Arte e Cultura

Sexta-Feira, 17 de Maio de 2019, 08h:30 | Atualizado: 24/05/2019, 08h:32

Natureza

Ilustrador abandona carreira em SP para viver de pintura em Chapada - veja fotos

No silêncio da natureza de Chapada dos Guimarães, o artista plástico Renato Campello, 66 anos, cria suas obras. Encantado pela beleza da paisagem da região, o pintor mora na cidade mato-grossense há 21 anos. “Penso que enquanto viver, vou morar aqui”, afirma.

Arquivo Pessoal

Campello � um apreciador da natureza

Renato Campello é um apreciador da natureza e mora em Mato Grosso há 21 anos e cria suas obras de arte no silêncio da mata de Chapada dos Guimarães

Campello nasceu nas proximidades da Reserva Ecológica do Taim, no Rio Grande do Sul, na divisa com o Uruguai. O pai dele era capataz de fazenda e a mãe era uma cantora aposentada, que havia deixado a carreira para acompanhar o marido. “Eles também eram artistas. Minha mãe, além de passar o dia cantando, também fazia pinturas. Meu pai era escultor, apesar de inexperiente na área”, relata.

Inspirado pelos pais e pela natureza em que vivia, o artista começou a pintar aos seis anos. “Eu pintava nos casarões da região e isso me fascinava. Era a minha forma de expressão na infância”, relembra.

Ele foi aprimorando a técnica da pintura com o passar dos anos. Em paralelo, mantinha a paixão pela música, inspirado pela cantoria da mãe. Na adolescência, se mudou para São Paulo, onde trabalhou como guitarrista e, posteriormente, cursou a faculdade de jornalismo. Na Capital paulista, na década de 70, começou a trabalhar como chefe de arte das revistas infantojuvenis na editora Abril.

No início dos anos 80, ele foi contratado pela editora Globo, no Rio de Janeiro, onde trabalhou como ilustrador de revistas infanto-juvenis. “Aprendi com grandes profissionais da área. Foi um período muito importante para mim”, conta.

Eu estava acomodado dentro do trabalho como ilustrador. De repente, me vi sem nada, simplesmente um pintor

Renato Campello

Em 1984, Campello tomou uma decisão que mudou completamente a sua vida: deixou a segurança dos empregos com carteira assinada para ganhar a vida como pintor. “Sempre amei a pintura. Acredito que as paisagens precisam ser vistas”, afirma.

“Eu estava acomodado dentro do trabalho como ilustrador. De repente, me vi sem nada, simplesmente um pintor, tendo de ir às ruas para sustentar a minha filha. Na década de 80 e 90, não era fácil ser artista plástico no Brasil”.

Ele conta que o amor à pintura foi fundamental em sua vida. Ele passou a comercializar seus quadros, que classificava como “meio apocalípticos”, em feiras do Rio de Janeiro. Anos mais tarde, se mudou para as cidades mineiras de Tiradentes e Ouro Preto. “Nessa época, quis voltar às minhas origens e viver no campo, em Minas Gerais. Para vender os quadros, ia para feiras em Copacabana, no Rio de Janeiro”, declara.

“Sempre priorizei a pintura no campo, feita no próprio local, para que pudesse estar vivenciando aquilo que estava pintando. Nunca gostei muito do trabalho em estúdio”, acrescenta.

O amor por Chapada dos Guimarães

Vinícius Lemos

Artista pl�stico Renato Campello durante visita � sede do Rdnews e entrevista ao RDTV

Artista plástico Renato Campello durante visita à sede do Rdnews e entrevista ao RDTV

Em 1987, Campello fez o primeiro trabalho em Mato Grosso. Na época, ele foi a Chapada dos Guimarães para passear e se encantou pela região. “Eu pensei: um dia vou morar aqui. Fiquei encantado pela beleza cenográfica do lugar e pelas pessoas, que são incríveis. É uma região que traz paz”, afirma.

Da primeira vez que veio a Mato Grosso até meados dos anos 90, Campello fez várias viagens a Chapada dos Guimarães. Ele fez diversos trabalhos no Estado, entre eles a reprodução de pinturas clássicas brasileiras na Câmara de Várzea Grande. Para o artista, retornar ao solo mato-grossense era uma forma de reencontrar a paz.

Em 1998, ele finalmente concretizou o sonho de morar em Chapada dos Guimarães. O artista plástico se mudou para a cidade junto com a esposa, a artista Angela Godinho Campello, e com a filha Fabrícia Campello, que teve em seu primeiro casamento. Desde então, a família não se mudou mais.

Hoje, o pintor se inspira na beleza de Chapada para fazer as suas criações, que classifica como hiper-realistas. Ele conta que faz obras ao ar livre, em contato direto com o campo. “Tento me desprender um pouco do realismo. A arte não precisa ser apenas objetiva. Ela precisa ser inspirada. Estou tentando perceber outro nível de Chapada, além do que pode ser visível. A pintura traz percepções que você nem sabe o que é, mas você percebe”, diz.

Galeria: Artista faz telas da natureza

“Chapada tem muita luz, movimentos e esse algo místico que não há explicação. Acredito apenas na natureza, no domínio dela. Os guardiões que você vê nas pedras do local te dão essa dimensão mística. A arte dá vida a essa certeza de misticismo. Chapada transmite força, vida e permanência”, acrescenta.

Em Chapada dos Guimarães, Campello possui uma casa próxima à região central do município e um sítio, onde ele faz a maioria de suas obras. “Essa minha propriedade rural é como se fosse um retiro. Pinto na natureza, tentando vivenciar e estar dentro da obra”, diz.

Estou tentando perceber outro nível de Chapada, além do que pode ser visível

Renato Campello

Os quadros são feitos com tintura acrílica. “É o melhor material, porque produzo telas muito grandes, em razão da dimensão de Chapada”, explica.

Ao longo da carreira como pintor, ele já comercializou quadros para diversos países, como Estados Unidos, Israel, Argentina e Chile. “No Brasil também vendi muito, mas eram obras menores. Eu sempre comercializei muito mais pra fora do país”, diz o artista, que hoje vive exclusivamente dos quadros que pinta.

Exposição

A residência do pintor, nas proximidades da região central de Chapada, se tornou também um espaço cultural. O local, intitulado Casa de Arte, exibe gratuitamente quadros pintados por Campello. O lugar está localizado ao lado da Casa Palomino de Cultura. “A visitação é gratuita. Além de conhecer os quadros, as pessoas também podem adquiri-los, caso queiram”, explica.

“O mais importante é mostrar a nossa arte, a venda é consequência. A arte é muito importante. Levo muito em consideração o aspecto do tempo. A gente faz uma obra esperando que ela dure de 500 a mil anos”, completa.

Em 21 de junho, Campello exibirá suas obras em uma exposição no Bistrô da Mata, em Chapada dos Guimarães. “Acredito que seja um local que tenha tudo a ver com as minhas obras, em razão da paisagem e do lugar”, pontua. A mostra, que tem apoio da empresa Ferraz Energética, deverá permanecer no local por um mês. “Depois pretendo levá-la para outro lugar, mas não há definição ainda. Talvez em São Paulo, mas ainda não há local definido”, diz.

Para mais informações sobre o trabalho de Campello ou sobre a exposição, o telefone de contato do artista é (65) 99816-8103.

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • silvio bossi | Sexta-Feira, 23 de Agosto de 2019, 21h17
    0
    0

    saudações a todos. tive a honra e sorte de conviver com esta familia nos inicios dos anos 90 , em são thomé das letras.... momentos marcantes e inesquecíveis. sorte a todos

  • Chirrão | Sábado, 18 de Maio de 2019, 20h25
    1
    0

    VC é o CARA!! Parabéns!

  • ELIZABETH TARTA SAN MARTINS | Sábado, 18 de Maio de 2019, 20h03
    0
    0

    Um artista maravilhoso, com um trapalho espetacular que aconpanho apesar de nao o ver a mais de vinte anos. Merece todo o reconhecimento de sua grande obra e nossos aplausos!!

  • Geni da silva martins | Sexta-Feira, 17 de Maio de 2019, 19h17
    3
    0

    Trabalho maravilhoso num local expetacular e um artista talentoso...só podia acontecer isto...lindo .. Lindo!!

  • sueli | Sexta-Feira, 17 de Maio de 2019, 10h30
    2
    0

    Que maravilha! Me encantei com essas telas!

Queda-de-braço em Alto Araguaia

gustavo melo 400 curtinha   O prefeito de Alto Araguaia, Gustavo de Melo (foto), enfrenta uma queda-de-braço com os vereadores. Recentemente, oito dos 11 parlamentares encaminharam ofício ao chefe do Executivo, inclusive com cópia para o MPE, considerando inoportuna, descabida e suspeita, neste momento de pandemia, fazer obra...

Estado amplia leitos de UTI no Sul

gilberto figueiredo 400 curtinha   O secretário estadual de Saúde Gilberto Figueiredo (foto) reclama, sem citar nome, da forma como a prefeitura rondonopolitana está encarando a pandemia da Covid-19. Mesmo o governo federal já tendo pago diárias antecipadamente e, inclusive por três meses, de 10 leitos de...

Briga inconsequente com Santa Casa

z� do patio 400 curtinha   Acuado pela consequência da falta de planejamento e de gestão, o prefeito Zé do Pátio (foto), de Rondonópolis, está numa luta descabida de tentar encontrar culpados pelo avanço da Covid-19 no município. A prefeitura não construiu, sequer,...

2 secretários acionados sobre compras

ozenira 400 curtinha   Os secretários municipais de Cuiabá, Luiz Antonio Possas de Carvalho (Saúde) e Ozenira Félix Soares (foto), de Gestão, têm 48 horas para prestar esclarecimentos sobre compras, sem licitação, de óculos de proteção e macacões destinados a...

Valdir, conta rejeitada e pedido negado

valdirzinho 400 curtinha   Valdir Pereira de Castro, o Valdirzinho (foto), prefeito de Santo Antonio de Leverger, ingressou com pedido de revisão no TCE sobre o parecer contra aprovação das contas de 2018. O Tribunal apontou uma série de irregularidades, entre elas registros contábeis incorretos, abertura de...

Stopa vira trunfo do prefeito Emanuel

jos� roberto stopa 400   Filiado histórico do PV, José Roberto Stopa (foto) se tornou espécie de trunfo do prefeito Emanuel Pinheiro. Se o emedebista resolver buscar a reeleição, o que seria o caminho natural, Stopa pode entrar na chapa como candidato a vice ou simplesmente ficar de fora do...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a administração Emanuel Pinheiro em Cuiabá

excelente

boa

regular

ruim

péssima

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.