Judiciário

Sexta-Feira, 14 de Junho de 2019, 11h:42 | Atualizado: 14/06/2019, 18h:12

Governo diz que tem até 2020 para se enquadrar na LRF e reitera pedido no STF

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) reiterou o pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a secretaria do Tesouro Nacional (STN) não impeça a concessão de garantia a um empréstimo do governo de US$ 250 milhões junto ao Banco Mundial. A Advocacia-Geral da União (AGU) havia se posicionado contrária ao pedido do Governo do Estado na semana passada.

Mídia News

procurador-geral do Estado, Francisco de Assis da Silva Lopes

Procurador-geral do Estado Francisco de Assis da Silva Lopes assina pedido no Supremo

O Estado estaria desobedecendo a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) em relação ao percentual gasto com despesas de pessoal. O objetivo do governo é renegociar a dívida com o Bank of America, vendendo-a para o Banco Mundial. A próxima parcela da dívida com o banco americano vence em setembro, no valor de US$ 38,8 de dólares, ou R$ 150 milhões na cotação desta sexta (14).

O pedido é assinado pelo procurador-geral do Estado, Francisco de Assis da Silva Lopes, e pelo subprocurador-geral dos tribunais superiores, Lucas Schwinden Dallamico e está sob relatoria da ministra Rosa Weber.

A PGE argumenta que o Estado está dentro do prazo previsto para enquadramento dos limites de despesa com pessoal estabelecido pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) em novembro do ano passado. O TCE voltou utilizar o mesmo entendimento da STN para incluir gastos com imposto de renda e os duodécimos da Defensoria Pública no cálculo da LRF, mas modulou os efeitos, exigindo o cumprimento do percentual apenas a partir de 2020.

“Ora, se o Tribunal de Contas do Estado certificou a adequação dos limites de gasto com pessoal até o último quadrimestre de 2018, afigura-se indubitável que o Estado de Mato Grosso possui a justa expectativa de enquadrar a sua situação jurídica à luz do entendimento de sua Corte de Contas”, diz o documento.

O governo ainda citou o decreto de calamidade financeira aprovado pelo Assembleia em janeiro, com validade de 180 dias. A AGU havia questionado este ponto sob o argumento de que a LRF prevê apenas calamidade pública, como desastres naturais. Para a PGE, a LRF não traz expressamente a decretação estado de calamidade apenas por desastres.

“A interpretação levada a efeito pela União, no sentido de que calamidade decorreria somente de situação anormal provocada por desastre, tornaria letra morta o caput do artigo 65, na medida em que tal calamidade possibilita a decretação de Estado de Defesa (artigo 136 da Constituição Federal), que encontra previsão no seu parágrafo único”, afirma a PGE.

O governo ainda argumenta que não se trata de uma nova dívida, mas apenas a renegociação de uma anterior. O empréstimo foi feito pelo ex-governador Silval Barbosa, em 2012, com o Bank of America para renegociar a dívida com a União e permitir empréstimos com bancos nacionais para financiar obras da Copa do Mundo de 2014 e outras de infraestrutura no Estado. No contrato, porém, não há gatilho que limite o valor da dívida em relação à cotação do dólar.

Com a aproximação da parcela de setembro, o governo pediu urgência no julgamento do pedido no STF. A PGE lembrou que o procedimento de assinatura do contrato com o Banco Mundial ainda deve ser precedido por outras sete etapas, entre elas o parecer da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional a respeito dos limites e condições da operação, encaminhamento à Presidência da República, ao Senado Federal, entre outras.

“Os argumentos tecidos pela União, nesse contexto, não condizem com a estrutura federal de Estado adotada pela Constituição de 1988, notadamente com o federalismo cooperativo por ela eleito. Representam, ademais, completo menoscabo à autonomia do Estado de Mato Grosso e constituem mais um triste capítulo da sanha centralizadora que assola nosso país”, avalia o governo na ação.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Voto a favor e agora contra Congresso

jose medeiros 400 curtinha   O pitbull do governo Bolsonaro, deputado José Medeiros (foto), está pegando carona num protesto, marcado para 15 de março, onde não deveria porque os seus atos não correspondem ao discurso. Medeiros foi um dos parlamentares que aprovaram o orçamento impositivo de R$ 30...

Pátio, "chororô" e chance de reeleição

ze do patio 400 curtinha   Em Rondonópolis, o prefeito Zé do Pátio (foto), com seu estilo populista, adotou a estratégia de se passar por vítima dos grupos políticos. Leva sempre a mensagem para as massas de que é um prefeito rejeitado pela elite política pelo simples fato de estar apoiando os...

Taques nem aí para colegas tucanos

pedro taques 400 curtinha   Caiu a ficha, enfim, da cúpula do PSDB em MT sobre o jogo de cena de Pedro Taques (foto). Os tucanos esperaram até ontem para ver se o ex-governador iria ao partido se pronunciar sobre eventual pretensão em disputar o Senado. Taques deu de ombros para os colegas de partido, que lançaram hoje,...

Campos e tese sobre vice de Emanuel

joacelestino_curtinha_400   Depois de uma reunião na segunda passada, na casa do prefeito Emanuel, com pré-candidatos ao Senado, entre eles, Leitão, Neri, Max, Júlio e Jayme, ficaram conversando de forma reservada o prefeito de Cuiabá e os irmãos Campos. Ali, finalizaram um acordo de cavalheiros para que o...

Recuo do DEM e agora no Republicano

gabriel guilherme 400 curtinha   O DEM terá de excluir da lista de pré-candidatos a vereador pela Capital o nome do jovem Gabriel Guilherme (foto), de 22 anos. Ele optou por se filiar ao Republicano. Lotado na Assembleia como assistente da Secretaria de Orçamento e Finanças e filho do ortopedista Paulo Fonseca...

Galvan vai deixar PDT e ir pra o PRTB

antonio galvan 400 curtinha   Embora não tenha perdido de vistas o Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado por Bolsonaro, Antonio Galvan (foto), presidente da Aprosoja e que acabou levado à frigideira dentro do PDT em meio ao embate por tentativa de candidatura ao Senado, se mostra disposto a ingressar no...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.