Judiciário

Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019, 08h:45 | Atualizado: 19/11/2019, 18h:32

1ª VOTAÇÃO

AL aprova reajuste e custos de recursos no TJ podem aumentar em até 112% - veja

Rodinei Crescêncio

custas judiciais

A Assembleia aprovou na semana passada, em primeira votação, um projeto de lei enviado pelo Judiciário para reajustar custas pagas por cidadãos e advogados que utilizam os serviços judiciais no Estado.

A tendência é que a proposta seja apreciada em segunda votação nesta terça (19). O maior aumento percentual é para entrar com agravo de instrumento no Tribunal de Justiça: 112% - veja tabela.

Algumas das taxas cobradas têm previsão de aumento, há taxas não previstas na tabela anterior que constam no novo documento e outras que tiveram valores reduzidos.

O projeto visa alterar a lei 7.603, de 27 de dezembro de 2001. Foi aprovada ainda uma alteração no artigo 10 da lei, prevendo que as custas e despesas deverão ser atualizadas anualmente no mês de agosto pelo INPC ou outro índice do IBGE que venha a substituí-lo.

Deve haver segunda votação na Assembleia, possivelmente hoje.

A tabela mais recente é de março de 2018, assinada pela então corregedora-geral de Justiça, desembargadora Maria Aparecida Ribeiro.

Se comparados os valores contidos na proposta encaminhada pelo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, com a tabela anterior, o agravo de instrumento é o ato judicial dos magistrados que deve ter o maior aumento percentual. Atualmente em R$ 155,88, esse tipo de recurso pode passar a custar R$ 330,72, ou 112% a mais.

Recursos oriundos da primeira instância custam R$ 375,89, para qualquer processo, e podem passar a custar R$ 413,40 em causas de até R$ 41.343,13. Para valores acima disso, o custo cobrado deverá ser de 3% sobre o valor da causa, com limite de R$ 87.895,00.

A correição parcial não consta na tabela de 2018, mas foi incluída na nova proposta com custo de R$ 330,72.

O serviço de certidão com busca na secretaria do Tribunal de Justiça tem previsão de redução no valor cobrado. A busca de até um ano custa R$ 39,38 e deve passar para R$19,69. Acima de um ano, hoje são cobrados R$ 5,43 por ano e o projeto prevê a diminuição para R$ 2,71 por ano, até R$ 91,11.

Primeira instância

Também estão previstas mudanças nas custas da primeira instância. Ações em geral com valor até R$ 43.343,13 custam R$ 413,40 e continuarão neste patamar. Acima desse valor, a cobrança de 1% atual deverá passar para 2%, até o limite de R$ 87.895,00.

Cumprimento de sentença e correição parcial também não estavam na tabela anterior da primeira instância e estão na nova com R$ 413,40 e R$ 330,72, respectivamente.

Cartas precatórias, rogatórias e de ordem, diligências externas de juiz, certidões de busca, habilitação de impugnação de crédito e outras cobranças devem ter seus valores mantidos pela nova tabela.

Na justificativa encaminhada ao Legislativo, o presidente do TJ citou que as taxas necessitam ser readequadas em razão de processo julgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF), que estabeleceu limite de 2% a 4% de reajuste para as tabelas de custas judiciais do Estados.

Segundo o desembargador, houve reuniões da Corregedoria-Geral de Justiça com a OAB-MT para discutir as propostas e sugestões para construção do projeto. No documento assinado em 25 de outubro, o desembargador pede regime de urgência ou de prioridade na aprovação da lei.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Contrato para tocar eventos do TCE

O presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Guilherme Maluf, fechou um contrato anual com a Infortouch Agência e Comunicação, Eventos e Produtos Alimentícios, aproveitando ata de registro de preços  do Tribunal de Justiça de MT, com adesão-carona num processo de 2019. A empresa vai faturar R$ 376,9 mil para atender demandas do TCE em toda logística de eventos, envolvendo as etapas de planejamento,...

Ação de promotor e volta de restrições

Adalberto Ferreira   O promotor de Justiça Adalberto Ferreira garante que prefeito de Juscimeira Moisés dos Santos não havia editado nenhum decreto endurecendo as regras de restrições à pandemia do coronavírus antes do MPE propor ação na Justiça. Ao falar sobre nota publicada...

Oséas agora está nas mãos de Abílio

oseas machado 400 curtinha   Oséas Machado (foto) conseguiu derrubar Abílio Júnior, a quem denunciou por quebra de decoro parlamentar, e assumiu a cadeira deste na Câmara da Capital. Agora, o cassado se articula para dar o troco. O problema é que ambos estão no PSC. Oséas quer buscar a...

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.