DESTROÇOS DE SUIÁ MISSU

Sexta-Feira, 18 de Abril de 2014, 07h:12 | Atualizado: 18/04/2014, 09h:46

Polêmica em torno de área começa na década de 60; dados controversos


Enviada Especial a Alto Boa Vista e São Félix do Araguaia

.

cronologia

 Questionamentos em torno da terra começam na década de 70, veja, acima, os principais pontos da história do conflito entre índios e não índios da Suiá Missu

O conflito entre não índios e índios, que culminou na polêmica desintrusão, realizada pelo governo federal em dezembro de 2012, começa em 1993, quando a área é decretada de ocupação indígena, após realização de estudo antropológico. Os primeiros capítulos desta história, no entanto, tiveram início 27 anos antes, durante a ditadura militar. Conforme moradores e o livro “Desordem e Retrocesso”, os índios Xavantes foram retirados da região pela própria União. Garantem, entretanto, que os indígenas nunca moraram na fazenda Suiá Missú, mas nas redondezas. 

À época, as terras, que se transformaram no Posto da Mata, eram de propriedade de Aristoldo da Riva, que se “propôs a titularizar e legalizar os poucos posseiros que havia na região”, diz o livro. O autor, Calixto Guimarães, assegura ainda que, antes disso, os índios perambulavam ao longo do rio das Mortes, situando-se de “Ribeirão Cascalheira à foz do rio Tapirapé com o rio Araguaia”. Assim, segundo ele, viviam no Cerrado e nunca na mata.

Davi Valle

Calixto Guimarães

Calixto Guimarães garante que não haviam índios nas terras

Cita também a existência de intensos conflitos entre os pioneiros do Araguaia e os índios. Diante da situação, os Xavantes buscariam ajuda na fazenda Suiá Missu. “Acuados como bichos do mato, os indígenas buscavam comida e segurança junto à fazenda, na figura de Dário Carneiro, contador da fazenda, que se entendia bem com eles, dando-lhes guarida, roupas, comida e remédios, até que as negociações entre a Missão Salesiana, Funai e o governo permitiram que fossem transferidos, em agosto de 1966, nos aviões da FAB”. Segundo Calixto, cerca de 200 pessoas foram levadas para a missão de São Marcos.

Posteriormente, a área passou a ser da empresa italiana AgipPetroli que, após ser notificada sobre a possibilidade das terras terem sido povoadas por índios, autorizou realização de um estudo antropológico. Em 1992, durante a Eco 92 , o presidente da AgipPetroli, Pasquale De Vitta (já falecido), se comprometeu a devolver as áreas. No mesmo período, a fazenda Suiá Missu é ocupada e começa a ser loteada e vendida.

.

Há versões confusas sobre o que ocorreu neste momento. Ex-moradores garantem que a área começou a ser vendida. O Ministério Público Federal, por sua vez, sustenta que eles, sabendo que a área seria devolvida aos índios, invadiram as terras. Questionamentos a parte, o fato é que muitos produtores têm certidões vintenárias e registros Torrens dos imóveis adquiridos. 

O fato é que no ano seguinte uma portaria declara a área indígena e, posteriormente, em 1998, o então presidente da República Fernando Henrique Cardoso homologa a reserva Maraiwãtsédé. A partir daí o que se viu foi uma longa briga jurídica, que culminou na retirada dos moradores do local, em dezembro de 2012. À época, prédios comerciais e residenciais, além de escolas e um posto de saúde foram demolidos. De acordo com a Funai, todos os 619 pontos residenciais e comerciais na área rural e no distrito de Posto da Mata verificados foram desocupados. 

Em 2011, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) chegou a suspender a desintrusão, diante da aprovação de projeto de lei da Assembleia, que propôs a permuta de Marãiwatsédé por uma área dentro do Parque Nacional do Araguaia. Apesar da iniciativa, lideranças indígenas se manifestaram contrárias à permuta. Assim, o desfecho aconteceu só em 2012, ou seja, 17 anos depois do MPF propor a ação contra os produtores, em 1995.

Sete anos antes da expulsão dos produtores, em 2005, os índios haviam sido levados para uma área próxima da cidade que, segundo a Funai, representa apenas 10% da área que os Xavantes tinham direito. No início deste ano, houve nova invasão por parte dos antigos moradores, expulsos no começo deste mês.

Galeria de Fotos

Credito:
Credito:
Credito:
Credito: Documentos comprovam compra de terras
Credito: Documentos comprovam compra de terras
Credito: Documentos comprovam compra de terras

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Padrinho político de Fabio a prefeito

mauro mendes 400 curtinha   Após se reunir com o governador Mauro Mendes (foto) na sexta (14), o suplente de senador Fabio Garcia, presidente regional do DEM, deve oficializar sua pré-candidatura à Prefeitura de Cuiabá. Fabinho quer discutir com Mauro, que é seu padrinho político, o arco de aliança e...

4 ex-prefeitos se juntam em Chapada

gilberto mello 400 curtinha   Considerado nome mais forte da oposição, Gilberto Mello (foto), do PL, lançou sua pré-candidatura à sucessão em Chapada dos Guimarães com apoio de nada menos que três ex-prefeitos, fora ele próprio, que administrou o município entre 2005 e 2008....

Contrato em VG sob irregularidades

jaqueline jacobsen curtinha 400   O TCE mandou a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos, suspender qualquer pagamento à empresa Lidyfarma Comércio de Produtos Farmacêuticos referente a um contrato sem licitação para compra de 50 mil comprimidos de Azitromincina 500 mg para combate ao coronavírus....

Fabio deve mesmo tentar prefeitura

fabio garcia 400 curtinha   O DEM do governador Mauro aposta todas as fichas na candidatura do empresário Fábio Garcia (foto) a prefeito de Cuiabá. Até sexta ele deve responder "sim" ao partido. Fabinho, como é conhecido, é um dos integrantes do núcleo de confiança do governador. Inclusive foi...

No marketing de Pivetta para Senado

bruno bini 400 curtinha   O cineasta e publicitário Bruno Bini (foto) deve comandar o marketing da campanha ao Senado do vice-governador Otaviano Pivetta. As negociações estão praticamente fechadas. Antes da pandemia, em fevereiro, Pivetta estava em negociação com Antero de Barros. A última campanha...

Jogada de vereador pra conseguir vice

thiago muniz 400 curtinha   O vereador de 2º mandato Thiago Muniz (foto), primo do ex-prefeito Percival, resolveu se lançar pré-candidato a prefeito de Rondonópolis pelo DEM como estratégia para manter o nome nas discussões majoritárias e na esperança de ser convidado para vice de alguém....

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.