DESENVOLVIMENTO EM TRILHOS

Sexta-Feira, 28 de Março de 2014, 07h:10 | Atualizado: 28/03/2014, 11h:37

MT tem extensão continental e maior terminal, mas tem 700 km de trilhos

cada trem geralmente possui 80 vagões. Isso significa que cada um equivale a 160 carretas


Reportagem Especial

.

mapa_ferrovia

 Juntos, terminais de MT têm capacidade para 135 mil toneladas. Trilhos passam por 4 cidades e construção dos trilhos até Cuiabá ainda é uma incógnita

Uma ferrovia tem que ser desenhada para integrar os povos e precisa ser de interesse público, realmente proporcionar dividendos para os cidadãos. Afinal, o trem carrega desenvolvimento. A avaliação é de Francisco Vuolo (PP), presidente do Fórum Pró-Ferrovia em Cuiabá e ex-secretário estadual de Logística. Segundo ele, apesar de ser uma luta de quase 40 anos, que iniciou com o ex-senador Vicente Vuolo (já falecido), a ferrovia em Mato Grosso ainda é muito tímida, com apenas 700 quilômetros que nem chegam a Cuiabá.

Mas, de acordo ele, essa realidade irá mudar em breve, pois o avanço dos trilhos até a Capital e até Santarém (PA) já está encaminhado e esperando a apresentação dos estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental, a serem apresentados em abril. Além disso, há a pressão dos produtores no governo federal para que aconteça a construção de outras linhas, como a Ferrovia de Integração Centro-Oeste (FICO), que tem planos de passar pelo Estado de Leste a Oeste.

O Estado, por enquanto, tem quatro terminais: Alto Taquari, Alto Araguaia, Itiquira e Rondonópolis, todos administrados pela América Latina Logística (ALL), que tem a concessão na região desde 2006. Hoje a ferrovia em Mato Grosso carrega apenas soja, farelo de soja e milho. Mas a expectativa é que na construção de novos trechos possa fazer transporte de pessoas e de produtos industrializados vindo de outras regiões.

Davi Valle/Rdnews

caue-all

Coordenador da ALL Cauê Martins, fala sobre o terminal

Em visita ao terminal de Rondonópolis, um complexo intermodal inaugurado em outubro, o Rdnews conheceu todo o processo do carregamento dos trens. O pátio da ALL tem espaço para até 1.200 caminhões, mas segundo Cauê Martins, coordenador gestão da empresa, a média de veículos por dia para descarregar é de 800. Os caminhoneiros fazem agendamento para o dia e são atendidos de acordo com a hora que chegam naquela data. “Apesar do agendamento, às vezes os caminhoneiros adiantam a sua viagem e chegam antes, o que acaba gerando fila na rodovia, algo que não deveria acontecer. Antes do sistema de agendamento víamos aquele congestionamento quilométrico nas estradas, o que era um problema”, comenta.

Quando chega a sua vez, o caminhão vai para um equipamento chamado tombador, neste terminal há sete. O veículo é levantado pela parte dianteira e fica inclinado, fazendo com que a soja caia por uma grade numa bacia subterrânea, onde há esteiras que enviam o produto ou para o armazenamento ou para serem colocados nos vagões dos trens. No local do carregamento dos vagões há uma máquina com um bocal que vai despejando a soja nos vagões como se eles estivessem em uma linha de montagem. Esse processo acontece sete dias por semana, 24 horas por dia. Nesse meio tempo, a produção é sempre pesada e tem a qualidade testada, pois é enviada para o porto de Santos para exportação, numa viagem de 1.700 quilômetros que dura quatro dias.

Cauê conta que cada vagão tem a capacidade de duas ou três carretas, dependendo do tamanho. E que cada trem geralmente possui 80 vagões. Isso significa que cada um equivale a 160 carretas. Em Rondonópolis, terminal de maior rotatividade, saem sete trens diariamente, o que significa menos 1.120 caminhões nas rodovias do Estado. “A carga fica mais segura, as estradas menos lotadas, o asfalto mais conservado e o custo é muito menor do que do frete rodoviário”, explica o coordenador.

Davi Valle/Rdnews

caminhao_carga

Cerca de 800 caminhões descarregam grãos no terminal de Rondonópolis, que é maior de MT

De acordo com Cauê, o terminal de Rondonópolis é o maior da América Latina e o que possui maior rotatividade. A sua capacidade estática (de armazenamento) é de 60 mil toneladas e ela gira (é reposta) diariamente. O local nasceu como uma alternativa para descongestionar as rodovias, que estavam saturadas e em más condições. Ele diz que os outros terminais mais ao sul continuam em plena atividade, mas com menos fila.

Francisco Vuolo explica que a há alguns anos, a ALL estava satisfeita apenas com os terminais de Alto Taquari e Alto Araguaia. Construir mais demandaria muito investimento, sendo que como estava já atendia a sua demanda. Não era de seu interesse continuar “subindo” Mato Grosso, mas era de interesse do governo e da população. Então, em 2007 a ALL foi pressionada a ou construir mais ou devolver ao governo federal a concessão. O presidente do fórum diz que a empresa cedeu e foi colocado no acordo um termo aditivo para garantir o avanço. Em 2012 foi inaugurado o terminal de Itiquira e em 2013 o de Rondonópolis.

O presidente do fórum ainda comenta que um Estado com essas dimensões e essa produção precisa de ferrovias integrando todas as regiões, por isso mais uma vez a ALL foi pressionada. Em 2010 fez um marco regulatório com o governo no qual diz que acima de Rondonópolis a construção volta a ser responsabilidade federal e terá um modelo de concessão diferente do que hoje é trabalhado com a ALL. “Por isso dizemos que nos próximos trechos podem vir investidores de fora. Quando prontos, os trens novos terão que passar pelos trechos da ALL pegando uma espécie de pedágio. Isso é ótimo, pois quebrou o monopólio da ALL, o que reduz preços e aumenta qualidade do serviço”, afirma.

Davi Valle

terminal_roo

Equipe do Rdnews registra as etapas que são necessárias para descarregar a produção de MT, dentro do terminal. Depois, já nos trens, segue até o porto de Santos

Galeria de Fotos

Credito: Lenine Martins
Credito: Lenine Martins
Credito: Lenine Martins
Credito: Lenine Martins
Credito: Lenine Martins
Credito: Lenine Martins
Credito: Lenine Martins
Credito: Davi Valle
Credito: Patrícia Sanches

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Thiago Stocco | Sexta-Feira, 28 de Julho de 2017, 07h27
    0
    0

    Oi meu nome é Stocco T. G. Stocco, estou indo a trabalho pra base brasileira a caracter do gn, antes disso preciso ir pro chile, passar no desrto do ataca., devo ir de trem por isto estou requistando a passagem, aguardo retorno, obrigad.

COT do Pari segue travado até 2020

padeiro_400_curtinha   A secretaria de Infraestrutura, sob Marcelo Padeiro (foto), determinou a criação de uma Comissão Técnica de Trabalhos para estudar detalhadamente o contrato e a obra do COT do Pari, que só será retomada no ano que vem. Afinal, os trabalhos de análise, seguirão até...

Nezinho, enfim, remanejado na gestão

nezinho_400_curtinha   Mesmo com reclamações sobre a maneira burocrática e os passos lentos de Nezinho (foto) no Governo, o prefeito da Capital Emanuel demorou mais de dois anos para remanejá-lo. Ex-prefeito de Livramento e amigo de longa data de Emanuel, Nezinho agora assume a Controladoria do município. No...

Natal Solidário com prêmios valiosos

francis maris 400 curtinha   O empresário e prefeito de Cáceres Francis Maris (foto) lança nesta quarta, às 14h, na Assembleia Legislativa, mais uma campanha solidária em nome do Instituto Cometa, do Grupo Cometa, com sede em Cáceres e uma das maiores concessionárias de revenda do país. Em...

Sem elevar vaga de desembargador

carlos alberto 400 curtinha   O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha (foto), até concorda com a proposta de se aumentar o número de vagas de desembargadores, podendo subir de 30 para 35, por causa da elevada demanda e da necessidade de desafogar os processos na Justiça em...

Piran e avião de R$ 6 mi via o BNDES

valdir piran 400   O Antagonista revelou hoje a lista de beneficiários de empréstimos do BNDES para a compra de jatinhos da Embraer. E nela estão banqueiros, empresários, advogados e artistas. Um deles é o empresário mato-grossense Valdir Piran (foto), que captou nada menos que R$ 6,4...

Com mestrado e pronto para o retorno

jose carlos novelli 400 curtinha   Mesmo afastado da ativa por imposição do Supremo, em meio a um processo controverso baseado em denúncias sem prova, o conselheiro do TCE-MT, José Carlos Novelli (foto), segue se aperfeiçoando e ampliando conhecimentos. Acaba de receber diploma do curso de Mestrado...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Mauro Mendes?

excelente

bom

regular

ruim

péssimo

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.