RETROSPECTIVA 2020

Quarta-Feira, 30 de Dezembro de 2020, 13h:16 | Atualizado: 05/01/2021, 10h:14

RETROSPECTIVA

Com pandemia, comércio e restaurantes se reinventam e delivery vira solução - leia

Reprodução

Retrospectiva com�rcio e restaurantes
selo_retrospectiva


De todas as projeções realizadas para 2020 pelo setor empresarial, nenhuma poderia prever o tamanho das dificuldades enfrentadas ao longo do ano com as restrições e fechamentos dos empreendimentos impostos pela pandemia do novo coronavírus.

Durante os 12 meses do ano, o comércio varejista, bem como bares e restaurantes de Cuiabá tiveram que se adaptar e se reinventar para sobreviver. Um dos carros-chefe  foi a modalidade de delivery, além da aposta nas promoções via mídias sociais.

Já setores como o hoteleiro vivenciaram dias de crise ainda maior e muitos, como restaurantes, tiveram que fechar as portas por um período. (veja abaixo).

O impacto no setor produtivo na Capital teve início logo no terceiro mês do ano quando o prefeito Emanuel Pinheiro, diante dos primeiros casos confirmados de Covid-19 e do termor de mortes pela doença, instituiu um decreto de situação de emergência que suspendeu o funcionamento de 100% do transporte coletivo, fechou lojas, restaurantes, shoppings e academias.

O primeiro decreto editado em março teve vigência até 5 de abril. Na ocasião, o chefe do Executivo municipal anunciou as medidas durante transmissão ao vivo nas redes sociais. 

A determinação previa que os estabelecimentos como restaurantes e padarias poderiam operar apenas com a opção de entrega ou retirada no local. Como, por exemplo, prontos e embalados para consumo fora do estabelecimento com distância mínima de 1,5 metro entre entregador e consumidor. Era vedado o consumo no local.

Em maio, após pressão do segmento que via o faturamento cair, com as vendas restritas a entregas, e ameaçava demitir, o prefeito editou novo decreto autorizando a reabertura de shoppings, bares e restaurantes de Cuiabá, mas com horário reduzido e capacidade entre 30% a 50% apenas.

Além disso, a reabertura exigiu readequação dos segmentos como a oferta de álcool em gel para clientes na entrada, bem como a exigência de máscara e até medição de temperatura com termômetro digital no caso de shoppings e supermercados.

Divulgação

Bares e restaurantes em Cuib�

Para salvaguardar as empresas e trabalhadores, o governo federal anunciou programa que autorizou as empresas a reduzirem, proporcionalmente, a jornada de trabalho e os salários dos empregados, além de suspenderem os contratos de trabalho temporariamente. A medida fez parte das iniciativas para evitar que as empresas demitissem durante o período da crise provocada pelo coronavírus.

Lockdown

Apesar da abertura gradual da economia partir do final de abril, em junho, a Justiça decretou o chamado lockdown, porque as cidades de Cuiabá e Várzea Grande apresentavam risco muito alto de transmissão da doença, devido ao pico de transmissão e contaminação pela Covid-19.

E os setores econômicos voltaram a ser atingidos em cheio e apenas os segmentos tidos como essenciais puderam continuar com as portas abertas.

Ficaram permitidas apenas atividades como supermercados, serviços médicos e hospitalares, empresas de segurança, telecomunicações e internet, call center, funerárias, serviços postais, postos de combustíveis, atividades religiosas, lotéricas, bancos, indústrias, obras, e outros. 

Imposição teve duração superior a um mês e seguiu até julho. Neste período, lojistas dos shoppings e comércio de rua da capital, bem como os restaurantes, puderam atender seus clientes apenas por delivery.

Somente em agosto, os segmentos econômicos começaram a experimentar a retomada e flexibilização de funcionamento, porém com regras duras de biossegurança e toque de recolher que afetou principalmente os bares e restaurantes.  Entre eles, obrigatoriedade de fornecimento do álcool em gel, distanciamento de 1,5 metros entre clientes, e em shoppings foi preciso até termômetros digitais para medição de temperatura.

Ao assinar o decreto no oitavo mês do ano, o prefeito Emanuel Pinheiro estabeleceu o retorno das atividades econômicas, garantiu a avaliação semanal da medida, implementando os ajustes necessários. Na ocasião ficou autorizado horário alternado para cada setor. 

Rodinei Crescêncio

Centro - Cal�ad�o - com�rcio de Cuiab� - especial natal

Somente a partir de novembro e dezembro que as lojas voltaram a abrir, sem ter restrições

Abertura total dos setores, com seus horários habituais, só voltou a partir de outubro, com a proximidade do final do ano.

 A gestão municipal flexibilizou o horário de funcionamentos dos shoppings centers, autorizando abertura de segunda a domingo, das 11h às 22h, liberando também aos feriados.

Em primeiro de dezembro, o funcionamento dos segmentos voltou totalmente ao normal, inclusive com ampliação de horário para o comércio (centro e shoppings) devido ao final do ano.

Mesmo podendo abrir as portas, muitos bares e restaurantes no Estado não resistiram à crise com o fechamento quase 3 meses e queda na procura devido à pandemia de Covid-19. Representantes do setor estimam que 2 mil empresas continuem com as portas fechadas e as demissões podem passar de 10 mil trabalhadores após o fim de 2020.

Empresários ainda acreditam que a crise ainda pode se agravar e nos próximos meses a estimativa é que 8 mil fechem e o setor aparece como o mais atingido pela recessão. 

Hotéis fecham as portas

A exemplo de outros setores econômicos, em março, diante das restrições ocasionadas pelo avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Estado, metade da rede de hotéis de Mato Grosso optou por encerrar às atividades por algum tempo. Isso porque, até 90% das reservas foram canceladas devido ao período de isolamento social necessário para contenção da doença. O mais recente em aderir a esta prática foi o Hotel Deville Prime Cuiabá que por meio de nota, informou que suspendeu temporariamente os serviços de hotelaria, mas abriu novamento dia 12 de junho.

Dayanne Dallicanni

Fachada hotel fechado - pandemia - covid 19

A maioria tomou a decisão porque as pessoas estavam impedidas de viajar, fazer negócios, ou participar de reuniões, consequentemente se hospedar em hotéis.

Algumas redes só reabriram as portas em maio, dois meses após o fechamento, mesmo assim com baixa ocupação. Um dos exemplos foram o Paiaguás Palace Hotel, em Cuiabá, e o Pantanal Mato Grosso Hotel, na Transpantaneira, em Poconé.

O grupo suspendeu temporariamente as atividades de alguns hotéis, seguindo as recomendações dos órgãos oficiais e de saúde, em virtude da Covid-19.

A retomada das atividades seguiu uma série de protocolos de higienização para garantir a saúde e o bem estar de hóspedes e colaboradores. Entre as obrigações estão o uso de máscaras por parte de todos os funcionários, inclusive os que não tenham contato com o público, disponibilização de álcool gel para uso dos clientes, demarcações para promover o distanciamento entre as pessoas e intensificação do serviço de governança quanto à higienização dos quartos e banheiros.

Alguns hotéis tiveram que criaram alternativas para atrair turistas, principalmente unidades de ecoturismo e apostar em pacotes especiais, opção que se estendeu por todo ano de 2020. O fluxo de visitantes e reservas só teve melhora entre novembro e dezembro.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Apelo dramático da Santa Casa de ROO

bianca talita 400 santa casa roo   A superintendente da Santa Casa de Rondonópolis, Bianca Talita (foto), fez um apelo dramático nesta terça, num grupo de WhatsApp, esperando sensibilizar o prefeito Zé do Pátio a repassar com urgência os recursos que estão repressados no Fundo Municipal de...

Emendas para todos os 24 deputados

Max 400 curtinha   O presidente da Assembleia, Max Russi (foto), em visita ao Grupo Rdnews, quando concedeu entrevista ao portal e à tv web Rdtv, defendeu as emendas impositivas, que são indicadas pelos deputados e pagas pelo governo, via orçamento. Lembra que são instrumentos importantes para fazer com que obras e...

Deputado defende cultos com até 600

sebastiao rezende 400   Num momento em que a segunda onda de contaminação pelo novo coronavírus avança em MT, levando o governo a retomar medidas restritivas para evitar colapso, já que cerca de 90% das UTIs estão lotadas, o deputado Sebastião Rezende (foto), da Igreja Assembleia de Deus, teve a...

"Batida" em apresentador por engano

ricardo martins 400   Durante a dupla operação deflagrada pela PF nesta terça em alguns municípios de MT, entre eles Cuiabá, agentes federais, por um equívoco no cumprimento de mandados, acabou batendo na porta do apresentador da TV Cidade Verde, Ricardo Martins (foto), que não tem a ver com o caso....

Paccola é cotado para diretor-geral

gianmarco paccola 400   O discreto e atuante delegado Gianmarco Paccola (foto), hoje diretor-geral-adjunto da Civil, já desponta nos bastidores como nome preferencial do Palácio Paiaguás para eventual substituição a Mário Demerval, que deve mesmo deixar o posto de diretor-geral para disputar as...

Luta pra isentar parte dos aposentados

eduardo botelho 400 curtinha   Primeiro-secretário da Assembleia, Eduardo Botelho (foto) disse que foi criada espécie de força-tarefa dos deputados para fechar um acordo com o governo, de modo a ajudar aposentados e pensionistas e portadores de doenças raras para isenção do pagamento da alíquota da...