Gastronomia

Domingo, 04 de Fevereiro de 2018, 09h:45 | Atualizado: 04/02/2018, 10h:00

Caipirinha completa 100 anos; conheça a história e alguns lugares para degustar

O drinque mais famoso do Brasil completa 100 anos neste 2018 (a data exata é incerta, com divergências entre as fontes históricas), porém o local apontado pela maioria é o interior de São Paulo, especialmente a cidade de Piracicaba. A coisa é tão séria que há até um decreto do ex-presidente Lula, em 2003, para "proteger a autenticidade" da bebida. Em Cuiabá, a novidade (para 1918) chegou logo após a criação (com gelo, açúcar, pinga e mais nada), mas certamente era tomada por aqui em sua forma primitiva, feita de aguardente, alho, limão e mel, como remédio para gripe). A reportagem teve a missão nem um pouco difícil de degustar caipirinhas em alguns bares e para fazer algumas indicações (a partir do quarto parágrafo). 

Gilberto Leite

Pra�a da Mandioca

Popular como a própria Praça da Mandioca, a caipirinha foi degustada lá e em vários outros locais da cidade, como o Bar do Edgar, no Porto, e mais chiques no Coxipó e Praça Popular

Tratada em todo o país e há alguns anos, mais fortemente a partir da década de 70, no mundo como uma das maiores expressões da cultura brasileira, a cachaça, pinga, branquinha, é também o principal ingrediente do coquetel mais consumido no Brasil e um dos campeões no resto do planeta. Histórias indicam que a caipirinha fora criada entre as classes mais populares a partir de uma receita feita com limão, alho e mel e indicada para os acometidos pelo vírus influenza H1N1, forte e, naquele 1918, mortal em muitos casos, que grassava pelo planeta.

Em um Brasil sumamente rural, era bastante comum a utilização das garrafadas (misturas de ervas medicinais e álcool) como terapia. Gradativamente a pinga foi tomando o lugar do álcool medicinal e o mel (mais difícil de ser obtido) foi substituído pelo açúcar; o alho foi retirado e o gelo, vencida a gripe, adicionado, de acordo com o diretor-executivo do Instituto Brasileiro de Cachaça (Ibrac), Carlos Eduardo Cabral de Lima. "Um dia, alguém resolveu tirar o alho e o mel. Depois, acrescentaram umas colheres de açúcar para adoçar a bebida. O gelo veio em seguida, para espantar o calor".

Boas caipirinhas na capital

Pra não contrariar o caráter popular da bebida, as primeiras avaliadas foram as servidas nos botecos Do Azambuja e Dom Luiz, ambos localizados na Praça da Mandioca. Em ambos, a receita clássica foi seguida, mas ela é um pouco mais forte (com mais pinga) no Dom Luiz, ambos apresentam a bebida com sabor encorpado e acentuado de limão e açúcar na medida certa, como deve ser, aliás. Os preços não ultrapassam os R$ 15 em ambos.

Divulgação

Caipirinha

Caipirinhas eram feitas somente com cachaça, açúcar e limão. Agora, existem tipos variados

Se a preferência é por uma caipirinha mais doce e com menos pegada no álcool as do Essência Cuiabana e do Gran Toro (média de R$ 20, a depender da fruta utilizada e sem considerar a caipiroska, porque não é o caso aqui) são ótimas opções. Talvez até pela busca por manter a tradição cuiabana, a do Essência é mais pegada na cachaça e a do Gran Toro, mais suave e frutada. As quantidades são pouco menores que as da Mandioca, mas também deixam a pessoa, digamos, alegre, a partir do segundo drinque.

Voltando aos locais mais populares, a do Bar do Edgar (que funciona a céu aberto, na Praça do Porto) é outra boa opção para quem procura a coisa mais raiz. Forte, servida em copo alto e adoçada na medida certa, garante leveza na mente já na primeira. O preço também é convidativo: R$ 15. Para encerrar, vale destacar duas, servidas na região do Coxipó. A primeira é a do Cervejarium, feita com a precisão nas medidas, e a frozen da Taverna Corvo Negro. As duas levam o adicional de manjericão (novidade recente presente na maioria dos bares mais, digamos, finos) e cumprem o prometido: sabor suave e relaxamento garantido, destaque para a refrescância da versão frozen.

Breve história controversa

Para alguns historiadores, a caipirinha foi criada por fazendeiros latifundiários na região de Piracicaba como um drinque local para festas e eventos de alto padrão, sendo um reflexo da forte cultura canavieira da região. A caipirinha, em seus primeiros dias, era vista como um substituto local de boa qualidade ao uísque e ao vinho importados, sendo a bebida servida frequentemente em coquetéis da alta classe de fazendeiros, vendas de gado e eventos de grande notoriedade.

Divulgação

Caipirinha

Tradicionais são feitas somente com cachaça, açúcar e limão, mas outras frutas, vodca, saquê e manejricão são adicionados ou substituem estes ingredientes em alguns lugares

Certo mesmo é que após a popularização, inúmeras variações foram feitas, as mais notórias quanto à troca do limão por outras frutas (maracujá, uva, morango, kiwi e até chivia) e a adição do manjericão. Em algumas regiões, substitui-se o açúcar refinado pelo açúcar mascavo. Essa mudança na fruta e a adição de outros ingredientes na receita causa polêmica. “Os bartenders usam a criatividade como forma de personalização do drinque. No entanto, com outras frutas que não limão, o coquetel não poderia ser chamado de caipirinha, teoricamente”, explica o presidente da Confraria Paulista da Cachaça, Alexandre Bertin.

E a coisa pega mesmo quando vodka ou saquê, por exemplo, substituem a boa e velha pinga. Para os produtores de cachaça e muitos apreciadores e sommeliers, não poderia ser chamada de caipirinha em hipótese nenhuma. De acordo com o decreto-lei presidencial de número 4.851, assinado por Lula em 2003: "bebida com graduação alcoólica de quinze a trinta a seis por cento em volume, a vinte graus Celsius, elaborada com cachaça, limão e açúcar, poderá ser denominada de caipirinha (bebida típica do Brasil), facultada a adição de água para a padronização da graduação alcoólica e de aditivos”.

Segundo Bertin, a receita tradicional é diretamente preparada no copo, no qual o limão deve ser levemente macerado com o açúcar, posteriormente acrescentar o gelo e, na sequência, a dose de cachaça. Deve-se mexer levemente para misturar os sabores. O coquetel trará a acidez do limão, o doce do açúcar e o alcoólico da cachaça. 

Pileque cultural

Divulgação

Caipirinha

Intelectuais como turma de Oswald de Andrade beberam muita caipirinha na Semana de 22

Segundo o livro Cachaça: O Mais Brasileiro dos Prazeres, do sommelier Jairo Martins, a caipirinha fez rebuliço e foi parte integrante da Semana de Arte Moderna de 22. Utilizada e servida por Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral contra a "europeização" dos gostos e hábitos brasileiros durante o evento histórico, chegou mesmo a ser levada até Paris pelos dois para gente como Pablo Picasso. “A caipirinha foi usada como uma espécie de protesto. Mais tarde, a pintora Tarsila do Amaral e o escritor Oswald de Andrade levaram a tradição até Paris”, afirma Martins.

Referência e autoridade em cachaça, Mestre Derivan corrobora a tese. “Quando Tarsila morou em Paris, em meados de 1920, recebia cachaças enviadas do Brasil, com as quais preparava as caipirinhas. Tarsila apresentou tanto a bebida mais brasileira de todas e o coquetel a Pablo Picasso”, conta. Ou seja, embebedar-se, todos sabemos, não só com vinho ou uísque, mas também e principalmente com pinga e caipirinha aqui no Brasil, também é cultura. Além de carregar em si, como toda bom substrato cultural, em igual medida erudição e saber popular.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Sexto suplente na Câmara por um mês

aluizio leite 400 curtinha   Aluízio Leite (foto), filiado histórico do PV, tomou posse como vereador pela Capital na último dia 2. Mas vai ficar na cadeira por somente 31 dias, até o retorno do titular, delegado Marcos Veloso, que se afastou para cuidar de assuntos pessoais e hoje se encontra hospitalizado com...

No TCE pra tentar receber da prefeitura

flavia mesquita 400 curtinha   Flávia Mesquita (foto), da Luppa Administração de Serviços, pediu socorro ao TCE para tentar receber por serviços prestados à secretaria de Saúde de Cuiabá, alegando que o município está inadimplente há oito meses. E apontou quebra da ordem...

Pai e filho pré-candidatos em Poconé

henrique santos 400 curtinha pocone   Em Poconé, pai e filho estão animados para o teste das urnas deste ano. Um a prefeito e, outro, para vereador. Euclides Santos, que já foi vereador (89/92) e prefeito por duas vezes (93/96 e 2001/2004), além de secretário de Infraestrutura e Serviços Urbanos em...

Expectativa de tocar a Cultura de MT

paulo traven 400 curtinha   Um dos três adjuntos da pasta de Cultura, Esporte e Lazer do Estado, José Paulo da Mota Traven (foto) vem se articulando para assumir de forma efetiva o comando da secretaria. Ele conta com apoio de alguns membros do staff, como do secretário de Governo, Alberto (Beto) Machado. O governador...

Poconé tem hoje vários "prefeitáveis"

euclides santos 400 curtinha   O ex-vereador e ex-prefeito de dois mandatos de Poconé, Euclides Santos (foto), que era do MDB e agora está no PSDB, vem se movimentando nos bastidores para concorrer novamente à sucessão municipal. Seria um dos nomes de oposição ao prefeito Tatá Amaral, que vai tentar...

Apostas do PTB para vereador em VG

silvio fidelis 400 curtinha   Detentor da segunda maior bancada na Câmara de Várzea Grande, com cinco assentos, atrás somente do DEM da prefeita Lucimar, que conta com sete vereadores, o PTB aposta na hipótese de ao menos manter as cinco vagas. E todos os seus vereadores vão à reeleição, sendo...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.