Arte e Cultura

Domingo, 09 de Junho de 2019, 07h:40 | Atualizado: 09/06/2019, 08h:40

Há 8 anos, companhia "Pé de Pano" leva arte educativa para rincões de MT - fotos

Divulgação

P� de Pano

Liudmila Diaz percorre Mato Grosso e leva a arte até rincões 

Há oito anos, a artista Liudmila Diaz, 33, percorre o Estado e regiões vizinhas com sua arte para crianças e adultos. Junto com a filha, de oito anos, e um amigo, ela integra a Companhia Pé de Pano, que leva um mundo encantado para regiões que dificilmente recebem eventos artísticos.

A companhia, segundo a artista, tem o objetivo de levar arte e educação por meio de diversas abordagens, como teatro de lambe-lambe, leitura, narração de histórias, bonecos e diversas oficinas dentro do mundo das artes.

A Pé de Pano nasceu em Chapada dos Guimarães, em 2011. Desde então, já se apresentou em cidades mato-grossenses como Cuiabá, Nova Mutum, Primavera do Leste, Poconé, Cáceres e Rondonópolis. Ela também já foi para municípios de outros estados, como Alta Floresta do Oeste (RO) e Assis (SP).

Liudmila trabalha como artista há 12 anos e havia atuado em outras companhias de teatro. Em busca de um grupo próprio para trabalhar com arte e educação, criou a Pé de Pano. "Hoje, eu e minha filha somos unidas pelo amor ao teatro de rua, à cultura popular brasileira e aos bonecos", diz.

A companhia apresenta sua arte por meio de temas educativos, principalmente com assuntos culturais relacionados ao Brasil e a Mato Grosso.

“O nosso principal objetivo é trabalhar arte e educação de forma itinerante, pesquisando as diversas culturas populares do Brasil. Acredito que uma educação de qualidade deva estar baseada na realidade e no contexto das pessoas, por isso a transmissão e valorização da cultura é de extrema importância”, afirma a artista.

O nosso principal objetivo é trabalhar arte e educação de forma itinerante

Liudmila Diaz

Entre seus materiais de trabalho há duas caixas de teatro de animação lambe-lambe, nas quais conta as histórias de um garoto que vive situação de extrema vulnerabilidade social e a de um artista amado e odiado nas ruas. Para ela, tais personagens são formas de conscientizar as crianças sobre o mundo.

A companhia possui outras atrações, como o espetáculo "Contos da Nossa Terra", que traz narrações de histórias de Mato Grosso e as leituras de histórias infantis para ensinar o gosto pela literatura. Um dos destaques do grupo é a boneca Carmem, definida pela artista como "uma cigana marcada pelo desgaste de sua vida itinerante e pelo preconceito".

“Carmem, interage com o público barganhando histórias, trazendo questionamentos reflexivos sobre as diversas formas de viver a vida e aguçando as percepções do público com cheiros e sabores das especiarias que carrega consigo”, explica Liudmila.

Além de mãe e filha, a Pé de Pano também conta com a presença do artista Lucas Ciol, que é psicólogo no Centro de Referência de Assistência Social (Cras) de Chapada dos Guimarães e há um ano faz o teatro de lambe-lambe da companhia e realiza oficinas voltadas sobre arte circense.

Liudimila também trabalha no Cras de Chapada. Ela concilia a carreira de artista com a função de facilitadora de expressão corporal. Já a pequena Lis se divide entre a vida de estudante e a de artista. “A minha filha nasceu dentro do teatro de bonecos. Desde sempre acompanha a companhia brincando os bonecos, participando das cenas e fazendo parte dos processos criativos”, diz a fundadora da companhia.

Galeria: Grupo Pé de Pano

Os integrantes da Pé de Pano não se consideram atores. "Tampouco almejamos palcos. Somos brincantes da rua, estamos nas feiras, nas praças, nas escolas e nas comunidades rurais. Investimos em formações e vivências que compreendam esse universo", conta a artista.

Levando cultura a todos os cantos

Divulgação

Pé de Pano

Entre materiais de trabalho, há caixas de teatro "lambe-lambe"

Para Liudmila, uma das situações mais especiais que vivenciou com a Pé de Pano foi em uma escola indígena, em Alta Floresta do Oeste. No local, ela e uma amiga, de outra companhia, precisavam, em poucos dias, montar uma cena de teatro de bonecos. "Mas a igreja evangélica tinha se instalado há 15 anos na aldeia do povo Tupari e eles não podiam mais contar suas lendas, cantar suas músicas e praticar seus rituais. Como consequência, aquele povo está se esquecendo de sua história e tradições", diz.

A artista conta que passou, junto com a amiga, três dias conversando com as mulheres indígenas da aldeia, para ganhar a confiança delas.

Depois, descobriram uma história daquele povo. “Preparamos rapidamente a narração e fomos apresentar na escola para as crianças indígenas, que pela primeira vez estavam escutando uma história sobre o seu povo. Ver a expressão das crianças se identificando e se divertindo com a história foi muito gratificante”, orgulha-se.

A arte é a forma que Liudmila encontrou para se sentir em paz e feliz. Em razão disso, tenta driblar as dificuldades financeiras enfrentadas por quem vive de apresentações artísticas em Mato Grosso e no Brasil. “Estamos passando por um período de forte recessão financeira. As instituições que sempre contratavam as apresentações já não podem oferecer o suporte básico que ofereciam antes. Essa carga recai sobre o artista, e o cachê diminui bastante”, lamenta.

Nos próximos anos, ela avalia que o cenário poderá ser ainda pior no meio artístico. “Vão tirar, já tiraram e vão continuar tirando os recursos destinados à cultura, além da censura que já começa a aparecer. Acho que tempos difíceis estão por vir. Não é novidade que a cultura seja sempre a primeira a ser deixada de lado. Mas também não é novidade que a produção sempre aconteceu e continuará crescendo em toda as suas possibilidades”, diz.

“O cenário cultural brasileiro continuará se desenvolvendo, se reinventando e criando estratégias para sobreviver, porque a arte é necessária e inata ao ser humano”, afirma.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Governo quita toda a folha de junho

O governo estadual concluiu nesta sexta (19) o pagamento de junho dos servidores ativos, inativos e aposentados que ganham acima de R$ 7,5 mil. Para essa quitação foram necessários R$ 61,8 milhões. Com isso, liquidou totalmente a folha de junho dos cerca de 100 mil funcionários públicos, que consomem R$ 472,7 milhões. No dia 10 deste mês, o governo pagou a primeira parcela dos salários de junho, depositando até R$ 5,5...

Emedebista pode ser candidato único

leonardo bortolin curtinha   Eleito na suplementar realizada em 2017, Leonardo Bortolin (foto), de Primavera do Leste, é considerado hoje o prefeito emedebista em MT mais bem avaliado. Na convenção do partido nesta quinta no município, lideranças, como o deputado federal Carlos Bezerra e os estaduais Thiago Silva,...

2 "amarelam" e faltam de propósito

nininho curtinhas   Dois deputados não pisaram os pés na sessão desta quinta propositalmente. "Amarelaram". Ao invés de tomarem posição quanto ao projeto de lei complementar do governo que reinstitui os incentivos fiscais, Nininho (foto) e o delegado Claudinei preferiram não comparecer. Assim como os...

Adevair vai para PTB e quer ser vice

adevair cabral curtinha   O PTB, que hoje não tem um representante entre os 25 vereadores cuiabanos, vai abrigar dois parlamentares, o presidente da Câmara Municipal Misael Galvão, hoje no PSB, e o primeiro-secretário da Mesa, o tucano Adevair Cabral (foto). O curioso é que ambos chegam na legenda petebista...

7 contra reinstituição dos incentivos

valdir barranco curtinha   Como já esperado pelo governador Mauro, apesar da pressão de diversos segmentos, como do comércio, do agronegócio e da indústria, o projeto de lei complementar número 53, que trata da reinstituição dos incentivos fiscais, passou facilmente pelo crivo da Assembleia....

Irmão de ex-senador já sai do governo

wener santos curtinha   Durou apenas seis meses a permanência do ex-prefeito de Nova Marilândia (2013/2016), Wener dos Santos (foto), como secretário-adjunto de Cidades do Estado. Irmão do ex-senador Cidinho Santos, Wener foi exonerado no último dia 2. Pediu para deixar o governo Mauro. O salário não...

ENQUETE

Profissionais da Educação estão em greve há mais de um mês. O que você acha disso?

estão corretos. Devem continuar

discordo. Deveriam voltar às aulas

pra mim, não faz diferença

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.