mil, aprovado agora no final de dezembro, só começa a valer a partir de janeiro de 2022. Não entra em vigor de imediato, mesmo se tratando de nova legislatura, por causa da pandemia, que levou o governo federal a estabelecer, em lei, veto a qualquer tipo de reajuste para servidores até...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT optou pela implantação do BRT em Cuiabá-VG em detrimento do VLT. O que você acha disso?

Estou de acordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.