Ana Lacerda

Nova Lei do Agro e desburocratização do crédito

Por 23/12/2020, 09h:25 - Atualizado: 23/12/2020, 09h:29

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

As pessoas que conhecem um pouco mais de perto os produtores rurais brasileiros sabem que eles fazem grandes esforços para manter os negócios em andamento. Uma das realidades mais comuns é correr o risco dos empreendimentos, acreditando que o clima vai colaborar, que as pragas não comerão toda a produção, que o sistema legislativo garantirá a mínima segurança jurídica às suas atividades e que o mercado não sofrerá golpes internacionais e nacionais, possibilitando comercializar o produto da colheita e ter acesso à linhas de crédito. É com vistas a facilitar o acesso ao crédito a esse setor, que se promulgou a Lei 13.986/2020, popularmente conhecida como “Nova Lei do Agro”.

É preciso destacar que essa Lei traz também outras preocupações, a serem objeto de análise em artigos futuros; todavia, no que concerne ao acesso a crédito, a ideia da citada Lei foi proporcionar uma desburocratização, a fim de viabilizar a continuidade da execução das atividades produtivas, especialmente em épocas tão críticas, como a contemporânea em decorrência da pandemia.

Ficaram vedados de acessar o crédito dessa modalidade, alguns casos determinados no Art. 8º da mencionada Lei, por exemplo, o imóvel já gravado por hipoteca, por alienação fiduciária de coisa imóvel ou por outro ônus real; a pequena propriedade rural; a área de tamanho inferior ao módulo rural ou à fração mínima de parcelamento, o que for menor

Ana Lacerda

O intuito é modernizar as bases legais dos instrumentos de crédito para o agronegócio e ampliar o mercado.  A Lei trata de expandir as modalidades de financiamento ao agronegócio por meio do mercado de capitais, criando uma nova modalidade de garantia nas operações de financiamento rural: o patrimônio rural em regime de afetação.

Nesse regime de afetação, o terreno, as acessões e as benfeitorias nele fixadas, exceto as lavouras, os bens móveis e os semoventes, constituirão patrimônio rural em afetação, destinado a prestar garantias por meio da emissão de Cédula de Produto Rural (CPR), ou em operações financeiras contratadas pelo proprietário por meio de Cédula Imobiliária Rural (CIR).   

A incumbência de assegurar o contrato, elencando, em documento, explicitamente quais os bens entrarão em negociação ficou ao encargo dos Cartórios de Registro de Imóveis. A eles cabe, a pedido do proprietário, o registro formal do patrimônio, para que posteriormente não restem dúvidas sobre o que pode ou não ser afetado. De outro norte, os títulos de crédito emitidos pelo cartório também resguardam o credor para o caso de inadimplemento da dívida, mas impedem que se retire a fonte de sustento do produtor.

Ficaram vedados de acessar o crédito dessa modalidade, alguns casos determinados no Art. 8º da mencionada Lei, por exemplo, o imóvel já gravado por hipoteca, por alienação fiduciária de coisa imóvel ou por outro ônus real; a pequena propriedade rural; a área de tamanho inferior ao módulo rural ou à fração mínima de parcelamento, o que for menor; e o bem de família, resguardada a exceção da impenhorabilidade restringida à sede moradia e dos seus respectivos bens móveis, como prevê a  Lei nº 8.009/1990.

Para evitar transtornos futuros, é necessário conhecer e utilizar esse “instrumento” com todos os cuidados que uma negociação de crédito requer, uma vez que, conforme citato, o título de crédito guarda bastantes similaridades com a alienação fiduciária.

Postar um novo comentário

Setores vivem tensão e são castigados

Gilberto Figueiredo Artigo O governo acerta ao estender o horários de funcionamento dos supermercados. Afinal, desde que o decreto entrou em vigor, as filas se multiplicaram pela Capital, aumentando o risco de transmissão do novo coronavírus. Há a expectativa de que novas medidas possam ser tomadas diante do evidente colapso da...

Limpeza e obras no entorno da Arena 

Beto 2x1 400 curtinha   Apesar da Arena Pantanal ser um cartão postal do Estado, o entorno do estádio vive situação crítica com lixo nas ruas, episódios de esgoto à céu aberto e matagal. O secretário estadual de Esporte e Cultura, Beto 2 a 1 (foto), em visita ao Rdnews, assegura que os...

VI de R$ 18 mil garantida na Câmara

A verba indenizatória de R$ 18 mil para os vereadores da Câmara de Cuiabá está garantida, pelo menos por enquanto. Depois de diversas ações judiciais, derrubando a alta indenização por gastos do mandato, os vereadores implantaram o benefício novamente em dezembro. O Ministério Público entrou com nova ação para declarar a verba inconstitucional. Um dos problemas é a falta de prestação...

Efeito-Covid adia vinda de Michelle

michelle bolsonaro A primeira-dama de Cuiabá, Márcia Pinheiro, e a secretária da Mulher, Luciana Zamproni, resolveram transferir para abril a agenda de 11 de março que teria como convidada a secretária nacional de Mulheres, do Ministério dos Direitos Humanos, Cristiane Britto e a primeira-dama do Brasil Michelle...

Governador entre a cruz e a espada

mauro mendes curtinha   Às vésperas da pandemia completar 1 ano em MT, o Estado vive o seu pior momento e o governador Mauro Mendes (foto) enfrenta uma verdadeira prova de fogo: liderar ações coordenadas em todo o território mato-grossense para evitar que o Estado viva cenas parecidas com as de Manaus e de Estados...

Câmara volta a realizar 2 sessões

juca 400 curtinha   A Câmara de Cuiabá, sob a presidência do vereador Juca do Guaraná Filho (foto), volta a realizar duas sessões semanais, nas terças e quintas. Por conta da pandemia, as sessões serão remotas. A resolução foi aprovada por unanimidade pelos parlamentares que vinham...