Ana Lacerda

Crise para o produtor rural - e agora?

Por 12/02/2020, 07h:54 - Atualizado: 12/02/2020, 07h:58

Dayanne Dallicani

Colunista Ana Lacerda

A legislação brasileira é dotada de uma medida judicial denominada “recuperação judicial”, com requisitos estabelecidos pela Lei nº 11.101/2005. Ela acontece quando uma empresa que enfrenta dificuldades para pagar suas dívidas requer por intermédio da justiça, uma reorganização econômico-financeira, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo, assim, a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica (art. 47, Lei nº 11.101/2005).

Nessa coluna, no dia 27 de novembro do 2019, discorremos sobre uma relevante e icônica vitória para os produtores rurais, onde em um acórdão proferido pelo Superior Tribunal de Justiça, restou consignado que a natureza declaratória da inscrição do produtor rural na Junta Comercial, possibilita que os créditos havidos antes da inscrição também podem ser inseridos à recuperação judicial.

Recentemente, mais uma decisão relevante. O Superior Tribunal de Justiça – STJ, por meio de ato do seu respectivo Presidente, Ministro João Otávio de Noronha, ao analisar um pedido de tutela provisória, concedeu liminar para suspender quaisquer atos constritivos e expropriatórios de bens de um produtor rural que busca a aplicação das regras da Lei de Recuperação Judicial e Falência.

O caso levantou polêmicas, uma vez que não há precedentes sobre o assunto.

No caso em comento, segundo as informações processuais, devido a contratempos nas safras de suas plantações (aparecimento de pragas e doenças) associados à queda nos preços das commodities e a alta do dólar, o citado produtor se viu impossibilitado de honrar seus compromissos financeiros, motivo pelo qual requereu na justiça a renegociação de suas dívidas por meio do processo de recuperação judicial.

Tão vulnerável quanto os demais empreendedores, o produtor rural sofre os efeitos da instabilidade econômica e, muitas vezes, encontra-se endividado, sem a possiblidade de gerar lucro suficiente para fazer o custeio das obrigações, como pagar impostos e manter compromissos com fornecedores e funcionários.

Entretanto, enquanto mencionado pedido encontra-se pendente de análise definitiva,  de maneira inédita, ele conseguiu a concessão de uma liminar para fins de suspender quaisquer atos constritivos e expropriatórios de seus bens, sob a fundamentação de que “o prosseguimento das ações em curso contra o requerente, algumas com determinação de atos constritivos e expropriatórios, arresto de bens, remoção de ativos, entre outros, poderá causar danos insuscetíveis de reparação na hipótese de não deferimento da tutela cautelar e tornar inócua eventual decisão favorável no recurso especial".

Tão vulnerável quanto os demais empreendedores, o produtor rural sofre os efeitos da instabilidade econômica e, muitas vezes, encontra-se endividado, sem a possiblidade de gerar lucro suficiente para fazer o custeio das obrigações, como pagar impostos e manter compromissos com fornecedores e funcionários.

Nessa hipótese, a possiblidade da negociação de ações que podem evitar a falência, beneficia e interessa todas as partes envolvidas. Em última instância, é desse produtor que provêm os alimentos que estão nas nossas mesas cotidianamente.

É preciso compreender a importância do produtor rural, bem como a aplicação e atualização das normativas jurídicas para garantir a isonomia, a segurança jurídica e a boa aplicação do Direito.

Trata-se de um trabalho que sustenta o Brasil como uma atividade primária da economia nacional; garante a supremacia do Brasil no mercado internacional; produz os alimentos, roupas, combustíveis, móveis que utilizamos; gera emprego, entre tantos outros fatores que fundamentam a postura do STJ no auxílio da aplicação das normas jurídicas para que o Brasil e as famílias possam se desenvolver dignamente.

Ana Lacerda é advogada do escritório Advocacia Lacerda e escreve exclusivamente nesta coluna às quartas-feiras. E-mail: analacerda@advocacialacerda.com. Site: www.advocacialacerda.com

Postar um novo comentário

Contrato para tocar eventos do TCE

O presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Guilherme Maluf, fechou um contrato anual com a Infortouch Agência e Comunicação, Eventos e Produtos Alimentícios, aproveitando ata de registro de preços  do Tribunal de Justiça de MT, com adesão-carona num processo de 2019. A empresa vai faturar R$ 376,9 mil para atender demandas do TCE em toda logística de eventos, envolvendo as etapas de planejamento,...

Ação de promotor e volta de restrições

Adalberto Ferreira   O promotor de Justiça Adalberto Ferreira garante que prefeito de Juscimeira Moisés dos Santos não havia editado nenhum decreto endurecendo as regras de restrições à pandemia do coronavírus antes do MPE propor ação na Justiça. Ao falar sobre nota publicada...

Oséas agora está nas mãos de Abílio

oseas machado 400 curtinha   Oséas Machado (foto) conseguiu derrubar Abílio Júnior, a quem denunciou por quebra de decoro parlamentar, e assumiu a cadeira deste na Câmara da Capital. Agora, o cassado se articula para dar o troco. O problema é que ambos estão no PSC. Oséas quer buscar a...

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.