ARTIGOS

Segunda-Feira, 28 de Junho de 2010, 10h:06 | Atualizado: 26/12/2010, 12h:26

Artigo

Jornalista lamenta rancor latino por causa da rivalidade no futebol

O rancor latino além das quatro linhas

 

Jornalista Jorge Maciel    Durante a Copa do Mundo, onde uns torcem esportivamente, uns civicamente tensos ou embotados de ufanismo e uma outra parte prega a aversão entre povos, perguntei a meninos e meninas da minha rua para quem torceriam no jogo Argentina x Nigéria, na abertura da competição: a resposta foi, claro, a de que todos eram “nigerianos” desde o parto.

    Nas reflexões que se seguiram, pensei mais nos adultos e ponderei que a rivalidade entre Brasil e Argentina – e também Brasil x Uruguai – anda mais além que a metragem dos campos de futebol, ou bem prá lá dos perímetros dos estádios. De forma multiplicadora, permanente e voraz a grande mídia, pelas palavras de irresponsáveis, soberbos e insensatos, vem propagando uma espécie de intolerância e de sentimento raivoso e aceso entre latinos, tecendo um rosário de rancores entre brasileiros, argentinos, bolivianos, paraguaios, e de outros países sul-americanos, isso bem antes mesmo da jabulani.

   O poeta e músico cubano Pablo Milanes é pontual. A ‘Canción por la unidad latinoamericana’ uma de suas belíssimas composições, realça que, apesar de estamos juntos, nos viramos uns contra os outros, num racional apelo pela unidade e num protesto cifrado contra o rancor entre sul-americanos. Ainda na letra da canção, Milanes, relembrando conflitos do passado entre estes países, observa que com o passar dos anos se acumularam rancores, se esqueceram os amores e parecemos como estranhos, ou como xipófagos. É uma distância sofrida num mundo tão separado. Apartado e odioso, com o futebol servindo de pano de fundo, ao sabor da insensatez.

   Num planeta onde se venera menos a vida e se dá importância cada vez menor ao apreço, devemos afastar quaisquer procedimentos e válvulas que venham tonificar o ódio e aversão entre os povos. O futebol, pelas maravilhas e emoções que oferece, se de um lado aproxima as nações, pode se tornar um artifício perigoso quando o torcedor é estimulado a odiar por uma rivalidade tola. Por um descuido ou quem sabe por uma febril insanidade, a disputa pelo gol e pelo simbólico ato de levantar um caneco, pode se transformar em extremismo e ódio perenes, como já se pode observar nas TVs e rádios, jornais, em entrevistas onde repórteres idiotas e sem graça abordam torcedores brasileiros e argentinos, para citar um exemplo, a lhes nutrir com o sentimento do revés e da disputa, da antipatia e da aversão.

    Especificamente tratando-se de Argentina e Brasil, no armistício das Malvinas (em 1982), quando argentinos e ingleses guerrearam pelas Falklands, por conta de disputas entre as seleções de futebol dos dois países (Brasil e Argentina), brasileiros, sem saber dos porquês, torciam apatetados e de forma renhida pela Inglaterra, enquanto outros muitos brasileiros condenavam a posição do Perú, único país latino-americano a declarar oficialmente apoio aos latinos.

   Sem querer exagerar, Joseph Goebbels, o ministro da Propaganda germânico do período do holocausto, gênio do mal das forças de ocupação nazistas, entre tantas artimanhas e fórmulas, utilizava-se também da falsa superioridade ariana nos esportes para difundir o ódio contra os judeus e negros.

   A evolução do futebol, ou da qualidade técnica das seleções nos últimos quinze anos, ainda não produziu efeitos agourentos entre brasileiros e bolivianos, brasileiros ou paraguaios, brasileiros ou equatorianos (..). O grau de perigoso preconceito e animosidade ainda é exclusivo nas pelejas entre brasileiros e argentinos ou uruguaios, nossos maiores rivais nas quatro linhas. Torço, como amante do futebol e bom brasileiro, para que eles nunca evoluam e que a Argentina e Uruguai jamais ganhem de nós. Mas suplico com mais aflição ainda para que nossos atuais editores estejam acomodados e bem sepultados quando esses países evoluírem mais no futebol. Jean-Paul Marat, notável jornalista francês (foi também médico e cientista) escreveu certa feita, em seu periódico parisiense, durante a Revolução Francesa (1789) que o povo absorve mais uma maldosa ‘invenção sutil’ e que a insofismável verdade escancarada em letras de forma.

   Que as novas gerações de profissionais que comandarão a mídia doravante tratem a rivalidade atual e as que vêm por aí apenas como elemento da competição sadia, cíclica ou ocasional, com descomunal espírito de competição e delirante paixão, mas sem as substâncias dolentes da cólera. Apenas isso.

    Jorge Maciel é jornalista em Cuiabá

Postar um novo comentário

Comentários (18)

  • Ricardo | Quarta-Feira, 30 de Junho de 2010, 13h25
    2
    0

    Parabéns para o autor. Tomara que ele tenha a mesma atitude em relação ao Mixto, e torça para o Tigrão da Vargas, mesmo com o cotovelo doendo do outro lado da arquibancada.

  • Antonio P. Pacheco | Quarta-Feira, 30 de Junho de 2010, 12h00
    2
    0

    Parabéns, JM, belissimo texto e oportuníssimo o tema abordado. Um adendo: o comportamento xenofóbico entre brasileiros e argentinos não é um dado a ser relevado, pois está entranhado na psiquê dos cidadãos medianos dos dois paises e, pode sim, contaminar negativamnte as relações políticas, econômicas e mesmo de tolerância e convivência territorial. Argentinos olham para o brasileiro com o seu oposto, seu reflexo contrário e vê aquilo que ele NÃO É ou que GOSTARIA DE SER. O mesmo se dá com os brasileiros quando olham para os argentinos, para o cidadão médio tupiniquim, los hermanos são tudo o que ele não gostaria de ser, mas no fundo é: metido, bossal, pretensioso e até arrogante diante dos demais vizinhos de continente. Áh, sim, piora muito isso o f ato de que, no futebol, brasileiros e argentinos são talentosos, criativos, competitivos e por isso mesmo, excepcionalmente equivalentes. Por tudo isso, não há que se estranhar se a final da Copa da Africa for um absolutamente fastástico Brasil x Argentina.

  • dorivan | Terça-Feira, 29 de Junho de 2010, 16h49
    2
    0

    Excelente! O autor toca em um tema que pode parecer sem importãncia, mas que exige sim muita reflexões. Realmente estamos tão perto e tão longes da unção por todos, mas por muitos jornalistas, principalmente, o futebol e arivalidade tem apenas acirrado a antipatia entre brasileiros e seus vizinhos. O jornalista -autor está de parabéns

  • henrique pimenta | Terça-Feira, 29 de Junho de 2010, 11h43
    2
    0

    Como estudante de Jornalismo na UFMT parabenizo o sr. Jorge Maciel pela gradiosidade do tema e pela narração impecável. Realmente, um texto rico, leve e solto. Formidável !

  • artur angelo | Terça-Feira, 29 de Junho de 2010, 10h35
    2
    0

    Maciel é um dos JORNALISTAS que escrevem matérias em Mato Grosso, o resto é resto.

  • ELIANE ALMEIDA | Terça-Feira, 29 de Junho de 2010, 07h39
    2
    0

    Maciel, parabens pelo artigo. Sou uma das admiradores de seus artigos. Acho todos de bom senso e com certeza enriquecem o meu conhecimento. Vocé é sem dúvida muito objetivo em seus artigos.

  • celia alves | Segunda-Feira, 28 de Junho de 2010, 23h13
    2
    0

    como cuiabana e hoje morando fora, parabenizo Mato Grosso por ter pessoas com acentuada lucidez, o que muito me orgulha e deveria orgulhar a todos os mato-grossenses. O autor é muito feliz quando sublinha que a grande mídia e pessoas sem quaalquer preparo ou noção apregoam a intolerãncia de forma sutil, como, alías é sutil o texto. Concordo com o jornalista; é isso mesmo que acontece, pois a disputa de partidas de futebol tem se tornado gradativamente uma disputa sem razão entre brasielrios aregentinos, uruguaios e outrros povos latinos. A disputa esportiva é sadia, mas devemos ficar apenas nisso.

  • rita amaral | Segunda-Feira, 28 de Junho de 2010, 22h59
    2
    0

    Como professora, achei formidável o artigo. Lamento que alguns comentários, como do Liberato, acima, exprimam exatamente o que observa o autor: a mídia e as insinuações que alimentam o rancor e a rivalidade sem propósito entre brasiliros e latinos, com o pano de fundo do esporte, realmente provoca efeitos devastadores, como se observa em alguns comentaristas, já contaminados pela mídia. Parabéns, sr. Jorge maciel por este belíssmo ensaio. E por outros que tenho lido também.

  • José Martins Liberato | Segunda-Feira, 28 de Junho de 2010, 21h51
    2
    0

    Vai trabalhar Maciel. Vai fazer alguma coisa produtiva nessa vida, trabalho, trabalho, trabalho......

  • Marcos Seixas | Segunda-Feira, 28 de Junho de 2010, 18h41
    2
    0

    Jorge, Gostei da sua análise, e gostaria de acrescentar algo: É normal haver animosidade entre vizinhos. A França e A Inglaterra, a Franá e a Alemanha, a Itália, todos eles têm queixas dos vizinhos e foram à guerra 2 vezes no século XX. O Japão invadiu a Coréia e a China muito antes da II Guerra. Há muito mais tensões entre eles do que entre nós, latino-americanos. A Rússia invadiu a Polônia e matou muita gente, assim como a Alemanha. Myamar, antiga Birmânia, invadiu a Tailândia várias vezes. E o que falar da Índia e do Paquistão? As diferenças entre nós, latinos, se resolvem nos esportes, enquanto o Hugo Chaves só bradar sem agredir fisicamente outro país. sds - Marcos Seixas

Entrando na briga à AMM muito tarde

maurao curtinha 400   Mauro Rosa, o Maurão (foto), que está encerrando o segundo mandato como prefeito de Água Boa, é o único candidato no duelo com Neurilan Fraga, que busca mais um mandato no comando da AMM, entidade que representa as prefeituras mato-grossenses. O problema é que Maurão entrou...

Com Paccola, Câmara terá polêmicas

paccola 400 curtinha   O vereador eleito pela Capital, tenente-coronel PM Marcos Eduardo Ticianel Paccola (foto), do Cidadania, promete levar muitas polêmicas para os embates que pretende travar no Legislativo. Ele é daqueles sem papas na língua. Defende, por exemplo, que a população tenha direito de se armar. Em...

Esposa de deputado na 2ª suplência

maria avalone 400   Não foi só o deputado estadual Wilson Santos que frustrou-se na tentativa de eleger membro da família à cadeira de vereador. O também parlamentar Carlos Avalone, presidente regional do PSDB, apostou todas as fichas na esposa Maria Avalone. Mas ela só chegou à...

Neurilan e apoio de Botelho à AMM

eduardo botelho 400 curtinha   Em busca de apoio de lideranças políticas para permanecer no comando da AMM por mais três anos, Neurilan Fraga foi pedir socorro para o presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho (foto). Quer que o parlamentar seja o presidente de honra de sua chapa. Neurilan tem se articulado como pode e,...

Candidato irritado chama EP de traste

abilio junior 400 curtinha   Abílio Júnior (foto), candidato do Podemos ao Palácio Alencastro, tem se mostrado mais irritado depois do debate promovido pela Fecomércio, na quarta à noite, quando, em vários momentos, se viu questionado e desqualificado pelo prefeito e candidato à...

Prefeito reeleito sob investigações

ze do patio 400 curtinha   A situação jurídica do prefeito populista e desgastado Zé do Pátio (foto), que acaba de ser reeleito para o terceiro mandato em Rondonópolis, sendo o segundo consecutivo, não é das melhores. Contra sua gestão tem pipocado denúncias sobre...