Judiciário

Sexta-Feira, 14 de Junho de 2019, 11h:42 | Atualizado: 14/06/2019, 18h:12

Governo diz que tem até 2020 para se enquadrar na LRF e reitera pedido no STF

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) reiterou o pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a secretaria do Tesouro Nacional (STN) não impeça a concessão de garantia a um empréstimo do governo de US$ 250 milhões junto ao Banco Mundial. A Advocacia-Geral da União (AGU) havia se posicionado contrária ao pedido do Governo do Estado na semana passada.

Mídia News

procurador-geral do Estado, Francisco de Assis da Silva Lopes

Procurador-geral do Estado Francisco de Assis da Silva Lopes assina pedido no Supremo

O Estado estaria desobedecendo a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) em relação ao percentual gasto com despesas de pessoal. O objetivo do governo é renegociar a dívida com o Bank of America, vendendo-a para o Banco Mundial. A próxima parcela da dívida com o banco americano vence em setembro, no valor de US$ 38,8 de dólares, ou R$ 150 milhões na cotação desta sexta (14).

O pedido é assinado pelo procurador-geral do Estado, Francisco de Assis da Silva Lopes, e pelo subprocurador-geral dos tribunais superiores, Lucas Schwinden Dallamico e está sob relatoria da ministra Rosa Weber.

A PGE argumenta que o Estado está dentro do prazo previsto para enquadramento dos limites de despesa com pessoal estabelecido pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) em novembro do ano passado. O TCE voltou utilizar o mesmo entendimento da STN para incluir gastos com imposto de renda e os duodécimos da Defensoria Pública no cálculo da LRF, mas modulou os efeitos, exigindo o cumprimento do percentual apenas a partir de 2020.

“Ora, se o Tribunal de Contas do Estado certificou a adequação dos limites de gasto com pessoal até o último quadrimestre de 2018, afigura-se indubitável que o Estado de Mato Grosso possui a justa expectativa de enquadrar a sua situação jurídica à luz do entendimento de sua Corte de Contas”, diz o documento.

O governo ainda citou o decreto de calamidade financeira aprovado pelo Assembleia em janeiro, com validade de 180 dias. A AGU havia questionado este ponto sob o argumento de que a LRF prevê apenas calamidade pública, como desastres naturais. Para a PGE, a LRF não traz expressamente a decretação estado de calamidade apenas por desastres.

“A interpretação levada a efeito pela União, no sentido de que calamidade decorreria somente de situação anormal provocada por desastre, tornaria letra morta o caput do artigo 65, na medida em que tal calamidade possibilita a decretação de Estado de Defesa (artigo 136 da Constituição Federal), que encontra previsão no seu parágrafo único”, afirma a PGE.

O governo ainda argumenta que não se trata de uma nova dívida, mas apenas a renegociação de uma anterior. O empréstimo foi feito pelo ex-governador Silval Barbosa, em 2012, com o Bank of America para renegociar a dívida com a União e permitir empréstimos com bancos nacionais para financiar obras da Copa do Mundo de 2014 e outras de infraestrutura no Estado. No contrato, porém, não há gatilho que limite o valor da dívida em relação à cotação do dólar.

Com a aproximação da parcela de setembro, o governo pediu urgência no julgamento do pedido no STF. A PGE lembrou que o procedimento de assinatura do contrato com o Banco Mundial ainda deve ser precedido por outras sete etapas, entre elas o parecer da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional a respeito dos limites e condições da operação, encaminhamento à Presidência da República, ao Senado Federal, entre outras.

“Os argumentos tecidos pela União, nesse contexto, não condizem com a estrutura federal de Estado adotada pela Constituição de 1988, notadamente com o federalismo cooperativo por ela eleito. Representam, ademais, completo menoscabo à autonomia do Estado de Mato Grosso e constituem mais um triste capítulo da sanha centralizadora que assola nosso país”, avalia o governo na ação.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

DEM consulta sobre regras ao Senado

julio campos 400 curtinha   Atendendo orientação da Nacional do DEM, na luta para ampliar bancada no Congresso, o diretório regional do partido vai apostar todas as fichas na disputa suplementar ao Senado. E, antes de avançar na definição de nome, o partido decidiu encaminhar consulta ao TSE para saber se...

Expediente suspenso e posse no TCE

guilherme maluf 400 curtinha   O expediente no TCE-MT será suspenso na segunda, a partir das 12 horas. É que às 15 horas acontece a sessão especial na Escola Superior de Contas, marcando a posse de Guilherme Maluf (foto) na presidência do órgão fiscalizador. O hoje presidente Domingos Neto passa ao...

Túlio, desgaste e disputa em Cáceres

tulio 400 caceres   Derrotado a deputado estadual duas vezes, a última em 2018, Túlio Fontes (foto) não sustenta mais o que declarou há três meses, quando anunciou que ficaria de fora da corrida à Prefeitura de Cáceres. Mesmo tendo abandonado o município por um bom tempo, desde quando concluiu...

Disputa em Sinop e vaga na Câmara

juarez costa 400 curtinha   O deputado federal Juarez Costa (foto) tem espalhado que será candidato a prefeito de Sinop, posto já ocupado por ele por dois mandatos. No fundo, o emedebista espera que Rosana Martinelli (PL), que foi sua vice e depois se elegeu prefeita nas urnas de 2016, desista do projeto de reeleição...

Francis forçando a barra ao Senado

francis maris 400 curtinha   Francis Maris (foto), empresário e prefeito de Cáceres, é mesmo corajoso. Ele anunciou que vai reunir colegas prefeitos da região Oeste para discutir a ideia de entrar na disputa ao Senado, na eleição suplementar para a vaga de Selma, cassada esta semana. Francis se acha "o...

Sindal repudia postura de "indicado"

O presidente do Sindal Jovanildo da Silva se diz traído por Osmar Capilé, representante dos segurados da AL e que exerce cargo de diretor dos Aposentados, que votou favorável a nova alíquota de 14% no Conselho da Previdência. O apoio ao aumento da cobrança gerou revolta entre os servidores do Legislativo, que partiram para cima de Jovanildo cobrando explicações. Em nota de repúdio, o sindicato, que o indicou como representante no...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.