Legislativo

Quarta-Feira, 06 de Fevereiro de 2019, 16h:44 | Atualizado: 06/02/2019, 17h:12

comissão de investigação

Com 9 assinaturas, Wilson emplaca CPI da sonegação fiscal; é a 3ª dos últimos anos

Reprodução

Wilson Santos

Wilson Santos durante entrevista à imprensa, em que confirma o apoio de 8 deputados

O deputado Wilson Santos (PSDB) afirma já ter conseguido a assinatura de 9 colegas de Assembleia para a abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar as sonegações e renúncias fiscais em Mato Grosso. O requerimento para criação da CPI será apresentado na sessão plenária da próxima terça (12).

O tucano pondera que o tema já foi alvo de outras duas CPIs, em 2014 e 2016, mas que não tiveram o efeito esperado. “Não houve devolução de valores para os cofres do Estado e punição de ninguém. Nós vamos começar esta CPI dando aos órgãos de controle, como Ministério Público do Estado, Ministério Público Federal, Controladoria-Geral do Estado, a oportunidade para que eles possam apresentar quais foram os procedimentos, quais foram as medidas tomadas pelas CPIs anteriores”.

Além de Wilson, assinaram o pedido os deputados Elizeu Nascimento (DC), Valdir Barranco (PT), Lúdio Cabral (PT), Janaina Riva (MDB), Dr. João (MDB), Thiago Silva (MDB), Delegado Claudinei (PSL) e João Batista (Pros). A CPI será formada por cinco deputados titulares e cinco suplentes. “Caberão aos líderes de blocos a indicação e a proporcionalidade de cada bloco”.

Wilson afirma que não será apenas o setor do agronegócio que será investigado, mas outros segmentos da economia. “Temos denúncias de que há evasão de ouro, mineração, madeira e cerca de R$ 100 milhões sonegados só de combustíveis, segundo uma fonte do próprio setor. Vamos tentar trabalhar com o máximo de frentes. A Sefaz está muito defasada, ela não se modernizou, não se equipou e não adotou ferramentas modernas de arrecadação”.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Cako | Quinta-Feira, 07 de Fevereiro de 2019, 15h04
    3
    0

    Não vai dar em nada. É só pra chamar atenção. Negócio deles é prestar homenagem e dar nome pra rua, prédio e até pra obra que não acabou - tipo o COT da UFMT (https://olivre.com.br/wilson-afirma-que-cot-da-ufmt-deve-ser-entregue-ainda-neste-ano).

  • INDIGNAÇÃO | Quinta-Feira, 07 de Fevereiro de 2019, 07h47
    4
    1

    Wirso apontando falhas no governo ? TEM ALGUMA COISA ERRADA . Ele sempre mamou. Olha a Mtprev, tem uns 05 comissionados do Pinóquio. Dê o exemplo, peça para mandá-los em embora.

  • Eleitor | Quarta-Feira, 06 de Fevereiro de 2019, 18h32
    5
    2

    Deputado eu não sou seu fã mas nesta questão da CPI da Sonegação e incentivos fiscais o senhor tem o meu total apoio e espero que e que mostre que são os verdadeiros culpados pela tal calamidade no Estado de Mato Grosso porque tem gente que ficou milionário com os incentivos fiscais e agora arrota que o povo não aguenta mais pagar impostos para pagar servidores como se ele pagasse... O sujeito pede recuperação judicial e vai para Dubai passear com a família...A empresa em recuperação judicial não paga os seus credores mas o sujeito pessoa física é milionário.. Portanto, deputado Wilson Santos vamos mostrar a verdadeira face destes demagogos que chagaram ao poder...

  • renato | Quarta-Feira, 06 de Fevereiro de 2019, 17h26
    5
    2

    essa vai ser moeda de troca para tentar pressionar o governo

  • joel castro | Quarta-Feira, 06 de Fevereiro de 2019, 17h03
    5
    1

    essa CPI vai ter andamento ou vai fica igual da rodoanel dep. auele deputado 5 lembra

Matéria(s) relacionada(s):

Xuxu recusa diárias e cala Wilson

xuxu curtinha   Na tribuna da AL, o tucano Wilson Santos tentou ironizar o colega Xuxu Dal Molin (foto), que retornou de missão oficial à Ásia nesta semana, mas acabou se dando mal. Considerando que Xuxu é membro de uma das famílias mais abastadas de Sorriso, Wilson sugeriu que ele poderia ter custeado a viagem e...

TCE já suspende licitação na Câmara

misael galvao curtinha   O TCE determinou que a Câmara de Cuiabá, sob Misael Galvão (foto), suspenda de imediato um pregão para contratar empresa para fornecimento de material de informática e de equipamentos de áudio e vídeo. Técnicos de Controle Externo de Contratações...

Janaina, MDB e o Palácio Alencastro

janaina riva curtinha   A presidente interina da Assembleia Janaina Riva não assume publicamente mas, nos bastidores, alimenta a esperança de ser prefeita de Cuiabá. Para que isso ocorra, em 2020, teria que deixar o seu MDB o prefeito Emanuel que, aliás, já está com um pé no PTB. Na cúpula...

Respaldo jurídico para barrar grevistas

mauro mendes curtinha   O Governo Mauro Mendes, de forma estratégica, está se respaldando de forma técnica e juridicamente, para enfrentar setores do funcionalismo que caminham para a deflagração de greve geral. Primeiro, recebeu do MPE uma notificação para não conceder reajuste salarial,...

Bolsonaro veta algoz de Selma no TRE

ulisses curtinhas   Fatores políticos-partidários podem ter pesado na escolha do presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao definir o novo membro do TRE. Ele optou por Sebastião Monteiro e não por Ulisses Rabaneda, que tentava ser reconduzido. Os presidentes costumam escolher o mais votado ou manter quem já está no...

Prefeitura de Barra garante legalidade

joaojakson   Procurador-geral de Barra do Garças João Jackson Vieira Gomes (foto) esclarece, em resposta à curtinha Contrato de R$ 4 mi pra limpeza, que a dispensa de licitação por 6 meses obedeceu todos os tramites legais, sendo que a empresa contratada ofertou o menor orçamento. A...

ENQUETE

Tramita na Câmara Federal o projeto 832/2019, do deputado José Medeiros, requentando uma proposta de 2007 do então deputado Jair Bolsonaro, propondo extinguir o Exame da Ordem como exigência para inscrição na OAB e, assim, poder exercer a profissão. O que você acha disso?

Concordo - esse Exame tem de acabar

Discordo - bacharel precisa, sim, se submeter ao Exame

Sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.