Ana Lacerda

Crise para o produtor rural - e agora?

Por 12/02/2020, 07h:54 - Atualizado: 12/02/2020, 07h:58

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

A legislação brasileira é dotada de uma medida judicial denominada “recuperação judicial”, com requisitos estabelecidos pela Lei nº 11.101/2005. Ela acontece quando uma empresa que enfrenta dificuldades para pagar suas dívidas requer por intermédio da justiça, uma reorganização econômico-financeira, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo, assim, a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica (art. 47, Lei nº 11.101/2005).

Nessa coluna, no dia 27 de novembro do 2019, discorremos sobre uma relevante e icônica vitória para os produtores rurais, onde em um acórdão proferido pelo Superior Tribunal de Justiça, restou consignado que a natureza declaratória da inscrição do produtor rural na Junta Comercial, possibilita que os créditos havidos antes da inscrição também podem ser inseridos à recuperação judicial.

Recentemente, mais uma decisão relevante. O Superior Tribunal de Justiça – STJ, por meio de ato do seu respectivo Presidente, Ministro João Otávio de Noronha, ao analisar um pedido de tutela provisória, concedeu liminar para suspender quaisquer atos constritivos e expropriatórios de bens de um produtor rural que busca a aplicação das regras da Lei de Recuperação Judicial e Falência.

O caso levantou polêmicas, uma vez que não há precedentes sobre o assunto.

No caso em comento, segundo as informações processuais, devido a contratempos nas safras de suas plantações (aparecimento de pragas e doenças) associados à queda nos preços das commodities e a alta do dólar, o citado produtor se viu impossibilitado de honrar seus compromissos financeiros, motivo pelo qual requereu na justiça a renegociação de suas dívidas por meio do processo de recuperação judicial.

Tão vulnerável quanto os demais empreendedores, o produtor rural sofre os efeitos da instabilidade econômica e, muitas vezes, encontra-se endividado, sem a possiblidade de gerar lucro suficiente para fazer o custeio das obrigações, como pagar impostos e manter compromissos com fornecedores e funcionários.

Entretanto, enquanto mencionado pedido encontra-se pendente de análise definitiva,  de maneira inédita, ele conseguiu a concessão de uma liminar para fins de suspender quaisquer atos constritivos e expropriatórios de seus bens, sob a fundamentação de que “o prosseguimento das ações em curso contra o requerente, algumas com determinação de atos constritivos e expropriatórios, arresto de bens, remoção de ativos, entre outros, poderá causar danos insuscetíveis de reparação na hipótese de não deferimento da tutela cautelar e tornar inócua eventual decisão favorável no recurso especial".

Tão vulnerável quanto os demais empreendedores, o produtor rural sofre os efeitos da instabilidade econômica e, muitas vezes, encontra-se endividado, sem a possiblidade de gerar lucro suficiente para fazer o custeio das obrigações, como pagar impostos e manter compromissos com fornecedores e funcionários.

Nessa hipótese, a possiblidade da negociação de ações que podem evitar a falência, beneficia e interessa todas as partes envolvidas. Em última instância, é desse produtor que provêm os alimentos que estão nas nossas mesas cotidianamente.

É preciso compreender a importância do produtor rural, bem como a aplicação e atualização das normativas jurídicas para garantir a isonomia, a segurança jurídica e a boa aplicação do Direito.

Trata-se de um trabalho que sustenta o Brasil como uma atividade primária da economia nacional; garante a supremacia do Brasil no mercado internacional; produz os alimentos, roupas, combustíveis, móveis que utilizamos; gera emprego, entre tantos outros fatores que fundamentam a postura do STJ no auxílio da aplicação das normas jurídicas para que o Brasil e as famílias possam se desenvolver dignamente.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

Prejuízos para Acorizal de R$ 753 mil

clodoaldo monteiro 400 curtinha acorizal   O conselheiro interino Moisés Maciel concedeu medida cautelar proposta pela secretaria de Controle Externo de Contratações Públicas do TCE, suspendendo de imediato um termo de parceria, em vigor desde 2017, entre a prefeitura de Acorizal e a Oscip Iso Brasil. Foi descoberto...

"Eu não devo um centavo para Júlio"

sergio rezende 680   O empresário e ex-vereador de Chapada dos Guimarães, Sergio Rezende (foto), que foi "enquadrado" pelo cacique político do DEM, Júlio Campos, reagiu, mas sem as críticas duas de antes contra o ex-governador. Irritado pelos ataques feitos por Rezende em um grupo de WhatsApp, Julio gravou um...

Ex-vereador do DEM recua da disputa

ivan evangelista 400 curtinha   O pecuarista e ex-vereador Ivan Evangelista (foto) vai mesmo jogar a tolha. Apontado como uma das apostas do DEM na briga por vaga no Legislativo cuiabano, Ivan não se empolgou, notou dificuldades para se obter êxito nas urnas e vai comunicar a direção do partido de sua desistência da...

Gestão Tatá sob várias irregularidades

tata amaral 400 curtinha   A gestão Tatá Amaral (foto), em Poconé, está sendo marcada por uma série de irregularidades. Uma denúncia feita junto ao TCE pelo auditor público interno municipal, Ademar Vivan Júnior, foi confirmada. Descobriu-se, por exemplo, contratação...

Ucamb é multada por irregularidades

edio 400 curtinha   Numa sessão realizada por videoconferência, o TCE puniu o líder comunitário Édio Martins de Souza (foto) por irregularidades num convênio de 2009 com o Estado. Na época, Édio presidia a União Cuiabana de Associações de Moradores de Bairro (Ucamb)....

PSD reforça nome de Flávio em VG

selleman mathias 400 curtinha psd vg   Chamou a atenção a presença do presidente do diretório do PSD, em Várzea Grande, Selleman Mathias (foto), no lançamento da candidatura do empresário Flávio Vargas (PSB) à sucessão da prefeita Lucimar Campos, nesta quarta. Ao que tudo...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.