Judiciário

Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 11h:50 | Atualizado: 16/09/2020, 18h:33

MORTE NO ALPHAVILLE

TJ diz que liberdade e presunção de inocência são regra ao soltar atiradora

Ao acatar o habeas corpus da defesa da adolescente B. de O. C., o desembargador Rui Ramos Ribeiro destacou que a liberdade e a presunção da inocência são a regra do processo judicial. O magistrado afirmou que a gravidade do ato infracional análogo a crime imputado à garota no homicídio de Isabele Guimarães não seria suficiente para justificar sua apreensão.

Gilberto Leite

EleicaoTJ-Ruiramos

O desembargador Rui Ramos acatou pedido da defesa e deu liberdade à adolescente B.

A decisão foi dada na manhã desta quarta (16). A adolescente ficou menos 24 horas apreendia no Centro de Ressocialização Menina Moça. Foi encaminhada para a unidade ontem (15) à noite depois de decisão da juíza Cristiane Padim da Silva a pedido do Ministério Público Estadual (MPE).

No recurso ao Tribunal de Justiça, a defesa de B. afirmou que a decisão da magistrada da 2ª Vara da Infância e da Juventude se baseou em “argumentos inidôneos” e que não haveria “qualquer fato novo que justifique a alteração do estado de liberdade que lhe foi conferida após lavratura de boletim de ocorrência circunstanciado”.

O boletim foi registrado logo após a morte de Isabele, em 12 de julho. A atiradora ficou em liberdade durante todo o inquérito da Polícia Civil, concluído em 2 de setembro, tendo comparecido para prestar depoimento. O pedido de apreensão foi feito pelo MPE em 9 de setembro.

A defesa alegou que a garota colaborou com as investigações “inclusive com a dispensa de direitos constitucionalmente assegurados". A conclusão tanto do MPE quanto da polícia foi de que houve ato infracional análogo a homicídio doloso, quando há intenção ou se assume a possibilidade de morte.

O advogado Artur Osti alegou ao desembargador que B. não cometeu atos para prejudicar as investigações, está inserida na família, tem endereço certo, é primária, cursa o ensino médio, faz acompanhamento psicológico por causa da tragédia, entre outros bons antecedentes, "não apresentando um único traço voltado a qualquer espécie de reiteração infracional".

"Com efeito, vale destacar que o princípio constitucional da presunção de inocência estatui o direito à liberdade como regra geral, deslocando as medidas cautelares, ainda que no curso da ação socioeducativa, para o âmbito das exceções, o que demanda sua análise à luz do texto constitucional, única via a autorizar o afastamento da garantia da não culpabilidade daquele adolescente submetido ao processo para apuração da prática de ato infracional", disse Rui Ramos.

Para o desembargador, a decisão de 1ª instância não demonstrou "indispensabilidade da internação provisória da paciente, como a utilidade social e processual, uma vez que as razões consignadas no decisum vergastado são frágeis, não traduzindo, por isso mesmo, um dos requisitos exigíveis à decretação da medida socioeducativa em referência, comprometendo, dessa forma, o caráter excepcional da medida".

A juíza teria se pautado apenas na gravidade dos atos pelos quais a menina é acusada, sem apresentar argumentos que justificassem a necessidade de apreensão. Mantê-la em uma instituição socioeducativa seria “desproporcional”, na avaliação de Rui Ramos.

"Ainda, com relação ao fato da retirada do estojo das armas do local do ato infracional, bem como a troca de roupa pela menor, não demonstram por si só a necessidade da medida extrema, eis que sequer foi representada por estes fatos, bem como não contemporaneidade”, registrou.

O desembargador deliberou que a juíza da 2ª Vara da Infância e Juventude poderá determinar outras medidas cautelares contra a jovem, desde que não incluam a apreensão. Ele deu a decisão no plantão e, por isso, o caso pode ser distribuído ao um novo relator, que deverá fazer nova avaliação da situação da menina.

Postar um novo comentário

Comentários (13)

  • Tom | Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 17h59
    7
    0

    Sr Juca, posso apontar uma arma na sua cara? Se dispararrrrrr, veja só, se disparar, foi acidente viu?! Seu puxa saco de criminosos

  • REVOLTADO | Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 17h43
    2
    0

    REVOLTADO, Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

  • Juca | Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 16h09
    1
    12

    Correta a menção do Dr. Rui Ramos.

  • Junqueira | Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 15h31
    14
    2

    isso pq essa desgraça não foi na família dele nem de amigo, se fosse...

  • Junior Arantes | Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 15h25
    15
    0

    SOLTA A MENINADA DO POMERI JÁ!!! DIREITO IGUAIS PARA TODOS!!

  • Carolina | Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 15h24
    16
    2

    "afirmou que a gravidade do ato infracional análogo a crime imputado à garota no homicídio de Isabele Guimarães não seria suficiente para justificar sua apreensão" MEU DEUS!! O que seria então ao ver desse desembargador ? Estamos à mêrce dos menores nesse Brasil, nenhum devia estar no Pomeri só por ser pobre né Dr?? PQP

  • sebastião | Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 14h22
    15
    1

    A justiça é cega, mas o povo não é burro.

  • Miguel | Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 14h03
    6
    1

    Símbolo da justiça A venda é um símbolo de imparcialidade: significa que ela não faz distinção entre aqueles que estão sendo julgados. A balança indica equilíbrio e ponderação na hora de pesar, lado a lado, os argumentos contra e a favor dos acusados. Bem assim......

  • ANA PAULA | Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 13h44
    18
    1

    Caro Saulo, a família estava no Manso, andando de lancha e jetski numa boa,todos felizes.....a pistoleira também estava junto, nem tchum...F...viu!

  • Saulo | Quarta-Feira, 16 de Setembro de 2020, 13h11
    15
    0

    Será que uma garota dessa vai ter uma vida social comum depois de tudo isso? Será que vai ter coragem de olhar para a cara dos seus amigos e dos parentes?

Produtores e a unificação de eleições

antonio galvan 400 curtinha   Mato Grosso pode ter três eleições no mesmo dia, 15 de novembro. Isso porque, além das municipais e a suplementar ao Senado, alguns produtores rurais se movimentam para que a escolha do novo presidente da Aprosoja também seja na mesma data das eleitorais. Inicialmente, o pleito da...

Euclides, ideia do "calote" e frustração

euclides ribeiro 400 curtinha   O advogado Euclides Ribeiro (foto), que enriqueceu atuando na área de recuperação judicial e hoje detém um patrimônio declarado de R$ 23 milhões, não "decolou" com a candidatura ao Senado. Acreditava-se que sua principal proposta, aquela de recuperar o nome e o...

Empresários revoltados com candidato

vinicius nazario 400 curtinha   Os candidatos a prefeito de Alta Floresta, cidade pólo do Nortão, participaram de uma live nesta terça, organizada pela Universidade do Estado (Unemat). E chamou atenção, vindo a repercutir de forma negativa e provocar certa revolta no comércio local, o comentário do...

Olhar Dados mantém EP na liderança

emanuel pinheiro 400 curtinha   A sexta pesquisa do Olhar Dados sobre intenções de voto para prefeito de Cuiabá, divulgada nesta terça pelo site Olhar Direto, traz o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) estável, em primeiro, com 31,2%. Em segundo, com 7 pontos atrás, figura Abílio Júnior, com...

Meraldo disputa e contra próprio irmão

meraldo sa 400 curtinha   Meraldo Figueiredo Sá (foto), ex-prefeito de Acorizal por dois mandatos, está rindo à toa. Mesmo com parecer contrário do Ministério Público Eleitoral, por considerá-lo ficha-suja, Meraldo conseguiu deferimento do registro de sua candidatura. E entra no embate eleitoral com...

Gamba e efeito-vice em Alta Floresta

chico gamba 400 curtinha   O agricultor Chico Gamba (foto), que concorre a prefeito de Alta Floresta pelo PSDB, estaria disposto a substituir a vice da chapa, a empresária Roseli Gomes, a Rose da Tradição (PSC), por esta enfrentar forte desgaste político, rejeição popular e até denúncia. Mas,...

MAIS LIDAS