Ana Lacerda

Uma perspectiva sobre o uso de defensivos agrícolas

Por 05/08/2020, 14h:43 - Atualizado: 05/08/2020, 14h:47

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

Estamos experimentando um momento de muitas incertezas e aguardando ansiosamente a chegada de uma vacina que possa conter a pandemia causada pelo novo coronavírus. A ideia de poder ter uma defesa contra o vírus está alinhada com a valorização da vida.

O raciocínio é o mesmo quando se fala do uso de defensivos agrícolas. Muito mistificados e tão necessários para viabilizar o cultivo de alimentos, os defensivos constituem uma defesa contra organismos que podem impedir a produção. O panorama que se tem atualmente é de uma preocupação com a saúde e a busca por uma vida cada vez mais saudável. O que também é uma preocupação dos produtores rurais.

O agronegócio entrega alimentos, fibras, insumos diversos e outros produtos indispensáveis para a vida; gera empregos; oportunidades, fomenta a economia e contribui para o PIB nacional significativamente. Entretanto, o cotidiano de quem trabalha nesse contexto se caracteriza por constantes desafios e restrições; ao passo de ter que equilibrar essa realidade com o constante aumento de demanda.

Além dos fatores legais que delimitam a atividade, o setor enfrenta intempéries climáticas e biológicas das mais diversas ordens. As plantações são frequentemente atacadas por ervas daninhas, insetos, fungos, roedores e tantos outros que consumiriam toda a lavoura antes de ela poder chegar ao nosso prato, caso não fossem os mecanismos de controle adotados, que, obviamente, dão conta da situação apenas parcialmente.

Não é de hoje que o ser humano busca proteger suas plantações. Segundo dados da National Research Council, há registros de controle de pestes em escrituras gregas de cerca de três mil anos atrás, bem como de esculturas em túmulos egípcios datadas de 2.300 a.C. mostrando gafanhotos comendo grãos. A indústria que produz esse tipo de substância também vem passando por constantes atualizações e pesquisas para melhorar a tecnologia utilizada, auxiliando para que sejam cada vez mais eficazes, e nada prejudiciais. É possível encontrar no mercado atualmente defensivos de atuação tão específica, que interferem exatamente no sistema endócrino dos insetos, dificultando seu processo de crescimento, por exemplo.

É preciso considerar ainda, que os defensivos agrícolas custam caro e não são a única maneira utilizada no campo para controlar a plantação. A agricultura nacional é terreno de muito investimento em ciência, e soma ao emprego de substâncias, o emprego de técnicas integradas de gestão de pragas que consideram interações entre plantas, pestes, solos, climas, biológicos, como predadores ou insetos estéreis, armadilhas, rotação de culturas e uso de fertilizantes. 

É preciso considerar ainda, que os defensivos agrícolas custam caro e não são a única maneira utilizada no campo para controlar a plantação

Ana Lacerda

Necessário ponderar também, que existe um controle bastante rígido da aplicação de defensivos agrícolas, políticas verificadas inclusive pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que são ecoantes com outras decisões mundiais. Outro aspecto que vale ressaltar, é que em relação à área cultivada e à quantidade de safras anuais em comparação com outros países, o Brasil utiliza quantidades bastante reduzidas desses produtos.

As pesquisas desenvolvidas em âmbito internacional, norteiam a aplicação dessas substâncias e rapidamente proíbem o uso caso seja detectada alguma toxicidade, além de regulamentar o volume e a frequência de aplicação.

Em que pese a indústria de defensivos agrícolas seja frequentemente pressionada pela sociedade, o que concordamos que aconteça, a fim de que ela se especialize e melhore cada vez mais, como todos os setores da sociedade, ela é imprescindível para a produção em larga escala que alimenta e atende o mundo. É urgente buscar mais informação antes de condenar um mecanismo técnico que contribui para alavancar o agronegócio brasileiro e o desenvolvimento nacional. Sabe aquela vacina tão esperada? Em alguns casos, ela já existe.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

Ex-vereador recua para apoiar primo

divino 400 barra do bugres   Ex-vereador, ex-presidente da Câmara e empresário bem sucedido, Chico Guarnieri (PTB) não será candidato a prefeito de Barra do Bugres nas eleições deste ano. Guarnieri, que disputou a prefeitura em 2016, até ensaiou, mas recuou ao ver que o primo, pedetista Doutor Divino...

3 ex-prefeitos viram cabos eleitorais

percival muniz 400 curtinha   Dois candidatos de oposição em Rondonópolis têm ex-prefeitos como principais cabos eleitorais. O empresário Luiz Fernando, o Luizão (Republicanos), conta com apoio de Adilton Sachetti, que já comandou o município e perdeu na tentativa de reeleição, e...

3 candidatos competitivos em Sinop

roberto dorner 400   Apesar da "inflação" de candidatos a prefeito de Sinop, com cinco no páreo, a disputa tende a se acirrar mesmo entre o empresário Roberto Dorner (foto), do Republicanos e apoiado pela prefeita Rosana Martinelli (PL), o ex-prefeito e deputado Juarez Costa, que atraiu 10 partidos para o palanque, e o...

Ex-prefeito no páreo em Alta Floresta

robson silva 400 curtinha   Alta Floresta, uma das cidades pólos do Nortão, tem sete candidatos a prefeito. Um deles é Robson Silva (foto), empresário, ex-prefeito entre 93 e 96 e que concorre pelo MDB, mesmo partido do prefeito Asiel Bezerra, que está encerrando o segundo mandato e se tornou um dos principais...

Vice sinopense quer retornar à Câmara

gilson de oliveira 400 curtinha   O vice-prefeito de Sinop e apresentador de TV, Gilson de Oliveira (foto), resolveu concorrer a vereador, cadeira já ocupada por ele por dois mandatos, o primeiro pelo PSDB, entre 2005 e 2008, e, depois, pelo PSD (2009/2012). Foi candidato a deputado estadual duas vezes (2006 e 2010) e, como suplente da...

Vice que morreu na praia em Tangará

renato gouveia 400 curtinha   Assim que percebeu que não seria escolhido pelo prefeito Fabio Junqueira (MDB) como o candidato governista na briga pela Prefeitura de Tangará da Serra, ainda em junho, o vice-prefeito Renato Gouveia (foto), do PV, correu para os braços do tucano Vander Masson. Levou com ele uma chapa de 21...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.