TRÁFICO DE LUXO

Quinta-Feira, 05 de Março de 2020, 07h:03 | Atualizado: 06/03/2020, 14h:41

Como funciona

Esquema de drogas delivery tem 10 mil clientes na Grande Cuiabá; maioria da elite

Políticos, membros do Judiciário, filhos de autoridades policiais fazem parte dessa clientela seleta de tráfico

Reprodução

Drogas sint�ticas - vendidas na Grande Cuiab�

Esquema delivery caiu no gosto dos clientes de alto poder aquisitivo por ser rápido, cômodo e discreto. Na maioria das vezes, clientes pedem pelo celular

Políticos, colunistas sociais, autoridades do Poder Judiciário, filhos de delegados, empresários, advogados, médicos e até jornalistas estão entre os mais de 10 mil adeptos à nova modalidade de compra de drogas, o "Tráfico Delivery". Atualmente, segundo apuração do site , a distribuição do entorpecente, especialmente a sintética, é feita em domicílio, na casa do comprador, no trabalho e em boates.

A entrega funciona tão bem, que chega a ser mais rápida do que a chegada de uma pizza pedida por aplicativo.  Para conhecer este esquema de perto, a reportagem foi a fundo nesse “novo negócio” e mostra, em detalhes, como funcionam as entregas de drogas na Grande Cuiabá.

O esquema, que vem se expandindo cada vez mais, caiu no gosto da elite local por conta da comodidade e, é claro, a tão famosa discrição que alta sociedade exige. Até porque, a maior parte dos pedidos ocorre por aplicativo de celular.

Justamente por essa facilidade, a comercialização delivery vem se expandindo e ganhando adeptos em todo o Estado. Os traficantes fazem entregas em baladas, casas noturnas, condomínios de luxo, cafés, shoppings centers e até repartições públicas.

Escama Colombiana (um pó considerado a droga da euforia), cocaína, maconha, LSD, Ecstasy, Loló, anfetamina e anabolizantes estão entre as preferidas, revela repórter

Para mostrar um pouco de como esse “negócio” lucrativo acontece e a estruturação da rede criminosa, a reportagem entrevistou agenciadores (traficantes), distribuidores e até clientes, que aceitaram falar, mas sem qualquer informação que possa culminar na sua identificação.

A comercialização

Cliente, agenciador, pontos de segurança, traficante e distribuidor. É exatamente nessa ordem que está organizada a pirâmide do esquema de “drogas Delivery” na Grande Cuiabá. Todo esse pessoal se organiza para fazer chegar aos clientes entorpecentes, como a Escama Colombiana (um pó considerado a droga da euforia), cocaína, maconha, LSD, Ecstasy, Loló, anfetamina e anabolizantes.

A entrega propriamente dita é realizada geralmente por motoristas de aplicativo que são contratados por membros da organização para fazer esse tipo de trabalho extra. Estas pessoas entregam a droga em qualquer lugar e no horário determinado pelo cliente.  

Durante quatro meses, a reportagem observou a movimentação e a conversa de membros do esquema em baladas e casas noturnas da Grande Cuiabá e presenciou a compra de drogas sintéticas nesses locais.

Uma das substâncias ilícitas mais procuradas nestes ambientes são comprimidos de Ectasy, que ganharam nomes mais atrativos como “Tomorrowland” ou Ikea verde. Eles são os mais vendidos nas baladas. Muitas vezes, esses comprimidos são colocados em bebidas pela própria pessoa ou por terceiros, que os consomem normalmente.  

As regras

Em uma balada, a movimentação é grande, mas para conseguir uma determinada droga não é tão simples e o comprador precisa seguir alguns passos, respeitando a hierarquia do esquema. Inicialmente, para ter acesso a um revendedor, o cliente precisa ser apresentado a ele por agenciador.

Em seguida, mesmo em um camarote em plena meia-noite, é necessário que um “ponto de segurança” (outro participante do esquema), confirme a sua indicação para garantir que o “novo cliente” é de estrema confiança e não vai entregar o grupo à polícia.

O próximo passo trata-se da transferência do dinheiro. Na maior parte das vezes, o pagamento ocorre via aplicativo de banco, ainda dentro da boate. Tudo acontece em menos de 30 minutos. Para facilitar, o traficante tem conta em todos os bancos, as vezes no próprio nome, ou de terceiros para receber os pagamentos.

Alguns pagam o valor em espécie ao entregador, que está na festa e faz a entrega de forma discreta.

O mercado

 É como ligar um aparelho de 110 volts em uma tomada de 220. Esse é o efeito da cocaína com alto teor de pureza quando cai na corrente sanguínea

Cliente

Pelo menos 200 traficantes, com uma cartela ampla de clientes, atuam de forma autônoma no mercado. Apenas 15% deles são faccionados ao Comando Vermelho. Sendo oficialmente o fornecedor de cocaína em Mato Grosso, o CV é o distribuir do pó. 

Isso tem razão de ser. O Comando Vermelho, apesar de ser o maior fornecedor de cocaína de Mato Grosso, distribui o pó, que possui apenas 85% de pureza e não agrada o tipo de clientes que compram a droga delivery, que é “louco” pela chamada “escama colombiana”, cocaína com alto teor de pureza. “É como ligar um aparelho de 110 volts em uma tomada de 220. Esse é o efeito da cocaína com alto teor de pureza quando cai na corrente sanguínea”, explica um cliente.

Os distribuidores dessa “iguaria” têm um forte esquema de busca do material para conseguir atender os 300 clientes que procuram pela droga de primeira.  De olho em um mercado em expansão, traficantes atendem a demanda e chegam a faturar R$ 120 por cada grama de pó comercializado.

Já a Maconha conta atualmente com 50 distribuidores que levam o produto de carro ou moto até onde a pessoa precisar. Em alguns casos, inclusive, tem gente que pede o material para ser entregue no trabalho ou em ruas pouco movimentadas.  A quantidade de cliente, não é possível estipular, uma vez que é o produto que mais se vende.

Postar um novo comentário

Comentários (16)

  • DIOGO | Sexta-Feira, 06 de Março de 2020, 17h50
    1
    0

    Bela reportagem. Teremos sequencia?

  • lucas | Sexta-Feira, 06 de Março de 2020, 15h07
    2
    0

    eu recebo mas a qualidade caiu nos ultimos tempos!

  • Aminadabe | Sexta-Feira, 06 de Março de 2020, 15h06
    3
    2

    Nem querem mais ir na periferia para nem verem os danos que o tráfico de entorpecentes causam na sociedade, sou a favor que libere tudo essas drogas mas que o Estado discipline firmemente contraventores que hoje se fantasiam de doentes pobres coitados vulgo "usuario".

  • Felipe Matos | Sexta-Feira, 06 de Março de 2020, 09h23
    11
    2

    Como diz o presidente dessa gente, bandido bom é bandido morto. Então já pode mandar para o paredão, essa elite criminosa, corrupta e drogada. Cada droga que os filhinhos de papai compram pelo aplicativo, é um filho de pobre que morre na periferia.

  • Coringa | Quinta-Feira, 05 de Março de 2020, 21h07
    1
    2

    Complicado que tem um pessoal misturando anthrax nessas coisas em alguns lugares. Para quem não sabe o anthrax é uma bactéria (Bacillus anthracis) de ação rápida e altamente mortífera. A infecção acontece em contato ou inalação do pó branco do veneno.

  • Rodrigo Sensato | Quinta-Feira, 05 de Março de 2020, 19h39
    10
    4

    Vamos aos fatos: No Brasil encontra-se droga em qualquer esquina. Não há surpresa na reportagem. A lei de drogas adotada no pais não funciona nao é de hoje.Provavelmente muita gente grauda e engravatada, que defendem a politica atual, devem lucrar nesse mercado negro. A sociedade tem que se convencer, que para travar tal discussao, deve despir-se de ideologias e paixoes religiosas, e pesar os custos e beneficios adotarmos uma politica diferente da atual. Devemos seguir exemplos de sucesso como Estados Unidos, Canada, Hollanda e o Uruguai, que com a liberação da canabis, conseguiram sufucar o narcotrafico e arrecadar dinheiro, que anteriormente iriam pro mercado negro, e agora pode ser usados para investimento do governo.

  • naldo | Quinta-Feira, 05 de Março de 2020, 18h10
    8
    12

    Enquanto os esquerdopatas consomem pão com mortadela, os filhinhos de papai e o gado são abastecidos com drogas ilícitas e wiski!

  • Alemonstro | Quinta-Feira, 05 de Março de 2020, 17h11
    1
    0

    Alemonstro, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Alemonstro | Quinta-Feira, 05 de Março de 2020, 17h11
    0
    2

    Alemonstro, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Alemonstro | Quinta-Feira, 05 de Março de 2020, 17h09
    0
    1

    Alemonstro, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

PL quer suspender dívidas das cidades

max russi curtinha 400   Ex-prefeito de Jaciara, o deputado Max Russi (PSB) apresentou projeto que visa suspender os pagamentos das dívidas dos municípios com o Estado, durante o período de calamidade pública que foi decretado pelo governo por causa da pandemia do coronavírus. Max ressalta que MT não deve...

Articulação pra tentar voltar ao Procon

gisela simona 400 curtinha   Com adiamento e ainda sem nova data para a eleição suplementar ao Senado, Gisela Simona (Pros), que se afastou do Executivo para concorrer ao pleito, quer retornar ao cargo de secretária-adjunta de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon), vinculado à secretaria...

Senadora, ataques e defesa de Galvan

selma arruda 400 curtinha   Selma Arruda, senadora cassada por crimes eleitorais, um deles caixa 2, escreveu artigo entitulado "MP x Aprosoja. Afinal, quem tem razão", especialmente para defender o aliado político Antonio Galvan, presidente da Aprosoja. Ao concordar com plantio de soja dentro de período proibido pela...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.